História da Igreja São Gonçalo de Amarante no Camorim - Diário do Rio de Janeiro

História da Igreja São Gonçalo de Amarante no Camorim

0

Ilustração da antiga Igreja

Engana-se quem acredita que as mais antigas construções do Rio de Janeiro encontram-se exclusivamente no Centro e em uma parte da Zona Sul. Essa Igreja, do século XVII, fica no Camorim, Zona Oeste da cidade. Localizada no alto da Estrada do Camorim, a “Igrejinha” (como é chamada pelos moradores da região), além de ser utilizada para as funções religiosas, é um ponto turístico, recebendo muitos visitantes.


Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis sempre contribuiu para a valorização da cultura carioca

Erguida por Gonçalo Correia de Sá, no ano 1625, a Igreja é um dos poucos e mais importantes exemplos de arquitetura católica colonial rural na cidade do Rio de Janeiro.

Em 1667, décadas após a construção (que teve todas as dificuldades de uma obra da época), Vitória Sá – filha de Gonçalo – doou a Igreja ao Mosteiro de São Bento, que passou a administrar templo religioso.

Já nos séculos seguintes, entre 1795 e 1800, a Igreja São Gonçalo de Amarante passou por algumas mudanças físicas, como a reorganização do espaço interno e a elevação do telhado.

Imagem recente

No século XX, a Igreja passou por uma fase difícil. A Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro precisou intervir e realizar uma grande reforma de restauração.

No ano 1965, a Igreja foi tombada pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

“Entre os anos 1970 e 1990, a Igreja chegou a ficar fechada por diversos momentos. O esforço da comunidade local colaborou muito para que tudo voltasse a funcionar normalmente”, pontua o historiador Maurício Santos.

Em 1996, até 1999, foram realizadas obras para que a Igreja São Gonçalo de Amarante fosse completamente restaurada e voltasse a receber missas e outros acontecimentos religiosos.

Tudo deu certo e a Igreja voltou a ser o que era antes. Hoje em dia, para a sorte de todos, ela funciona com extrema normalidade.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Felipe Lucena
Felipe Lucena é jornalista, roteirista e escritor. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar da distância, sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da Cidade Maravilhosa.
Felipe Lucena

Latest posts by Felipe Lucena (see all)

Comente