Letra e Música do Samba Enredo das Escolas de Samba 2010 do Carnaval do Rio de Janeiro | Diário do Rio

Letra e Música do Samba Enredo das Escolas de Samba 2010 do Carnaval do Rio de Janeiro

27

Samba Enredo 2010 Ontem fiz a lista dos blocos que vão encantar os cariocas e os turistas em 2010. Mas e as músicas que ficarão na boca de todos até o Sábado das Campeãs? Isso faltava aqui no doRio. Aí abaixo estão os sambas enredo deste ano, a ordem está pela do Desfile.

 

Infelizmente no Submarino só está a venda o CD de 2009.

E qual é o de sua preferência?

 

Domingo, 14 de Fevereiro

UNIÃO DA ILHA

 

Letra:

Dom Quixote de La Mancha, o Cavaleiro Dos Sonhos Impossíveis

 

Voltou a Ilha
Delira o povo de alegria
Nessa folia sou fidalgo, sou leitor
Cavaleiro sonhador
Meu mundo é de magia
Vou cavalgar no rocinante
Meu escudeiro é Sancho Pança
Se Dulcinéia é meu amor
Quem eu sou?
Dom Quixote de la Mancha

 

O gigante moinho me viu deu no pé
O povo grita…olé
Nesse feitiço tem castanhola
A bateria hoje deita e rola

Vesti a fantasia, fui à luta
Venci manadas, rebanhos
Fiz de uma bacia meu elmo de glórias
Meus livros se perderam pela história
Enfim, fui vencido pelo Branca Lua
Voltei pra casa esquecendo as aventuras
O tempo ficou com meus ideais
Quimeras são imortais

 

A Ilha vem cantar
Mais um sonho impossível… sonhar
Quem é que não tem uma louca ilusão
E um Quixote no seu coração

 

IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE

 

 

Letra:

Brasil de Todos os Deuses

 

Terra abençoada!
Morada divinal
Brilha a coroa sagrada
Reina Tupã, no carnaval…
Viu nascer a devoção em cada amanhecer
Viu brilhar a imensidão de cada olhar
Num país da cor da miscigenação
De tanto Deus, tanta religião
Pro povo, feliz, cultuar

 

O índio dançou, em adoração
O branco rezou na cruz do cristão
O negro louvou os seus orixás
A luz de Deus é a chama da paz

 

E sob as bênçãos do céu
E o véu do luar
Navegaram imigrantes
De tão distante, pra semear
Traços de tradições, laços das religiões
Oh, deus pai! Iluminai o novo dia
Guiai ao divino destino
Seus peregrinos em harmonia
A fé enche a vida de esperança
Na infinita aliança
Traz confiança ao caminhar
E a gente romeira, valente e festeira
Segue a acreditar…

A imperatriz é um mar de fiéis
No altar do samba, em oração
É o Brasil de todos os deuses!
De paz, amor e união…

 

UNIDOS DA TIJUCA

 

Letra:

É Segredo

 

Desvendar esse mistério
É caso sério, quem se arrisca a procurar
O desconhecido, no tempo perdido
Aquele pergaminho milenar
São cinzas na poeira da memória
E brincam com a imaginação
Unidos da Tijuca, não é segredo eu amar você
Decifrar, isso eu não sei dizer
São coisas do meu coração

 

Eu quero ver esse lugar
Que o próprio tempo acabou de esquecer
Meu Deus, por onde vou procurar
Será que alguém pode me responder

 

Quem some na multidão
Esconde a sua verdade
Imaginação, o herói jamais revela a identidade
Será o mascarado
Nesse bailado um folião?
A senha, o segredo da vida
A chave perdida é o “X” da questão
Cuidado, o que se vê pode não ser… Será?
Ao entender é melhor revelar
No sonho do meu carnaval
Pare pra pensar, vai se transformar
Ou esconder até o final?

