‘mãe’: aterrador e sem nenhum compromisso com a delicadeza

Não, eu não feri as normas da língua portuguesa deliberadamente no título. mãe, ou mother no original é assim mesmo, com letra minúscula. Da mesma forma que os personagens não possuem um nome. Harris é o Homem, Bardem é Ele (em uma alusão ao Deus criador), Lawrence é Mãe e Pfeiffer a Mulher. Vamos começar falando sobre atuações já que a complexidade desse filme é tão paranormal que essa simplória colunista ainda nem sabe o que lhes escrever.

Pela primeira vez a atuação da Jennifer Lawrence me impactou. A atriz, que ganhou o Oscar por ‘O lado bom da vida’ e coleciona três Globos de Ouro e dezenas de indicações, estava no topo da minha lista de implicância de Hollywood. Isso porque nunca enxerguei talento tão acentuado que justificasse esse favoritismo todo. Com ‘mãe’ o famoso ranço se desinstalou do peito e foi preciso admitir: a garota teve peito. Teve tanto peito que carregou o filme nas costas apenas nos closes do rosto. Closes fechados, diga-se de passagem, que era para tornar a atmosfera do filme mais claustrofóbica e insuportável possível.

Pois é, talvez essa não seja a notícia que você estava esperando, mas ‘mãe’ é daqueles filmes que dá vontade de sair correndo da sala de cinema o mais rápido possível. Ele sufoca, machuca e beira ao limite do suportável. A sensação não é aliviada nem quando a câmera se abre por volta da casa.

Ainda sobre as atuações, Bardem reagiu com maestria ao que lhe coube. Só consigo lembrar, e vocês também terão essa sensação, do alívio que sua presença na tela. No auge do desespero e do terror, sua presença era uma garantia de que tudo ia ficar bem, embora a frustração fosse inevitável cada vez que desaparecia novamente. Já Ed Harris e Michelle Pfeiffer seguram os personagens coadjuvantes de forma esplendorosa, com destaque para Pfeiffer que está mais bela e fatal que nunca.

Já Aronofsky por sua vez consegue provar que é uma das mentes mais irreais e abstratas do cinema atualmente. Sem fazer questão alguma de agradar aos sentidos do telespectador, o diretor e roteirista investe na violência, no caos e na destruição para prender o fôlego (e o vômito) na poltrona. E isso não é uma crítica negativa.  A impressão que fica é de que novamente ele traz a baila assuntos de cunho religioso como em Noé e perturbação psicológica como em Cisne Negro . A trama de ‘mãe’ é densa e obscura, mas o que deu para entender ali é que ele quis trazer elementos chaves que passam da criação do mundo (Gênesis) até a destruição do mesmo (Apocalipse), passando pela história de Caim e Abel. Maria, a genitora, Ele (Bardem) como Ele – o Todo Poderoso- até o Novo Testamento com o nascimento do menino Jesus, o bebê da mãe, que é massacrado como o verdadeiro. A temática de construção e reconstrução da casa é a representatividade do universo, que chega a beira do colapso muitas vezes.

Ora, mas vocês não devem estar entendendo nada. Deixa eu resumir a sinopse: ‘mãe’ conta a história de um casal que habita em uma casa distante de tudo e de todos. Enquanto o marido, um escritor famoso, tenta escrever o poema da sua vida, sua esposa o ajuda na reconstrução da casa de infância dele que pegou fogo. Certo dia, eles recebem a estranha visita de um homem que passa a ficar uns dias com eles. A partir daí, uma série de acontecimentos surreais vão acontecendo.

Captou? Não? Não tem problema. A sinopse não te ajudaria em nada mesmo, tampouco essa resenha. Veja e conclua por si próprio.

Título: Mother! (Original)
Ano produção 2017
Direção e roteiro: Darren Aronofsky
Duração 121 minutos
Classificação 16 – Não recomendado para menores de 16 anos.
Gênero: Drama, mistério e terror.
Elenco: Ed Harris (Homem), Javier Bardem (Ele), Jennifer Lawrence (Mãe), Michelle Pfeiffer (Mulher)

Deixe seu comentário

Natalia Alves19 Posts

Carioca de 26 anos, apaixonada por cinema, gastronomia, viagens, livros e sua família.
Troca qualquer balada por uma sessão de cinema e adora o gênero drama, pois assim consegue se esquecer dos seus próprios.
Se emociona em todas as aberturas dos filmes (até os do Adam Sandler. Mentira!)
Administra a página @oquefazernorio no Instagram e Youtube e a página @ondecomernorio com dicas gastronômicas da Cidade Maravilhosa!

0 Comentários

Deixar um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password