Rio Parada Funk 2013 terá 12 palcos | Diário do Rio

Rio Parada Funk 2013 terá 12 palcos

3
LinkedInWhatsApp

Rio Parada Funk

No dia 24 de Novembro acontece na Praça da Apoteose a edição 2013 do Rio Parada Funk evento dedicado a reconhecer o estilo como manifestação cultural carioca. A primeira edição foi em 2011 no Largo da Carioca e 2012 no Arcos da Lapa.

O melhor para quem for é que o evento é totalmente de graça, basta ir ao site do parada funk e imprimir o ingresso.

Mas não é só música que se trata o Rio Parada Funk, também acontece a 2ª Conferência Funk que abordará os temas “Funk: Cultura Urbana Popular” e Rio, Cidade do Funk, em ações sociais / esportivas preparatórias para o evento, realizadas em comunidades pacificadas.

Palcos

Palco 1 – Chapéu Mangueira: baile mais charmoso da Zona Sul, que levou praticamente todos os jovens da década de 90 a subirem a famosa ladeira Ary Barroso para curtir o baile de equipes como DUDA’S, na tradicional quadra Guerreiros do Leme.

Palco 2 – Outro lado da poça: o som do grave das grandes equipes de som ecoou em todo o Estado do Rio de Janeiro e consagrou equipes como Pipo’s e CashBox.

Palco 3 – Baile da Baixada: conhecida pelos grandes bailes de clube, a baixada marcou uma época.  Até hoje o público se emociona ao relembrar dos grandes festivais da região.

Palco 4 – Emoções da Rocinha: a maior favela da América Latina foi internacionalizada por cantores como MC Galo, que pediu a paz e imortalizou para sempre a Rocinha na historia do funk.

Palco 5 – Favela tem Conceito: berço da inesgotável criatividade cultural carioca, a Favela é a raiz do Funk e do Samba.

Palco 6: Clube Balanço e Funk Nacional: todos os dias, às 20h, os funkeiros sintonizavam na Radio Imprensa (102.1) para ouvir o programa Clube do Balanço, com as equipes Kiko’s Disco Funk, Estudio 58, Curtisom Rio e Espiao Shock de Monstro. Hoje, o Funk Nacional exerce este importante papel na Radio Nacional AM.

Palco 07 – Clima dos Bailes: Luis Carlos Nascimento, dono de uma voz marcante, apresentava os grandes clássicos no programa Clima dos Bailes , que marcou uma geração, na extinta Radio Imprensa FM.

Palco 08 – Encontro das Galeras: toca de ouro das montagens, onde djs sampleavam ao vivo e MCs criavam pequenos versos, agitando o galerão.

Palco 09 – Cláudio Rodrigues Mattos (MC Claudinho): um dos maiores MCs de Funk, MC Claudinho – ao lado de Buchecha, cantou e fez todos dançarem o break voador, ao som do inesquecível “ tchugutchugutchacuntchun “ (“Quero te encontrar”).

Palco 10 – Cidinho Cambalhota, Ademir Lemos, Mr. Funky Santos, Luizinho Disck Jockey Soul: os pioneiros do movimento Funk são os homenageados do palco 10, que relembra os grandes sucessos da historia dos funkeiros:

  • Cidinho Cambalhota: apresentador do primeiro programa de funk da TV brasileira, “ som na caixa”;
  • Ademir Lemos: notório artista do Funk, com clássicos imortais como “Rap da rapa”;
  • Mr. Funk Santos: Um dos primeiros DJs de funk brasileiro;
  • Luizinho Disk Jockey Soul: um dos primeiros djs brancos a tocar musica black, nos anos 70, quando lançou o vinil “O som dos Blacks”.

Palco 11 – Tamborzão: representa a nova era do Funk que “cariocou” o movimento, com Mr. Catra e os bondes, criando trilhas sonoras para os dançarinos do atual Passinho.

Palco 12 – Funk Mundial: Apavoramento Sound System: o funk dominou o mundo. Djs de diferentes estilos incorporaram as batidas em seus sets, renovando e internacionalizando o Funk.

Serviço:

Rio Parada Funk
Domingo, dia 24 de novembro de 2013
Das 12h às 20h
Ingressos gratuitos: os ticktes deverão ser impressos no site da Rio Parada Funk
Classificação Etária Livre

Fonte: Jornal Rio Carioca

Quintino Gomes
Defensor do Carioca Way of Life, morou em Jacarepaguá a vida toda, trabalhou na Zona Oeste, na Zona Norte, Centro e Zona Sul. O pai é português e a mãe carioca da Gema, do Bairro de Fátima
LinkedInWhatsApp

3 Comentários

  1. Gostaria de ter ido mas não tive informação suficiente, ou não divulgarão direito bom triste mas feliz pois sei que muita gente lutou para dar certo . para o funk não morrer patrimônio cultural respeita o moço patente alta bigode groso

Leave A Reply