7 Curiosidades sobre o Calçadão de Copacabana

Calçadão por Hernán Maglione

O calçadão de Copacabana é um dos símbolos mais conhecidos do Rio de Janeiro, tanto é que faz parte do layout do Diário do Rio de Janeiro. Mas tem algumas curiosidades que muitos cariocas não sabem sobre ele, conheça algumas:

1. O original fica na Praça do Rocio em Lisboa

Praça do Rocio

O traçado do Calçadão é baseado no da Praça do Rocio em Lisboa, representando o encontro das águas doces do Tejo com o Oceano Atlântico. Na Praça tem uma estátua de D. Pedro IV, digo, D. Pedro I.

2.  O Calçadão tem 4,15 km

Coapcabana por Sheila Tostes

O calçadão de Copa tem cerca de 4,15 Km e percorre as praias do Leme e de Copacabana.

3. Foi construída pelo Prefeito Pereira Passos em 1906

Calçadão de Copacabana

As ondas eram perpendiculares ao comprimento da calçada. Somente com a reforma da década de 70 é que ganharam o sentido atual, paralelo à calçada.

4. As pedras foram importadas de Portugal

Coapcabana Calçadão por Ricardo Castro Santos

Foram usadas calcita branca e basalto negro importados de Portugal, também de lá veio um grupo de calceteiros (profissional utilizado até hoje para manutenção das calçadas com pedras portuguesas).

5. As Pedras do Calçadão de Copa foram usadas na Rio Branco

Avenida Rio Branco por Luiz Fernando

Foram tantas pedras que foram utilizadas também para calçar toda a Avenida Rio Branco. Logo depois da importação foram descoberta jazidas destas pedras por todo o Brasil, mas ainda as chamamos de pedras portuguesas.

6. O estilo curvilíneo atual é de 1970

Fuscas em Copacabana

O estilo curvilíneo do calçadão atual só foi delineado a partir de 1970 com o aumento da faixa de areia e o alargamento das pistas da orla e com o trabalho de Burle Marx. Ele manteve o desenho original mas aumentou as curvas.

7. Em Tocantins também há uma ao Calçadão de Copacabana

Calçadão de Copacabana em Tocantins

É um monumento da Cidade de Palmas, capital do Tocantins, em homenagem aos 18 do Forte.

Deixe seu comentário

Quintino Gomes Freire8935 Posts

Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.

43 Comentários

  • Koe Helter Bento Reply

    26 de novembro de 2015 at 21:38

    valeu cara me ajudou no trabalho da escola

  • Carlos Fabião Reply

    27 de outubro de 2015 at 01:37

    Caro Bloguer, se acaso lhe interessa, posso informá-lo de que a calçada à portuguesa, combinando o calcário lioz (branco) com o basalto (negro), constituiu uma criação do governador militar do Casteo de S. Jorge (Lisboa), general Eusébio Pinheiro Furtado, em 1842. Nessa época, o Castelo era um presídio militar e o general Furtado fez os prisioneiros pavimentar uma extensa área do interior da fortificação com uma calçada de pequenas pedras brancas e negras que desenhavam linhas quebradas (em ziguezague), o motivo das ondas surgiu depois.
    Esse pavimento se tornou tão popular que a população lisboeta acorria ao Castelo só para o ver. Uma tal popularidade levou o Município de Lisboa a convidar o general para pavimentar toda a grande praça do Rossio com o motivo das ondas. O trabalho foi feito entre 1848 e 1849 e foi também obra dos presidiários. Ganhou então especial notoriedade e foi exportado (o conceito e as técnicas de execução) para muitos lugares, entre os quais o Brasil.
    Pode consultar o artigo da wikipedia, que está muito bom, apresnetando fotos e alguma bibliografia pertinente:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Cal%C3%A7ada_portuguesa
    Por isso, meus amigos, da próxima vez que fizerem seu jogging no calçadão ou quando pararem num ponto para beber água-de-coco, chope ou caipirinha, não esqueçam de bebr à memória do criativo general Eusébio Pinheiro Furtado.
    Saúde e Alegria

