O Carnaval do Rio tem que ser repensado - Diário do Rio de Janeiro

O Carnaval do Rio tem que ser repensado

0

Mangueira – Raphael David | Riotur

O Rio é sem dúvida um dos maiores produtos turísticos de turismo. Entre os eventos que aqui ocorrem, está o Carnaval. Mostra sempre a alegria de uma cidade partida e sofrida mas que coloca toda sua força positiva durante a semana momesca. O Carnaval foi, ao longo dos anos, mudando seu foco e hoje os blocos desempenham papel fundamental na sua operação. No entanto, são blocos em demasia e que acabam restringindo a população que mora nos arredores de sair de casa. Vivenciei pessoalmente tal fato quando, no sábado de carnaval,p or volta do meio dia, tentei chegar na casa de minha irmã, que mora na Praça Santos Dumont, na Gávea. Quase não cheguei e fiquei parado em vários momentos no meio dos foliões. Acredito que deva se fazer uma avaliação dos locais e horários onde acontecem e que sejam concentrados em locais de maior espaço e que não prejudiquem o morador.

Uma cidade que se veste para o carnaval precisa ser decorada. Faltou uma tematização carnavalesca nas principais vias da cidade. Não vi também placas de boas vindas, em vários idiomas no aeroporto, na rodoviária e no próprio sambódromo.N o entanto, senti que os postos de informações turísticas funcionaram bem e até foram elogiados pelos brasileiros, na pesquisa feita pela Associação dos Embaixadores de turismo. Sugiro,que no ano que vem sejam também colocados funcionários bilíngues nas estações do metrô e do BRT, pois muitos turistas ficavam perdidos e não sabiam a direção correta,sobretudo no BRT.

Nosso grande problema foi o Sambódromo. Faltaram personalidades internacionais. O próprio Prefeito poderia ter comparecido, pois é uma forma de demonstrar seu compromisso com o turismo e aqueles que passam meses se preparando para o grande desfile da era moderna.

Muitas escolas mostraram inovação e compromisso social e com a sustentabilidade. No entanto, falhamos no quesito segurança. Carros desabando e atropelando foliões ganharam manchetes internacionais em países emissores importantes como os EUA, Alemanha, Grã Bretanha, Argentina, para citar alguns e colocaram em discussão a segurança do evento .Em 2018, vamos ter que buscar procedimentos de controle ,supervisão e, quiça, certificação nos carros alegóricos. Falta fiscalização efetiva e os próprios componentes alegam superlotação nos carros. Acredito que, em um momento assim, deva ser dada uma resposta rápida pelas autoridades competentes, com ações de relações públicas.

Por  outro lado, é necessário rever as politicas de preços dos hotéis,que cresceram sem planejamento efetivo e que amargaram ocupação,em alguns casos de apenas 55%. A cidade é uma das mais caras do mundo, no alojamento e na alimentação. E nem sempre o serviço prestado corresponde ao padrão de preço.

Agora, como fazem falta os concursos de fantasia. São um componente essencial de mostra da suntuosidade e originalidade que sempre contemplaram lindas fantasias no Hotel Glória. Vamos apoiar a volta de um grande concurso e convidar o Embaixador do Rio, Bellino Mello, para resgatar um Rio Perdido….

Sentimos que são os mesmos camarotes, as mesmas feijoadas, os mesmos bailes e se compararmos fotos dos últimos três anos, com as mesmas pessoas. Falta criatividade,empreendedorismo na gestão de tais eventos, que também se esvaziam pelos preços irreais cobrados para turistas estrangeiros.

Malgré tout (apesar de tudo), como dizem os franceses, o Carnaval aconteceu com muito menos turistas estrangeiros e mais brasileiros. Vamos reavaliar bastante o posicionamento estratégico do evento e criar um conselho com quem entende do riscado para que 2018 nos surpreenda.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Bayard Boiteux

Bayard Boiteux

Gerente de Turismo at Preservale
Professor universitário, escritor, pesquisador que acredita na democracia, na diversidade e luta por um mundo melhor através da educação
Bayard Boiteux
Bayard Boiteux

Latest posts by Bayard Boiteux (see all)

Comente