 

É segredo, não conto a ninguém
Sou Tijuca, vou além
O seu olhar, vou iludir
A tentação é descobrir

 

UNIDOS DA VIRADOURO

 

 

Letra:

 

México, o paraíso das cores, sob o signo do Sol

 

Brilhou o quinto sol, o povo se manifesta
Sopra um "vento mestiço", uma avenida em festa
Traz o gênio que ilumina a canção
As cores que dão forma à "criação"
Chegou o áureo tempo de reviver
A história, o alvorecer, de uma nação guerreira
Os templos sagrados vão resplandecer
Palácios bordados irão renascer
Obras de uma "vida inteira"
Um dia sangra o chão, desejo do invasor
Sofri na traição do opressor

 

Chegam piratas, jóias se vão
Olhos "vidrados" em busca do ouro
Pro fundo do mar vai a ambição
Ninguém vai levar o meu tesouro

 

Meu sangue eu entrego à terra, à liberdade
"O grito", vai raiar o sonho de felicidade!
A fé que desata os nós une a gente de novo
Caudilhos guerreiros se abraçam ao povo
Ouve-se a voz da revolução
São dias pra guardar no coração
Eu vi a força da arte popular
E com meus versos "colori" o azul do mar
Ao sabor do tempero, receitas pra dar e vender
Vi a cidade maior se render à magia de uma paixão
A dor da saudade vou festejar, é tradição
Hoje eu peço a sua benção, senhora do meu coração!

 

Arriba Viradouro!
Uma tequila pra comemorar
Um lenço vermelho, sombrero na mão
O México em cores vou cantar!

 

ACADÊMICOS DO SALGUEIRO

 

Letra:

Histórias Sem Fim

 

Sonhei… no infinito das histórias
Iluminando a memória, me encantei
Brilhou… realidade e fantasia
Como nunca imaginei
Na arte do saber um novo amanhecer
Divina criação, primeira impressão
O livro sagrado da vida
Virtude pra eternidade
A leitura estimulando
A mente da humanidade

 

Eu viajei nessa magia
De alma e coração
Na fonte da sabedoria
Busquei a minha inspiração

 

Páginas descrevendo pensamentos
Clássicos, ideais e sentimentos
Romances… adventuras
Quanta riqueza na nossa literatura
O faz de conta inocente da criança
Ficou guardado na lembrança
Mistérios… suspense… emoção
É o hábito de ler, folheando com prazer
Muito além de uma visão
Mensagens de esperança
Clareando a imaginação

 

Uma história de amor
Sem ponto final
"academia do samba" é salgueiro
No "livro do meu carnaval"

 

BEIJA FLOR DE NILÓPOLIS

 

Letra:

Brilhante ao sol do novo mundo, Brasília: do sonho à realidade, a capital da esperança

 

Dádivas o Criador concedeu
Fez brotar num sonho divinal o mais precioso cristal
Lágrimas, fascinante foi a ira de Tupã
Diz a lenda que o mito Goyás nasceu
O brilho em Jaci vem do olhar
Pra sempre refletido em suas águas
A força que fluiu desse amor é Paranoá… Paranoá
Óh! Deus sol em sua devoção
Ergueu-se no Egito fonte de inspiração
Pássaro sagrado voa no infinito azul
Abre as asas bordando o cerrado de Norte a Sul

 

Ah! Terra tão rica é o sertão
Rasga o coração da mata desbravador!
Finca a bandeira nesse chão
Pra desabrochar a linda flor

 

No coração do Brasil, o afã de quem viu um novo amanhã
Revolta, insurreições, coroas e brasões
Batismo num clamor de liberdade!
Segue a missão a caravana em jornada
Enfim a natureza em sua essência revelada
Firmando o desejo de realizar
A flor desabrochou nas mãos de JK
A miscigenação se fez raiz
Com sangue e o suor deste país
Vem ver… A arte do mestre num traço um poema
Nossa Capital vem ver …
Legião de artistas, caldeirão cultural!
Orgulho, patrimônio mundial

