Peças de religiões de matriz africana apreendidas no século passado serão expostas até o final do ano

Foto: Jotha R Kayber

Resgatar um período da história do estado do Rio de Janeiro, debater sobre intolerância religiosa e apresentar a população peças sagradas das religiões de matriz africana apreendidas início do século XX por “Magia Negra”. Estes são os objetivos da exposição que será realizada até o final do ano, através de uma parceria entre as Secretarias de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos (SEDHMI), Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e Polícia Civil.

Nesta quarta-feira (30), os secretários de estado Átila A. Nunes (SEDHMI), André Lazaronni (SEC) e o chefe da Polícia Civil, Carlos Leba (PCERJ) se reuniram para definir os detalhes da exposição que acontecerá de duas formas: uma mostra das peças em um museu, e também uma exposição online, com todo o acervo digitalizado,  para que o público tenha livre acesso as obras.

A polícia Civil preserva hoje cerca de 200 peças, consideradas provas de crimes pelo Código Penal de 1890, que proibia a “prática do espiritismo, da magia e seus sortilégios”. Estas peças,  apreendidas em terreiros no começo do século passado e durante a ditadura militar, foram conservadas onde hoje é a sede da Polícia Civil.

As obras batizadas de coleção “Magia Negra”, foram tombadas em 1938 pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O Instituto participará de todo o processo para a exposição pública das peças catalogando o acervo e diagnosticando o estado das obras. Instituições religiosas também atuarão em parceria com os órgãos envolvidos. Desta forma é garantido que as peças sagradas, que não podem ser exibidas, devido aos fundamentos das religiões de matriz africana, sejam devidamente preservadas.

Deixe seu comentário

Quintino Gomes Freire8880 Posts

Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.

0 Comentários

Deixar um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password