Eventos e Turismo - Diário do Rio de Janeiro

Eventos e Turismo

0

R̩veillon 2017 РPraia de Copacabana vista do Porto Bay Rio Internacional Hotel. Foto: Gabriel Santos | Riotur

Os gestores públicos, ao assumirem suas pastas na área de turismo preferem anunciar projetos totalmente fora da realidade do que se cercar de profissionais da área, conhecer melhor as empresas ou secretarias onde vão atuar e sobretudo aproveitar a “prata da casa” e não iniciar sua administraçã trazendo quadros externos. Alfredo Laufer, por exemplo, quando foi presidente da Riotur nomeou para a diretoria funcionários de carreira da própria empresa e além de dar prosseguimento a projetos exitosos que já existiam, buscou no público interno apoio decisivo e sugestões para uma nova politica publica municipal de turismo. Deu certo e ficou como um case na história da administração publica, assim como Roberto Gherardi que presidiu a Turis-Rio.

Uma empresa de turismo ou uma secretaria não podem de forma alguma confundir turismo com eventos e querer introduzir modificações no que está dando certo. É sempre bom lembrar que eventos, como forma de atrair novos turistas de negócios ou de lazer, não podem ser confundidos com atividades de lazer para o entretenimento da população local, como shows aleatórios em praças públicas.

Um calendário de eventos se constrói ao longo da caminhada turística de uma cidade e vai aos poucos servindo para consolidar a imagem da mesma nos mercados nacionais e internacionais. Eventos demandam planejamento, avaliação junto com o trade turistico e a população anfitriã. Não é a vontade politica de um prefeito de criar 12 eventos por ano que vai resolver a situação de uma localidade. Seria muito mais fácil se pudesse sistematizar tudo que já existe e procurar uma forma de apoiar tais atividades ou no máximo introduzir 1 ou 2 novos como forma de testar sua viabilidade, após o estudo sugerido acima.

Por outro lado,devem ser criados conventions bureaux quando não existirem e ali serem trabalhadas as captações de grandes congressos que ajudem numa nova visão da cidade. É o que faz muito bem o RCVB, que deveria ser um dos braços da atual administração do Rio, por sua força laboral e competência mostrada até agora, se utilizando da room tax ou taxa de turismo,que  sempre existiu em nossa cidade e ajudou muito o RCVB , embora fosse um gentleman agreement com a hotelaria. O ideal é que as prefeituras  criem um  fundo municipal de turismo gerido pelo conselho municipal de turismo, que pode ser sim um fórum de investimentos efetivos em promoção, material promocional e capacitação, além de controle de qualidade, atividades precípuas de uma administração municipal. Sinceramente,o ideal é fazer como Cesar Maia,que criou uma subsecretaria de eventos subordinada ao seu gabinete,para desvincular tal função de outras entidades de turismo oficial.

Enfim são algumas considerações que quero colocar em discussão…
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Bayard Boiteux

Bayard Boiteux

Gerente de Turismo at Preservale
Professor universitário, escritor, pesquisador que acredita na democracia, na diversidade e luta por um mundo melhor através da educação
Bayard Boiteux
Bayard Boiteux

Latest posts by Bayard Boiteux (see all)

Comente