 

Sou candango, calango e Beija-Flor!
Traçando o destino ainda criança
A luz da alvorada anuncia!
Brasília capital da esperança

 

 
Segunda, 15 de Fevereiro

 

MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL

 

 

Letra:

 

Do Paraíso De Deus Ao Paraíso Da Loucura, Cada Um Sabe O Que Procura

 

Eu voltei ao Éden
Paraíso de verdade
Serpente, chega pra lá
Hoje eu quero é sambar com a Mocidade
O mal que você me causou
Pra que me infernizar?
Chega de guerra e miséria
Sem trégua, nem légua
É a idade média a se transformar

 

Entre lendas e mistérios,
Preste João me inspirou a navegar
O bandeirante cobiçou
E o índio revelou o Eldorado de além-mar

 

Tudo o que eu puder sonhar
Vou realizar agora e sempre
E se tentar me taxar
Mando depositar em outro continente
Do Éden ao paraíso da loucura
Ninguém sabe quanto é o que se procura
Hoje o povo quer felicidade
No paraíso da igualdade e liberdade
Estrela faz o meu sonho mais real
Sacode a Sapucaí
É carnaval

 

Meu coração vai disparar, sair pela boca
Não dá pra segurar, paixão muito louca
Luz independente me leva pro céu
Sou Mocidade sou Padre Miguel

 

PORTO DA PEDRA

 

 

Letra:

Com Que Roupa… Eu Vou? Pro Samba Que Você Me Convidou

 

Sonhar o figurino do artista
Acreditar nesta conquista, pra vaidade cultivar
Há muito tempo o homem deu no couro,
Encontrou esse tesouro,
De roupa resolveu chamar.
Mas eis que o objeto do desejo
Na magia do lampejo, se aproximou de Deus
O tempo é uma roda que não para,
Quando a razão se fez mais clara,
A humamidade renasceu

 

Eu sei que a arte caminhou
Modéstia à parte encontrou
Na moda a luz da emocão,
Em cada estilo uma expressão

 

Sou o cortesão da minha arte,
Eu sou rococó dessa folia
Ao vestir simplicidade,
O novo mundo inicia
Mudar o visual em cada estação
Modelo, sonho, nova coleção
Ao desfilar o carnaval
Na passarela a brasilidade
Beleza é fundamental, perdoe a sinceridade

 

Porto da Pedra eu sou
Eu sou o amor desta cidade!
Pro samba que você me convidou
Eu vou vestir felicidade.

 

PORTELA

 

 

Letra:

Derrubando Fronteiras, Conquistando a Liberdade… Um Rio de Paz Em Estado de Graça!

 

Portela segue os passos da evolução… Liberdade!
Num clique deleta barreiras
Derruba fronteiras da realidade
Desperta o bem social
Acessa o amor digital
Faz da criança um cidadão
Positivo pra nação
Na rede nossas vidas vão se transformar
Do ventre mais um ser nascerá
O dia de graça que o mestre cantou
Já raiou!

 

O meu pavilhão é minha paixão!
A luz da ciência é ela…
É samba, é jaqueira que não vai tombar
Sou Portela!

 

Mãos unidas pela inclusão
Povos, raças em comunhão
Vai meu verso ao mundo ensinar
É preciso navegar!
Brilhou no céu mais um sinal
Cruzando o espaço sideral
Portela… Portal cultural de um país
Um link com a nossa raiz
Rainha da passarela
Revela um rio de paz pra viver
A senha de um amanhecer
Mais feliz

 

Minha águia guerreira
Vai voar… Viajar!
Pousar no sonho de ganhar o carnaval
E conquistar o mundo virtual!

