2 milhões de pessoas no Réveillon de Copacabana - Diário do Rio de Janeiro

2 milhões de pessoas no Réveillon de Copacabana

0

Réveillon 2017 – Praia de Copacabana – O Grande Encontro – Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo – Rio de Janeiro – Foto: Gabriel Santos | Riotur

Apesar de um réveillon mais pobre, a virada de Copacabana que só teve 1 palco não decepcionou, cerca de 2 milhões de pessoas passaram pelas areias da Princesinha do Mar para celebrar o novo ano que chegou. A estimativa é da RioTur.

O tradicional espetáculo pirotécnico, assinado pela Pirotecnia Igual Brasil, foi multicolorido, com destaque para o verde e amarelo, lilás, rosa, dourado e branco. Efeitos especiais fizeram palmeiras, corações, flores e carinhas felizes explodirem nos céus. Sincronizado com a trilha sonora, que foi um pot pourri de músicas, da ópera ao funk, o espetáculo de fogos começou pontualmente no primeiro segundo de 2017 e teve duração de 12 minutos, sendo encerrado ao som de Cidade Maravilhosa. Foram 18 toneladas de fogos, sendo 21 mil bombas, de origem espanhola, detonadas de onze balsas fundeadas no mar de Copacabana.

E, apesar de ter quem defenda o fim do réveillon de Copa, pelos gastos, não enxerga o retorno no turismo e os números mostram como ele é bom para a cidade. O balanço da hotelaria no Réveillon foi considerado positivo pela Associação de Hotéis do Rio (ABIH-RJ), confirmando as estimativas de fechamento médio perto de 80% de ocupação na Barra da Tijuca e 85% na Zona Sul. No ano passado, a média geral da capital ficou em 82,97% de quartos ocupados. A cidade recebeu 865 mil turistas no período, que movimentaram a economia carioca com US$ 691 milhões, de acordo com a Riotur.

Segundo levantamento da ABIH-RJ, neste fim de semana a capital registrou média geral de 78% de quartos vendidos. O desempenho foi bem superior nos bairros de Copacabana/Leme (86%) e Ipanema/Leblon (83%). Flamengo e Botafogo registraram 81%, enquanto o Centro teve 61% de ocupação.

Grande público prestigia festa em diversos palcos da cidade

No Parque Madureira, mesmo debaixo de forte chuva, 50 mil pessoas curtiram a Velha Guarda da Império Serrano, DJ Michel do Baile do Viaduto, Grupo Arruda, Naldo Benny e Portela. No Flamengo, um público de 450 mil pessoas festejou a virada ao som de Luiz Kiari, Vtrix, Dudu Nobre, São Clemente e Salgueiro. Cinquenta mil insulanos aproveitaram a tradicional festa na praia da Bica, com DJ PH, Bruno Maia, Intimistas, ImaginaSamba e União da Ilha. No Piscinão de Ramos, 40 mil pessoas celebraram com funk e pagode: DJ Érick, Bonde do Vinho, Ferrugem, Beija-Flor e Grande Rio. No IAPI da Penha, DJ Café, Beleléu, Banda Holograma, Grupo Clareou e Imperatriz colocaram 30 mil pessoas pra dançar. A bucólica Ilha de Paquetá reuniu quatro mil pessoas em sua festa da virada na praia da Moreninha, que contou com DJ Beto Mancha, Claudio Zolli, Swing & Simpatia e Paraíso do Tuiuti. Na Praia do Recôncavo, em Sepetiba, DJ Alex Correia, Jonathan Alexandre, Coisa Séria, Chininha e Príncipe e Mocidade Independente atraíram 40 mil na virada. Em Pedra de Guaratiba, a Rua Barros de Alarcão recebeu 20 mil ao som de DJ Moisés Junior, Pura Amizade, Tá na Mente e Vila Isabel.

A Barra da Tijuca, que esse ano se consolidou como o segundo maior Réveillon do Rio e o maior da história da região, marcou 79% de ocupação na virada. Com apoio da ABIH-RJ, Rio CVB e Riotur, o bairro contou com onze pontos de queima de fogos, distribuídos estrategicamente para presentear turistas e moradores com um verdadeiro espetáculo pirotécnico, visível da Barra às Vargens.

Além do Quebra-mar e dos shoppings Village Mall e Barra World, os hotéis Windsor Barra, Sheraton Barra, Brisa Barra, Grand Hyatt Barra, Ramada Recreio, Hilton Barra e Courtyard Marriott também foram pontos de queima de fogos. Os cinco estrelas do bairro, que além da queima de fogos contaram com grandes festas, comemoraram média de 87%.

 

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Quintino Gomes Freire
Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.

Comente