Caso Eduardo Paes, o problema de sua desincompatibilização - Diário do Rio de Janeiro

Caso Eduardo Paes, o problema de sua desincompatibilização

6

Eduardo Paes Na quinta-feira comentei que Eduardo Paes não poderia ser candidato, afinal ele deveria ter pedido afastamento no dia 4 de junho, quarta-feira, para que sua exoneração saísse no Diário Oficial do dia 5 de junho. Tanto é isso, que inventaram que sua exoneração foi retroativa. Apesar de que nem Paes sabia que ia pedir exoneração até a briga do PMDB com o PT.

Se assim não fosse, Regis Fitchner também teria saído ontem e não no dia 4.

Cabral e os aliados de Eduardo Paes, como o vice-governador Luiz Fernando Pezão, sabe de como a candidatura de Paes é arriscada juridicamente. Tanto que para defender a esquisita exoneração feita às pressas, Pezão disse o seguinte:

Fui eu que assinei a exoneração. Não há problema algum nela. Já tínhamos programado que ele seria candidato a vereador, como puxador de legenda – defende Pezão.

Hummm…. ok… mas se Eduardo Paes fosse candidato a vereador, deveria ter sido exonerado dois meses atrás. Esse é o prazo de descincompatibilização (seis meses antes das eleições) para que ocupantes de cargos como o dele concorram a vereância.

Então fica a pergunta, por que mentiu Pezão?

Isso pode atrapalhar muito os ânimos exaltados na reunião que os caciques do PMDB terão segunda-feira. E quem sabe, Marcelo Itagiba acabe por se consagrar candidato do partido?

Quintino Gomes Freire
Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.
Quintino Gomes Freire

Latest posts by Quintino Gomes Freire (see all)

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comente