  • Carlos Fabião Reply

    27 de outubro de 2015 at 01:37

    Caro Bloguer, se acaso lhe interessa, posso informá-lo de que a calçada à portuguesa, combinando o calcário lioz (branco) com o basalto (negro), constituiu uma criação do governador militar do Casteo de S. Jorge (Lisboa), general Eusébio Pinheiro Furtado, em 1842. Nessa época, o Castelo era um presídio militar e o general Furtado fez os prisioneiros pavimentar uma extensa área do interior da fortificação com uma calçada de pequenas pedras brancas e negras que desenhavam linhas quebradas (em ziguezague), o motivo das ondas surgiu depois.
    Esse pavimento se tornou tão popular que a população lisboeta acorria ao Castelo só para o ver. Uma tal popularidade levou o Município de Lisboa a convidar o general para pavimentar toda a grande praça do Rossio com o motivo das ondas. O trabalho foi feito entre 1848 e 1849 e foi também obra dos presidiários. Ganhou então especial notoriedade e foi exportado (o conceito e as técnicas de execução) para muitos lugares, entre os quais o Brasil.
    Pode consultar o artigo da wikipedia, que está muito bom, apresnetando fotos e alguma bibliografia pertinente:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Cal%C3%A7ada_portuguesa
    Por isso, meus amigos, da próxima vez que fizerem seu jogging no calçadão ou quando pararem num ponto para beber água-de-coco, chope ou caipirinha, não esqueçam de bebr à memória do criativo general Eusébio Pinheiro Furtado.
    Saúde e Alegria

  • MFra Carlos Reply

    22 de outubro de 2015 at 23:35

    Nada disso, representam o movimento das ondas do rio Tejo em Lisboa… 🙂

  • Daniele Souza Reply

    22 de outubro de 2015 at 21:55

    Se você não gosta

  • Daniele Souza Reply

    22 de outubro de 2015 at 21:55

    Oi

  • Isabelle Ribot Reply

    1 de outubro de 2015 at 03:15

    O desenho do calçadao do Rio de Janeiro é uma copia da bandeira da Contrada Capitana dell'onda (Toscana). Vejam a tela "a batalha de San Romano" por Paolo Uccello em 1456 !

  • Zélia Guerreiro Reply

    23 de setembro de 2015 at 02:44

    Gostei e tem o que preciso

  • Lívia Martinelli Reply

    18 de setembro de 2015 at 13:11

    Nao gostei do site nao tem oque eu presizo

  • Vilma Sotnassenun Rego Reply

    31 de Janeiro de 2015 at 23:35

    Cecilia Pece…comentário xenófobo é passível de processo. Xenofobia é crime. Cuidado com a língua oh senhora inteligente.

  • João Lopes Fatore Reply

    31 de outubro de 2014 at 11:10

    Lindo e histórico, como todo o Rio de Janeiro.

  • Eduardo Salles Reply

    15 de setembro de 2014 at 16:45

    A pedra de 1906,veio de Portugal,até meados dos anos 30,apos vieram de Sete Lagoas MG. Principalmente a branca e a vinho ou vermelha.

  • Fra Carlos Reply

    19 de julho de 2014 at 11:04

    Quem é mais burro : os tugas q venderam ou os ilustres e inteligentes brasileiros q importaram
    .. !?!

  • Sérgio Alberto da Nóbrega Reply

    8 de Março de 2014 at 13:04

    O item 3 não está certo. Os desenhos mudaram de posição depois da reconstrução do calçadão, devido a ressaca de 1930.

  • Oswaldo Meirelles Reply

    12 de Fevereiro de 2014 at 01:19

    Não concordo com a data da modificação do calçamento da Av Atlantica.Conforme fotos que tenho, a mudança ocorreu,após a ressaca de 1930,quando ,entáo ja foram recolocadas na posição que esta até hoje…Grande abraço !!

