História do Teatro Rival

Muitas são as casas de espetáculo famosas no Rio de Janeiro. O Teatro Rival, fundamental para diversos artistas, tem uma história familiar, composta de importantes memórias.

O Rival foi criado em 1934. Desde o início referência para a vanguarda artística do Rio de Janeiro, o Teatro foi um dos principais palcos do Teatro de Revista, Teatro do Rebolado e de shows de travestis.

No palco do Teatro Rival brilharam ícones como Grande Otelo, Oscarito, Dercy Gonçalves, Rogéria, Jane di Castro e Divina Valéria, entre muitos outros.

Quando foi aberto, o Teatro chamou a atenção pelo tamanho do palco, dividido em três partes. Os quase 30 ventiladores instalados para circular ar fresco, já que o teatro ocupava um subterrâneo, também foram inovação para a época.

A decoração do Rival, do artista plástico Monteiro Filho, também marcou muito. As cores (azul, rosa e prata) do espaço foram bastante comentadas quando a casa foi inaugurada”, conta a arquiteta e pesquisadora Camila Braga.

Sob o comando de Américo Leal, o Rival se tornou, nos anos 1970, um foco de resistência do Teatro de Revista durante a ditadura militar brasileira.

Já nos anos 2000, com Ângela Leal, filha de Américo, na direção geral, o Teatro Rival iniciou um novo processo em sua história. No ano seguinte, a casa passou a ser patrocinada pela Petrobras.

Nessa nova fase, artistas como Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Alcione, Arlindo Cruz, Cauby Peixoto, Angela Maria e Elza Soares, Luis Melodia, Ivan Lins, Cassia Eller, Lenine, Adriana Calcanhotto, entre outros, tocaram no Teatro.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”http://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis sempre contribuiu para a valorização da cultura carioca

Após ficar fechado por três meses para uma grande reforma, o Teatro Rival foi reaberto em abril de 2016 com a atriz Leandra Leal, neta de Américo Leal, responsável pelo espaço.

Essa nova direção adicionou um novo conceito ao Teatro, unindo música, gastronomia e boemia. Com programação variada durante toda a semana, o Rival ganhou um anexo: o Rivalzinho, no local do Café Rival. O novo bar, voltado para a rua, em pouco tempo se tornou um point da boemia carioca.

O Teatro Rival é mais um espaço que tem a cara do Rio de Janeiro.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Felipe Lucena477 Posts

<p>Felipe Lucena é jornalista, roteirista e escritor. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar da distância, sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da Cidade Maravilhosa.</p>

Comente

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password