Um Rio de 445 anos de história - Di√°rio do Rio de Janeiro

Um Rio de 445 anos de história

6

Por André Delacerda

Chamando o Sol por Roberto Stellling Estava tentando imaginar, fazendo uma volta no tempo, tentando me inspirar nas gravuras, rabiscos, mapas de √©poca que povoam os museus lusitanos, e daqui. Tentando sentir o momento da descoberta vivido pelo navegador Gaspar de Lemos no dia 1¬ļ de janeiro 1502, ao encontrar montanhas esplendoras, uma floresta densa e verdejante, uma enorme ba√≠a de √°guas cristalinas, abra√ßada e emoldurada por grandes monolitos. Ba√≠a esta, que de t√£o grande foi confudida pelo navegador, que acreditar ser ali um rio, fato que o inspirou a batizar a ent√£o terra descoberta, como Rio de Janeiro.

 

De l√° para c√°, se passaram 445 anos de uma hist√≥ria rica com: corajosos homens que desbravaram estas terras cariocas; expedi√ß√Ķes que imortalizaram desde aquela √©poca as paisagens que fascinam at√© hoje, a gente daqui e de todo o mundo. Foram in√ļmeras invas√Ķes; batalhas pela posse da terra com estrangeiros e √≠ndios; o enforcamento do her√≥i inconfidente Tiradentes; o acolhimento da Fam√≠lia Real, ent√£o em fuga de Portugal por causa de Napole√£o; a transforma√ß√£o da prov√≠ncia em sede do Imp√©rio Portugu√™s.

E os momentos marcantes que essa cidade viveu, que est√£o nas p√°ginas da hist√≥ria e da vida dos brasileiros, n√£o param por ai, somam-se ainda: a t√£o esperada Aboli√ß√£o da Escravatura; a Proclama√ß√£o da Rep√ļblica; a Era Vargas, que culmina com seu suic√≠dio no Catete; o apogeu e adeus a mais carioca das portuguesas, a imortal Carmem Miranda; a elei√ß√£o de JK, que daria in√≠cio, h√° certamente um dos fatos que marcou e ainda marca esta cidade, inclusive com sequelas, a transfer√™ncia da Capital Federal, do litoral para o Centro-Oeste.

 

Rio de Janeiro por OlivierO Rio ainda viveu e foi palco da luta popular e política contra a Ditadura Militar; vibrou com os grandes comícios das Diretas Já; e viu o país se redemocratizar.

 

O Rio viveu momentos m√°gicos na cultura que imortalizaram a cidade e seu modo de ser atrav√©s dos contos de Machado de Assis; da poesia de Noel; da m√ļsica de Cartola e Pixinguinha; do balan√ßo da Tropic√°lia; e do marcante nascimento da Bossa Nova, com a palavra os mestres Tom e Vin√≠cius.

 

O Rio não é só carnaval, não é só futebol, é mais que tudo isso.

 

√Č muito al√©m, de ser uma das mais famosas esquinas do mundo. √Č uma grande coxa de retalhos de v√°rios brasis. Uma mistura de gente de todos os cantos, que se mistura com a mais pura e inteligente cria√ß√£o da natureza.

 

O Rio é como seu maior símbolo.

 

Est√° de bra√ßos abertos para acolher a todos, convidando-os para juntos contemplar essa ‚ÄúMaravilha de Cen√°rio‚ÄĚ, como j√° dizia os versos do sambista Silas de Oliveira.

 

Parabéns a querida Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.

 

Simplesmente Rio…

 

Fotos: Chamando o Sol por Roberto Stellling

Rio de Janeiro por Olivier

Quintino Gomes Freire
Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comente