  • Fernandu Z-luciu Reply

    17 de Janeiro de 2014 at 03:02

    anaus tem calçada com ondas como a de Copacabana, mas mais antiga
    Inspiração para ambos calçamentos vem da Europa.
    Piso com desenho é famoso e copiado por todo o país.
    Lucas Frasão
    Do Globo Amazônia, em São Paulo
    Tamanho da letra
    A- A+
    Foto: Reprodução
    Largo São Sebastião, em frente ao Teatro Amazonas, em Manaus. Foto antiga da Biblioteca Virtual do Estado do Amazonas. (Foto: Reprodução)
    A Praia de Copacabana no meio da Amazônia? Pode ser esta a sensação de quem, de frente para o Teatro Amazonas, em Manaus, olhar para o chão e perceber a semelhança entre o piso do Largo São Sebastião e o conhecido calçadão na orla da praia do Rio de Janeiro. Mas qual surgiu primeiro?

    Assim como o Teatro Amazonas, a calçada de Manaus foi inspirada na arquitetura europeia. Um piso semelhante decora há séculos a Praça de D. Pedro IV, mais conhecida como Praça do Rossio, em Lisboa.

    Siga o Globo Amazônia no Twitter

    Seu desenho foi escolhido para homenagear o encontro das águas doces do Rio Tejo com o Oceano Atlântico. Hoje, moradores de Manaus gostam de dizer que o desenho de sua calçada simboliza o encontro da água escura do Rio Negro com a água barrenta que chega pelo Solimões. Os rios levam quilômetros para se misturar completamente, formando o Amazonas.

    No Rio de Janeiro, a história é que a calçada de Copacana faz referência às ondas do mar. Foi a partir da capital fluminense que o piso se tornou famoso em todo o país, sendo copiado também em outras capitais. Mas o conhecido calçadão foi instalado no Rio depois de Manaus ter terminado o seu.

    Ampliar FotoFoto: Fabíola Gerbase/G1
    Desenho do calçadão de Copacabana, no Rio. (Foto: Fabíola Gerbase/G1)
    Então capital do Brasil, o Rio recebeu sua primeira calçada com ladrilhos portugueses no início do século 20 – em 1905.

    "Foi na Avenida Rio Branco, que era a principal avenida do país inteiro, com pedras trazidas direto de Portugal", explica João Baptista de Mello, professor do departamento de Geografia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

    Apenas no início dos anos 20, no entanto, quando uma ressaca forte do mar destruiu o calçamento de Copacabana do Leme até o Forte, a Avenida Atlântica foi duplicada e a famosa calçada de ondas foi feita pela primeira vez na praia, com desenho transversal em relação à orla. Décadas mais tarde, outra reforma mudou as "ondas" da calçada para que ficassem paralelas ao mar.

    Em Manaus, a calçada do Largo São Sebastião foi finalizada em 1901, mas já estava planejada desde a década de 1880, quando o Teatro Amazonas, concluído em 1896, começou a ser pensado. A data que marca a finalização do piso em Manaus está numa nota de rodapé do livro "História do Monumento da Praça de São Sebastião", de Mario Ypiranga Monteiro.

    Foto: Agecom/AM
    Calçada no Largo São Sebastião, em Manaus, com Teatro Amazonas ao fundo. (Foto: Agecom/AM)
    Leia mais notícias de Amazônia
    saiba mais
    Castanhal é derrubado para dar lugar a condomínio no Amazonas
    Aquecimento global pode aumentar casos de malária na Amazônia, diz pesquisador
    Índios xerente mantém técnicos da Funai como reféns em Tocantins
    Após um ano, frigoríficos descumprem meta ambiental para a Amazônia
    Após mortes, Funasa afasta médico em aldeia apinajé no Tocantins
    Fiscalização encontra 65 mil metros cúbicos de madeira irregular no PA
    Queimadas interferem na incidência de raios na Amazônia, diz pesquisa
    Links Patrocinados

    Faculdade Anhanguera
    Estude na Anhanguera. Cursos a Partir de R$ 199,00. Inscreva-se!
    vestibulares.br
    Namoro Depois Dos 50
    Um relacionamento sério te espera. be2: encontre o amor da sua vida
    http://www.be2.com.br

