Está confirmada a realização da 70ª edição da Regata Santos-Rio, a mais tradicional do país de Vela de Oceano e mais difícil, com largada marcada para 12h no dia 23 de outubro, sexta-feira, da Baía de Santos, e chegada na Ilha da Laje, na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro em uma distância aproximada de 180 milhas náuticas, cerca de 300km. A organização é do Iate Clube de Santos e do Iate Clube do Rio de Janeiro, com chancela e apoio da ABVO, Associação Brasileira de Veleiros de Oceano.

Para esta edição especial, já estão confirmados velejadores e veleiros do Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Santa Catarina e Bahia além grandes nomes da história da Vela brasileira. Entre eles o bicampeão olímpico da classe Star, Torben Grael, que levou as medalhas de Ouro em 1996 em Atlanta, nos EUA, e 2004 em Atenas, na Grécia, que possui títulos da Santos-Rio. Torben tem ao todo cinco medalhas olímpicas somando uma Prata em Los Angeles (Soling) e dois Bronzes em Seul e Sydney (Star). Ele também detém o recorde com cinco títulos na Santos-Rio junto com Eduardo Souza Ramos . Seu irmão, Lars Grael, que soma duas medalhas de Bronze nos Jogos de Atlanta e Seul, na Coreia do Sul, na classe Tornado, também irá competir na 70ª Santos-Rio.

“A Santos-Rio é a síntese da história da Vela de Oceano no Brasil. Será minha 18ª participação, fui muito ativo nas décadas de 80 e 90 e agora motivado por tudo que está passando no país e também pela Vela de Oceano celebrando a 70ª edição dessa regata que é a mais importante do Brasil”, disse Lars Grael.

O gaúcho Samuel Albrecht virá na tripulação do Crioula, barco multicampeão brasileiro. A tripulação tem o recorde da Santos-Rio no veleiro Camiranga conquistando em 2005 completando o trajeto em 18 horas, 9 minutos e três segundos. Albrecht estará no ano que vem nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão.

Lembrando que os Veleiros de Oceano farão parte da próxima edição dos Jogos Olímpicos de Paris em 2024 com barcos de 30 pés e dupla mista com um homem e uma mulher como tripulantes.

“Será sem dúvida um grande evento. Estamos preparando uma competição especial com todos os cuidados e protocolos diante da pandemia do COVID-19 dos tripulantes e dos dois clubes, o ICS e o ICRJ”, disse Mario Martinez, comodoro da ABVO: “Expectativa é de 40 barcos. Todos os campeões da Santos-Rio presentes nessa edição serão homenageados na largada, teremos a presença de uma fragata da Marinha do Brasil, um desfile de Barcos a partir das 10h30 na Ponta da Praia em Santos e uma salva de canhão para cada barco vencedor da história da Santos-Rio”, seguiu.

Também em comemoração à data, o Iate Clube de Santos, Embaixador La Belle Classe no Brasil, oferecerá aos três primeiros colocados da Classe Clássicos o troféu que representa o prêmio internacional da regata de veleiros clássicos mais antiga do mundo organizada pelo Yacht Club de Monaco, a Regata La Belle Classe

“Somos o único clube da América Latina com aprovação de levantar esta flâmula e poder fazer isso na comemoração das 70 edições da Regata Santos-Rio é uma satisfação imensa também abraçada pelo ICRJ e a ABVO”, disse o Comodoro do Iate Clube de Santos Berardino Antonio Fanganiello.

José Roberto Braile, mais conhecido no meio como Pré-Braile, Contra-Comodoro do Iate Clube do Rio de Janeiro realizou sua primeira Santos-Rio em 1963 e irá por mais um ano no veleiro Sorsa. Ele já perdeu as contas de quantas edições participou: “Não sei quantas eu fiz, ao redor de 40. Fiz muitas com o veleiro Saga, sempre tendo companheiros ótimos tripulantes e muitas vezes campeões de monotipos”, disse Pré-Braile.

“A Santos-Rio é a mais antiga regata oceânica do Brasil. Uma forma de aproximação de velejadores cariocas e paulistas. Às vezes de contravento intenso desde a largada até a chegada. Outras de vento favorável o tempo todo. A regata desenvolveu bastante a Vela de Oceano e fez com que os brasileiros partissem para desafios maiores que acabou culminando na Volta ao Mundo no barco Brasil 1”.

“Essa edição terá muitos barcos e o ICRJ, como sempre, fará tecnicamente uma excelente cobertura da regata e uma ótima recepção aos velejadores”, finalizou.

Mudanças na Recepção e na premiação por conta da pandemia

Tradicionalmente, na noite que antecede a largada, o evento é aberto com um jantar de boas-vindas oferecido pelo Iate Clube de Santos às tripulações e seus familiares. Neste ano, em função da pandemia, a organização e os dirigentes do clube oferecerão um coquetel especial para os comandantes, no Mirante da sede Guarujá, onde acontecerá a habitual reunião dos comandantes e a entrega dos kits, compostos por camiseta do evento + boné/viseira do ICS para todos os velejadores. Respeitando todos os protocolos de distanciamento social e higienização exigidos pelo Governo do Estado de São Paulo .

Já a cerimônia de premiação fica a cargo do Iate Clube do Rio de Janeiro. Tradicionalmente há uma festa após a cerimônia de premiação regada à muita cerveja, mas por conta da pandemia a mesma foi suspensa.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui