História do Viaduto da Paulo de Frontin - Diário do Rio de Janeiro

História do Viaduto da Paulo de Frontin

0

Elevado Paulo de Frontin visto de cima

Há quem ache que essas construções deixam a cidade feia. Contudo, os viadutos estão por aí e muitos deles têm boas histórias para se contar.

Idealizado em 1962, junto com a primeira parte da Linha Vermelha, por conta de uma série de problemas estruturais, o Viaduto Eugène Freyssinet só começou a ser construído em 1969. Sim, ele não se chama Paulo de Frontin.


Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis sempre contribuiu para a valorização da cultura carioca

“O Viaduto é conhecido como Paulo de Frontin porque embaixo dele passa uma avenida com esse nome”, explica o historiador Maurício Santos.

Eugène Freyssinet

Nomeado Viaduto Eugène Freyssinet, em homenagem ao engenheiro e arquiteto francês, considerado “o pai do concreto protendido”, esse elevado foi cenário de uma grande tragédia, pouco tempo depois da inauguração.

Inauguração do Elevado

No dia 20 de novembro de 1971, um trecho de 50 metros do Elevado Engenheiro Freyssinet desabou sobre o cruzamento da Rua Haddock Lobo com a Avenida Paulo de Frontin, na Tijuca, matando 29 pessoas e ferindo outras 18.

Desabamento, no início dos anos 1970

À época, a perícia constatou que a causa do acidente foi a abertura das janelas de inspeção na estrutura. O engenheiro Sérgio Marques de Souza foi condenado a um ano e quatro meses, mas não ficou preso porque conseguiu um sursis, uma dispensa do cumprimento da pena.

Vista atual da parte de baixo do Elevado

Após o trágico episódio, governador Chagas Freitas ordenou a revisão completa do projeto do viaduto, que só voltou a funcionar normalmente em 1974. Hoje em dia, o Viaduto segue operando em plena normalidade, apesar de alguns engarrafamentos.

Felipe Lucena
Felipe Lucena é jornalista, roteirista e escritor. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar da distância, sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da Cidade Maravilhosa.
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comente