  • Fernandu Z-luciu Reply

    17 de Janeiro de 2014 at 03:02

    anaus tem calçada com ondas como a de Copacabana, mas mais antiga
    Inspiração para ambos calçamentos vem da Europa.
    Piso com desenho é famoso e copiado por todo o país.
    Lucas Frasão
    Do Globo Amazônia, em São Paulo
    Tamanho da letra
    A- A+
    Foto: Reprodução
    Largo São Sebastião, em frente ao Teatro Amazonas, em Manaus. Foto antiga da Biblioteca Virtual do Estado do Amazonas. (Foto: Reprodução)
    A Praia de Copacabana no meio da Amazônia? Pode ser esta a sensação de quem, de frente para o Teatro Amazonas, em Manaus, olhar para o chão e perceber a semelhança entre o piso do Largo São Sebastião e o conhecido calçadão na orla da praia do Rio de Janeiro. Mas qual surgiu primeiro?

    Assim como o Teatro Amazonas, a calçada de Manaus foi inspirada na arquitetura europeia. Um piso semelhante decora há séculos a Praça de D. Pedro IV, mais conhecida como Praça do Rossio, em Lisboa.

    Siga o Globo Amazônia no Twitter

    Seu desenho foi escolhido para homenagear o encontro das águas doces do Rio Tejo com o Oceano Atlântico. Hoje, moradores de Manaus gostam de dizer que o desenho de sua calçada simboliza o encontro da água escura do Rio Negro com a água barrenta que chega pelo Solimões. Os rios levam quilômetros para se misturar completamente, formando o Amazonas.

    No Rio de Janeiro, a história é que a calçada de Copacana faz referência às ondas do mar. Foi a partir da capital fluminense que o piso se tornou famoso em todo o país, sendo copiado também em outras capitais. Mas o conhecido calçadão foi instalado no Rio depois de Manaus ter terminado o seu.

    Ampliar FotoFoto: Fabíola Gerbase/G1
    Desenho do calçadão de Copacabana, no Rio. (Foto: Fabíola Gerbase/G1)
    Então capital do Brasil, o Rio recebeu sua primeira calçada com ladrilhos portugueses no início do século 20 – em 1905.

    "Foi na Avenida Rio Branco, que era a principal avenida do país inteiro, com pedras trazidas direto de Portugal", explica João Baptista de Mello, professor do departamento de Geografia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

    Apenas no início dos anos 20, no entanto, quando uma ressaca forte do mar destruiu o calçamento de Copacabana do Leme até o Forte, a Avenida Atlântica foi duplicada e a famosa calçada de ondas foi feita pela primeira vez na praia, com desenho transversal em relação à orla. Décadas mais tarde, outra reforma mudou as "ondas" da calçada para que ficassem paralelas ao mar.

    Em Manaus, a calçada do Largo São Sebastião foi finalizada em 1901, mas já estava planejada desde a década de 1880, quando o Teatro Amazonas, concluído em 1896, começou a ser pensado. A data que marca a finalização do piso em Manaus está numa nota de rodapé do livro "História do Monumento da Praça de São Sebastião", de Mario Ypiranga Monteiro.

    Foto: Agecom/AM
    Calçada no Largo São Sebastião, em Manaus, com Teatro Amazonas ao fundo. (Foto: Agecom/AM)
    Leia mais notícias de Amazônia
    saiba mais
    Castanhal é derrubado para dar lugar a condomínio no Amazonas
    Aquecimento global pode aumentar casos de malária na Amazônia, diz pesquisador
    Índios xerente mantém técnicos da Funai como reféns em Tocantins
    Após um ano, frigoríficos descumprem meta ambiental para a Amazônia
    Após mortes, Funasa afasta médico em aldeia apinajé no Tocantins
    Fiscalização encontra 65 mil metros cúbicos de madeira irregular no PA
    Queimadas interferem na incidência de raios na Amazônia, diz pesquisa
    Links Patrocinados

    Faculdade Anhanguera
    Estude na Anhanguera. Cursos a Partir de R$ 199,00. Inscreva-se!
    vestibulares.br
    Namoro Depois Dos 50
    Um relacionamento sério te espera. be2: encontre o amor da sua vida
    http://www.be2.com.br

  • Fernandu Z-luciu Reply

    16 de Janeiro de 2014 at 23:16

    começou com portugal, que representa o encontro do tejo com o poderoso atlântico.

