História da Praça Onze - da Família Real a Berço do Samba - Diário do Rio de Janeiro

História da Praça Onze – da Família Real a Berço do Samba

0

Hoje em dia não resta quase nada da antiga Praça Onze. Basicamente ficaram as memórias de um local que tem a cara da cidade do Rio de Janeiro.

Até a chegada da Família Real, em 1808, a região onde a Praça Onze ficava era desabitada. Não era uma área interessante nem para o plantio, nem para moradias, pois era extremamente pantanosa. Após a intervenção da Família Real, já em 1810, a região começou a se desenvolver. Vias foram pavimentadas e foi criado o Largo do Rocio Pequeno, que viria a ser a Praça Onze de Junho.

Decoração da Praça Onze durante o carnaval de 1959

A área seguia pouco movimentada, embora já tivesse certa presença comercial. Contudo, em 1842, durante o Segundo Reinado, o local recebeu a instalação de um chafariz, projetado por Grandjean de Montigny, que servia para o abastecimento das casas e estabelecimentos e isso impulsionou o crescimento.

Nas décadas seguintes, a instalação de fábricas, como a de gás, de Visconde de Mauá, e a inauguração da Estrada de Ferro Dom Pedro II possibilitaram ainda mais desenvolvimento.

O carnaval na Praça Onze, numa gravura de Alfredo Herculano. Era nesta área central da cidade que as primeiras escolas de samba desfilaram até os anos 1930.

A Praça Onze de Junho ganhou esse nome após a Guerra do Paraguai. A data remete ao histórico confronto, do qual o Brasil saiu vencedor.

O fim da escravidão e a chegada de estrangeiros ao Brasil deram à Praça Onze um ar cosmopolita, agregador. A região passou a receber muitas pessoas de culturas e histórias de vida diferentes, de negros libertos com o fim da escravidão a imigrantes portugueses, italianos, ciganos e, principalmente, judeus – a região chegou a reunir a maior concentração judaica da história da cidade do Rio de Janeiro.

Praça Onze 1939

“A Praça Onze era um local de acolhimento e o epicentro de um sistema complexo de relações, que envolvia grupos de distintas religiões, condições financeiras, nacionalidades e etnias. O samba surge como produto de engajamento e entrosamento entre eles. Pessoas que se frequentavam, se ouviam, se cruzavam nas ruas, nos mercados, nas saídas e entradas das sinagogas, nas igrejas e nos terreiros“, disse o antropólogo Marco Antonio da Silva Mello, da UFRJ, em entrevista ao site do O Globo.

No início do século XX, quem chegou foi o samba. Das batucadas trazidas pelos negros, que se encontravam na casa da famosa baiana Tia Ciata, que morava na Praça Onze, surgiu o gênero musical.

Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis sempre contribuiu para a valorização da cultura carioca

Nos anos 1930, devido às obras de modernização na região (entre elas a abertura da Avenida Presidente Vargas), a Praça foi perdendo espaço e, literalmente, ficando menor. Na década seguinte, a Praça Onze foi totalmente suprimida.

Sambódromo

Hoje em dia, a região, embora não tenha mais a Praça, continua sendo importante para o samba. Terreirão do Samba e o Sambódromo estão localizados na área.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Felipe Lucena
Felipe Lucena é jornalista e também se arrisca em outras áreas do mundo das palavras escritas. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar da distância, sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da Cidade Maravilhosa.
Felipe Lucena

Latest posts by Felipe Lucena (see all)

Comente