Situação da Prefeitura não é tão feia como quer pintar Marcelo Crivella

Ontem o Prefeito Marcelo Crivella (PRB/IURD) divulgou que a Prefeitura do Rio de Janeiro estaria em uma situação de déficit tal que, assim como no governo do Estado, poderia atrasar o pagamento dos servidores. Mas para o vereador Cesar Maia (DEM), prefeito do Rio por 3 vezes, o tal déficit seria falso e teria como objetivo apenas justificar e legitimar aumentos de contribuições e tributos. Iludir as pessoas e os servidores.

Na newsletter chamada Ex-Blog, Maia diz que que esse quadro pré-falimentar da cidade é falso e não corresponde nem aos números divulgados pela própria prefeitura no Diário Oficial. Veja o texto completo:

PREFEITURA DO RIO DIVULGA FALSO DÉFICIT PARA AUMENTAR TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES!

1. Os números de hipotéticos déficits da prefeitura do Rio não coincidem com os próprios números oficiais que a prefeitura publica no Diário Oficial. O objetivo é justificar e legitimar aumentos de contribuições e tributos. Iludir as pessoas e os servidores.

2. Na máxima de Maquiavel, em que maldade se faz de uma vez e bondade aos pouquinhos, a divulgação de déficits (fake) do tesouro e da previdência municipal tem como objetivo aprovar, na Câmara Municipal, projetos de lei aumentando tributos e contribuições.

3. Criar uma folga entre receitas e despesas no início da administração, como uma “poupança” a ser gasta durante o período de governo, pode ser uma prática saudável. O que não é saudável é falsear os dados e jogar a conta desses acréscimos nas costas da população e dos servidores.

4. Na velha teoria do bode, em que se coloca um bode fedorento na sala e quando se retira se cria uma sensação de alívio, as declarações do prefeito e sua equipe financeira têm o objetivo de apavorar servidores e a população como forma de justificar as leis que virão, aumentando tributos e contribuições.

5. O primeiro passo foi dado apresentando à Câmara Municipal um projeto de lei estendendo o prazo do “Rio concilia”, que foi aprovado no final da gestão anterior. Na prática, é uma anistia ou remissão parcial, decidida numa negociação direta entre representantes da prefeitura e empresas ou pessoas devedoras. Uma prática de alto risco, pois não há critério a aplicar e depois justificar essas reduções.

6. E vem por aí o aumento da contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%, e a criação de contribuição previdenciária de aposentados e pensionistas de 14%. Mas não se fala no aumento proporcional para o empregador – a prefeitura, que hoje recolhe o dobro da contribuição previdenciária.

7. Não há demonstrativos que justifiquem isso. Desde os anos anteriores, quando o Vereador Cesar Maia alertava sobre os problemas de gestão do Previ-Rio/Funprevi, que ele pede que seja divulgado o fluxo de caixa mensal da previdência municipal.

8. O jornal Extra estampou na capa no dia 25/04 uma manchete que a prefeitura já cogita atrasar o salário dos servidores. É apenas um blefe para assustar os servidores e aprovar o aumento da contribuição previdenciária e de tributos.

9. Enquanto isso, se prepara no forno municipal um projeto de lei de aumento do IPTU. Mas, para todas essas medidas, é necessário criar um falso clima de “sério” problema fiscal. Nada disso é necessário. Basta apenas uma gestão fiscal-financeira competente.

10. Que a população e os servidores não se deixem iludir. Esse quadro pré-falimentar é falso. Não corresponde nem aos números divulgados pela própria prefeitura no Diário Oficial.

Deixe seu comentário

Quintino Gomes Freire8935 Posts

Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.

0 Comentários

Deixar um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password