  • Almir Gomes Reply

    16 de Janeiro de 2014 at 18:12

    O desenho seria inspirado na "forma" do encontro das águas, dos rios Negro e Solimões.

  • Jose Regino Reply

    15 de Janeiro de 2014 at 18:43

    gostei

  • Cecilia Pece Reply

    7 de Janeiro de 2014 at 19:08

    Os Portugueses são tão burros, que trouxeram as pedras de Portugal, sendo que aqui já tinha jazidas destas pedras por todo o Brasil..( só rindo mesmo)..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Maria Paula Cassiani Reply

    6 de Janeiro de 2014 at 23:08

    A praça em Lisboa se chama Rossio, não Rocio.

  • Julio Silveira Reply

    6 de Janeiro de 2014 at 15:23

    Há um monumento aos 18 do Forte em Palmas porque… o primeiro governador (e dono) do Tocantins era o Siqueira Campos. Certamente descendente do tenente que sobreviveu ao atentado de Copacabana. Aquele que disse (mas ninguém ouve) "À Pátria tudo se deve dar, sem nada exigir em troca, nem mesmo compreensão".

  • Fernandu Z-luciu Reply

    29 de novembro de 2013 at 08:57

    em Manaus existe a primeira calçada, 1901. calça a Praça São Sebastião no Largo São Sebastião, ante o Teatro Amazonas e se localiza, no centro da praça, o Monumento à Abertura do Rio Amazonas à Navegação Estrangeira, erguido em 1900, que é uma fonte. no centro da fonte está a Deusa da Liberdade, com sua tocha fumegante. aos seus pés, como uma reverência, o deus do comércio, Mercúrio. do resto se encontra rodeado por meninos, naus e lemes, com cada nau representando os continentes. as peças são de bronze, a base de um tipo de granito preto. mais a bacia do conjunto da fonte. a Deusa é a guardiã do Teatro Amazonas e toda a obra possui cerca de 8 metros. foi montado em sua parte na Itália pelo artista Domenico……………o monumento de abertura dos portos, no Rio de Janeiro, é de 1908, oito anos depois da obra de Manaus, bem como o calçadão……..

  • Adrian H. Bello Reply

    20 de novembro de 2013 at 01:47

    Muy interesante, además emblema de Río. Muito interesante o emblema do Río!

  • Sérgio Cunha Reply

    18 de novembro de 2013 at 21:14

    Fiquei deslumbrado com essas informações , umas que ainda não sabia… Muito legal!!!! Parabéns pelas informações….

  • Hiroshi Ushikusa Reply

    16 de novembro de 2013 at 17:25

    Muito interessante !

  • Telmaaliceleitedemello Leitemello Reply

    16 de novembro de 2013 at 12:30

    O conhecimento desses detalhes , foi muito bom , pois eu ñ sabia.

  • Marlete De Araújo Brasil Reply

    15 de novembro de 2013 at 16:36

    Muito bom conhecer detalhes de nossa história.

  • Dalila Dias Reply

    15 de novembro de 2013 at 07:23

    * e não Rocio

  • Dalila Dias Reply

    15 de novembro de 2013 at 07:23

    Uma pequena correção, se escreve Rossio e não Rossio 🙂

  • Bernadete Dias Fernandes Memoria Reply

    15 de novembro de 2013 at 01:57

    A largura e a extensão da Praça do Rocio, dá uma impressão mais real das ondas do mar!Parece ter movimento.