 

ACADÊMICOS DO GRANDE RIO

 

 

Letra:

 

Das Arquibancadas Ao Camarote Nº 1… Um "Grande Rio" De Emoção Na Apoteose Do Seu Coração

 

Amor é hora, não demora
A minha energia vai contagiar
O yaya é o samba que manda na minha cidade
E no despertar de um folião
Tenho o esplendor de um barracão
Onde o sonho vira realidade
Num simples toque das mãos
Depois de um vendaval de alegria
Minha fantasia pra lá de suada
Lágrimas sorrisos fazem parte desse visual
De um paraíso de beleza sem igual
Ai que emoção!

 

Meu coração vai a mil
Quando a sirene tocar
A passarela tremer o homem pode voar (bis)
De ratos e urubus veio a transformação
Quero mais que nota 30 pro talento do João

 

No Ita salgueirando lá vou eu
Ouvindo a sereia cantar
Festa da raça, kizomba a liberdade no ar
Daqui pra lá, de lá pra cá de Braguinha
Fez o mundo inteiro delirar
No templo dos bambas, raízes do samba
A arte se consolidou, saudade
Da linda voz que se calou, eu sou cantor! Eu sou cantor!
No seu protesto, nunca foi puxador…
Será que no terceiro milênio haverá
Festa cigana na avenida
O amanhã como será? DNA, princípio da vida
O sambista com sorriso divinal

 

Na apoteose do planeta carnaval
Grande Rio, eu sou guerreiro
Sou brasileiro e faço meu ziriguidum (bis)
Vibra arquibancada, explode
O camarote nº1

 

VILA ISABEL

 

 

Letra:

Noel a Presença do "Poeta da Vila"

Se um dia na orgia me chamassem
Com saudades perguntassem
Por onde anda Noel
Com toda minha fé responderia
Vaga na noite e no dia
Vive na terra e no céu
Seus sambas muito curti
Com a cabeça ao léu
Sua presença senti
No ar de Vila Isabel
Com o sedutor não bebi
Nem fui com ele a bordel
Mas sei que está presente
Com a gente neste laurel

 

Veio ao planeta com os auspícios de um cometa
Naquele ano da Revolta da Chibata
A sua vida foi de notas musicais
Seus lindos sambas animavam carnavais
Brincava em blocos com boêmios e mulatas
Subia morros sem preconceitos sociais

 

(Foi um grande!)

 

Foi um grande chororô
Quando o gênio descansou
Todo o samba lamentou
Ô ô ô
Que enorme dissabor
Foi-se o nosso professor
A Lindaura soluçou
E a Dama do Cabaré não dançou
Fez a passagem pro espaço sideral
Mas está vivo neste nosso carnaval
Também presentes Cartola
Araci e os Tangarás
Lamartine, Ismael e outros mais
E a fantasia que se usa
Pra sambar com o menestrel

 

Tem a energia da nossa Vila Isabel
Tem a energia da nossa Vila Isabel

 

 

MANGUEIRA

 

 

 

Letra:

Mangueira é música do Brasil

 

Vai passar
Nessa avenida mais um samba popular
Mangueira até parece um céu no chão
É música vestida de emoção
Com notas e acordes refletiu
Em suas cores o orgulho do Brasil
Nas ondas do rádio,
De Norte a Sul viajei
No sonho dourado embarquei
Parece magia!
Vai minha inspiração
Num doce balanço a caminho do mar
Vem me trazer a canção
Pro mundo se encantar

 

Tantas emoções na verde-e-rosa
Brilham as estrelas imortais
Bate outra vez uma saudade
Lembro dos antigos festivais

 

Um verso me levou
Do rock à jovem guarda
Fui caminhando e cantando ao luar
Com a tropicália no olhar
Atrás do trio eu quero ver
O baile começar e a noite adormecer
O sol nascerá, as cortinas irão se fechar
Folhas secas virão e o show vai continuar

 

Meu coração é verde e rosa
Descendo o morro, eu vou
A música, alegria do povo
Chegou, a Mangueira chegou

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Quintino Gomes Freire
Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.

Comente