  • Cara Vanchel Reply

    14 de novembro de 2013 at 22:09

    QUIEN SE BENEFICIO CON LA IMPORTACIÓN DE PIEDRA DESDE PORTUGAL HABIENDO DE ELLA EN BRASIL??? YA HABÍA CORRUPCIÓN KKK

  • Paula Kern Leipnik Kotouc Reply

    14 de novembro de 2013 at 19:08

    Muito legal, mas o item 3 está errado. Originalmente, eram sim perpendiculares ao mar e ficaram assim por muito tempo. No entanto, há fotos antigas, de pouco antes do alargamento, que mostram o calçadão antigo com as ondas já paralelas. Essa, por exemplo: http://img432.imageshack.us/img432/351/copacabana129fq.jpg

  • Cesar Domingues Reply

    14 de novembro de 2013 at 17:57

    A verdadeira história das famosas pedras portuguesas que fazem o cenário do calçadão de Copacabana e não só…

  • Chris Ferreira Reply

    4 de Maio de 2013 at 23:28

    ADORO O MEU RIO .

  • Sarah Aparecida Reply

    1 de junho de 2012 at 09:57

    adorei.

  • Alan gonçalves Reply

    29 de setembro de 2011 at 19:30

    isso é uma bosta nao me ajudou en nada!

  • Cgcharlesinfante Reply

    13 de junho de 2011 at 19:19

    Charles, O calçadão é relmente muito lindo,e pode até ter sido inspirado na praça de Roci em Lisboa, mas no Brasil já havia uma praça construida com esses mesmos tipos pedras vindas de Portugal basta ver quem foi enaugurada por primeiro esta praça fica em frente o Teatro Amazonas em Manaus e é chamada de São Sebastião e simboliza o encontro das águas dos rios Negro e Solimões um dos maiores fenomenos natural da região Amazônica e foi inaugurada em 1906.

  • Cgcharlesinfante Reply

    13 de junho de 2011 at 19:19

    Charles, O calçadão é relmente muito lindo,e pode até ter sido inspirado na praça de Roci em Lisboa, mas no Brasil já havia uma praça construida com esses mesmos tipos pedras vindas de Portugal basta ver quem foi enaugurada por primeiro esta praça fica em frente o Teatro Amazonas em Manaus e é chamada de São Sebastião e simboliza o encontro das águas dos rios Negro e Solimões um dos maiores fenomenos natural da região Amazônica e foi inaugurada em 1906.

  • Maria Beatriz Rangel Reply

    23 de Fevereiro de 2011 at 09:57

    adoreiii saberr da históriia do calçadão de Copacabana! Serviuu muitoo pra miim e foii essencial pra mim ganhar uma booa notta no trabalho escolarr!

  • Zélia Guerreiro Reply

    23 de setembro de 2015 at 02:44

    Gostei e tem o que preciso

  • Lívia Martinelli Reply

    18 de setembro de 2015 at 13:11

    Nao gostei do site nao tem oque eu presizo

  • João Lopes Fatore Reply

    31 de outubro de 2014 at 11:10

    Lindo e histórico, como todo o Rio de Janeiro.

  • Eduardo Salles Reply

    15 de setembro de 2014 at 16:45

    A pedra de 1906,veio de Portugal,até meados dos anos 30,apos vieram de Sete Lagoas MG. Principalmente a branca e a vinho ou vermelha.

  • Sérgio Alberto da Nóbrega Reply

    8 de Março de 2014 at 13:04

    O item 3 não está certo. Os desenhos mudaram de posição depois da reconstrução do calçadão, devido a ressaca de 1930.

  • Oswaldo Meirelles Reply

    12 de Fevereiro de 2014 at 01:19

    Não concordo com a data da modificação do calçamento da Av Atlantica.Conforme fotos que tenho, a mudança ocorreu,após a ressaca de 1930,quando ,entáo ja foram recolocadas na posição que esta até hoje…Grande abraço !!

  • Fernando Lucio De Souza Batista Reply

    17 de Janeiro de 2014 at 03:02

    manaus tem calçada com ondas como a de Copacabana, mas mais antiga
    Inspiração para ambos calçamentos vem da Europa.
    Piso com desenho é famoso e copiado por todo o país.
    Lucas Frasão
    Do Globo Amazônia, em São Paulo
    Tamanho da letra
    A- A+
    Foto: Reprodução
    Largo São Sebastião, em frente ao Teatro Amazonas, em Manaus. Foto antiga da Biblioteca Virtual do Estado do Amazonas. (Foto: Reprodução)
    A Praia de Copacabana no meio da Amazônia? Pode ser esta a sensação de quem, de frente para o Teatro Amazonas, em Manaus, olhar para o chão e perceber a semelhança entre o piso do Largo São Sebastião e o conhecido calçadão na orla da praia do Rio de Janeiro. Mas qual surgiu primeiro?

    Assim como o Teatro Amazonas, a calçada de Manaus foi inspirada na arquitetura europeia. Um piso semelhante decora há séculos a Praça de D. Pedro IV, mais conhecida como Praça do Rossio, em Lisboa.

    Siga o Globo Amazônia no Twitter

    Seu desenho foi escolhido para homenagear o encontro das águas doces do Rio Tejo com o Oceano Atlântico. Hoje, moradores de Manaus gostam de dizer que o desenho de sua calçada simboliza o encontro da água escura do Rio Negro com a água barrenta que chega pelo Solimões. Os rios levam quilômetros para se misturar completamente, formando o Amazonas.

    No Rio de Janeiro, a história é que a calçada de Copacana faz referência às ondas do mar. Foi a partir da capital fluminense que o piso se tornou famoso em todo o país, sendo copiado também em outras capitais. Mas o conhecido calçadão foi instalado no Rio depois de Manaus ter terminado o seu.

    Ampliar FotoFoto: Fabíola Gerbase/G1
    Desenho do calçadão de Copacabana, no Rio. (Foto: Fabíola Gerbase/G1)
    Então capital do Brasil, o Rio recebeu sua primeira calçada com ladrilhos portugueses no início do século 20 – em 1905.

    “Foi na Avenida Rio Branco, que era a principal avenida do país inteiro, com pedras trazidas direto de Portugal”, explica João Baptista de Mello, professor do departamento de Geografia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

    Apenas no início dos anos 20, no entanto, quando uma ressaca forte do mar destruiu o calçamento de Copacabana do Leme até o Forte, a Avenida Atlântica foi duplicada e a famosa calçada de ondas foi feita pela primeira vez na praia, com desenho transversal em relação à orla. Décadas mais tarde, outra reforma mudou as “ondas” da calçada para que ficassem paralelas ao mar.

    Em Manaus, a calçada do Largo São Sebastião foi finalizada em 1901, mas já estava planejada desde a década de 1880, quando o Teatro Amazonas, concluído em 1896, começou a ser pensado. A data que marca a finalização do piso em Manaus está numa nota de rodapé do livro “História do Monumento da Praça de São Sebastião”, de Mario Ypiranga Monteiro.

    Foto: Agecom/AM
    Calçada no Largo São Sebastião, em Manaus, com Teatro Amazonas ao fundo. (Foto: Agecom/AM)
    Leia mais notícias de Amazônia
    saiba mais
    Castanhal é derrubado para dar lugar a condomínio no Amazonas
    Aquecimento global pode aumentar casos de malária na Amazônia, diz pesquisador
    Índios xerente mantém técnicos da Funai como reféns em Tocantins
    Após um ano, frigoríficos descumprem meta ambiental para a Amazônia
    Após mortes, Funasa afasta médico em aldeia apinajé no Tocantins
    Fiscalização encontra 65 mil metros cúbicos de madeira irregular no PA
    Queimadas interferem na incidência de raios na Amazônia, diz pesquisa
    Links Patrocinados

    Faculdade Anhanguera
    Estude na Anhanguera. Cursos a Partir de R$ 199,00. Inscreva-se!
    vestibulares.br
    Namoro Depois Dos 50
    Um relacionamento sério te espera. be2: encontre o amor da sua vida
    http://www.be2.com.br

  • Jose Regino Reply

    15 de Janeiro de 2014 at 18:43

    gostei

  • Cecilia Pece Reply

    7 de Janeiro de 2014 at 19:08

    Os Portugueses são tão burros, que trouxeram as pedras de Portugal, sendo que aqui já tinha jazidas destas pedras por todo o Brasil..( só rindo mesmo)..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Maria Paula Cassiani Reply

    6 de Janeiro de 2014 at 23:08

    A praça em Lisboa se chama Rossio, não Rocio.

  • Julio Silveira Reply

    6 de Janeiro de 2014 at 15:23

    Há um monumento aos 18 do Forte em Palmas porque… o primeiro governador (e dono) do Tocantins era o Siqueira Campos. Certamente descendente do tenente que sobreviveu ao atentado de Copacabana. Aquele que disse (mas ninguém ouve) “À Pátria tudo se deve dar, sem nada exigir em troca, nem mesmo compreensão”.

  • Fernando Lucio De Souza Batista Reply

    29 de novembro de 2013 at 08:57

    em Manaus existe a primeira calçada, 1901. calça a Praça de São Sebastião no Largo de São Sebastião, ante o Teatro Amazonas e se localiza, no centro da praça, o Monumento à Abertura do Rio Amazonas à Navegação Estrangeira, erguido em 1900, que é uma fonte/monumento. no centro da fonte está a Deusa da Liberdade, que representa a Amazônia, com sua tocha fumegante. aos seus pés, como uma reverência, o deus do comércio, Mercúrio. do resto se encontra rodeado por meninos, naus e lemes, com cada nau representando os continentes. as peças são de bronze, a base de um tipo de granito, mais a bacia do conjunto da fonte. a Deusa é a guardiã do Teatro Amazonas e toda a obra possui cerca de 8 metros. foi montado em sua parte na Itália pelo artista Domenico de Angelis……………o monumento de abertura dos portos, no Rio de Janeiro, é de 1908, oito anos depois do monumento de Manaus que representa a abertura do rio amazonas à navegação estrangeira e a praça de são sebastião fora inspirada na praça do rossio, de lisboa.

  • Adrian H. Bello Reply

    20 de novembro de 2013 at 01:47

    Muy interesante, además emblema de Río. Muito interesante o emblema do Río!

  • Sérgio Cunha Reply

    18 de novembro de 2013 at 21:14

    Fiquei deslumbrado com essas informações , umas que ainda não sabia… Muito legal!!!! Parabéns pelas informações….

  • Hiroshi Ushikusa Reply

    16 de novembro de 2013 at 17:25

    Muito interessante !

  • Telma Alice Leite de Mello Reply

    16 de novembro de 2013 at 12:30

    O conhecimento desses detalhes , foi muito bom , pois eu ñ sabia.

  • Marlete De Araújo Brasil Reply

    15 de novembro de 2013 at 16:36

    Muito bom conhecer detalhes de nossa história.

  • Dalila Dias Reply

    15 de novembro de 2013 at 07:23

    * e não Rocio

  • Dalila Dias Reply

    15 de novembro de 2013 at 07:23

    Uma pequena correção, se escreve Rossio e não Rossio 🙂

  • Bernadete Dias Fernandes Memoria Reply

    15 de novembro de 2013 at 01:57

    A largura e a extensão da Praça do Rocio, dá uma impressão mais real das ondas do mar!Parece ter movimento.

  • Cara Vanchel Reply

    14 de novembro de 2013 at 22:09

    QUIEN SE BENEFICIO CON LA IMPORTACIÓN DE PIEDRA DESDE PORTUGAL HABIENDO DE ELLA EN BRASIL??? YA HABÍA CORRUPCIÓN KKK

  • Paula Kotou? Reply

    14 de novembro de 2013 at 19:08

    Muito legal, mas o item 3 está errado. Originalmente, eram sim perpendiculares ao mar e ficaram assim por muito tempo. No entanto, há fotos antigas, de pouco antes do alargamento, que mostram o calçadão antigo com as ondas já paralelas. Essa, por exemplo: http://img432.imageshack.us/img432/351/copacabana129fq.jpg

  • Cesar Domingues Reply

    14 de novembro de 2013 at 17:57

    A verdadeira história das famosas pedras portuguesas que fazem o cenário do calçadão de Copacabana e não só…

  • Chris Ferreira Reply

    4 de Maio de 2013 at 23:28

    ADORO O MEU RIO .

  • Sarah Hilward Reply

    1 de junho de 2012 at 09:57

    adorei.

Deixar um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password