Respectivamente, volumes 1 e 2 do ''Chama Negra'' - Foto: Divulgação

Quem nunca ouviu que a vida imita a arte, não é mesmo? Mas, neste caso no Rio de Janeiro, foi a arte que imitou a vida para mostrar uma realidade triste e muito frequente, não apenas no Rio de Janeiro, mas em todo o mundo: a violência contra as mulheres.

Nesta terça-feira (12/01), a Polícia Civil encontrou o corpo de Bianca Lourenço, de 24 anos, que estava desaparecida desde o dia 03 de janeiro. A jovem era ex-namorada de Dalton Vieira, suspeito de chefiar o tráfico de drogas na comunidade da Kelson’s, na Penha. Segundo a polícia, o cadáver encontrado tem tatuagens iguais às de Bianca e foi encaminhado ao Instituto Médico Legal.

Segundo testemunhas, Bianca teria sido morta por Dalton, que não aceitava o fim do relacionamento. A polícia ainda não confirmou esta versão, porém informou que a jovem foi retirada por Dalton à força de um churrasco com amigos. De acordo com as investigações, a partir daí, ninguém soube mais nada da jovem.

O caso de Bianca, infelizmente, não é um fato isolado. Uma pesquisa de outubro de 2020 destacou que 90% dos agressores tinham vínculo íntimo com as mulheres que mataram, sendo que 39% deles moravam com elas. Segundo o Dossiê Mulher 2019, na época, o estado do Rio tinha uma vítima de feminicídio a cada 5 dias.

E essa realidade é mostrada na arte através do livro“O Chama Negra: Origem”. A obra conta a história de Francisco, morador de uma comunidade periférica carioca, assim como a maioria dos habitantes dessa região, sofre com a eterna guerra entre traficantes e policiais, preconceito e falta de recursos básicos como acesso a serviços de saúde. Entretanto, mesmo diante de tantas adversidades, o rapaz tenta transformar sua vida por meio da educação, sonhando em se tornar cientista. E ele também tem amigos com o mesmo sonho: Bruna, por quem o garoto é secretamente apaixonado, e Gabriel, colega de longa data. A vida do trio começa a tomar mudanças drásticas quando Francisco ganha super-poderes. A partir disso, ele precisa aprender a lidar com sua nova identidade, salvar seus amigos e, se possível, arranjar um emprego.

No desenrolar da história, uma das personagens desenvolvidas se apaixona por um traficante. Ao descobrir sobre o envolvimento com o crime, ela termina o relacionamento. Entretanto, assim como em muitos casos da vida real, ele não reage bem ao término e muitas coisas acontecem.

Julio Paladino, morador de Vicente de Carvalho, na Zona Norte, professor de Educação Física e escritor da obra ressalta a importância de conscientização:

Acho importante sim. No livro, ela se apaixona pelo rapaz antes dele se tornar traficante, quando ela descobre, termina com ele. O rapaz não aceita bem esse término e muitas coisas acontecem, porém, como toda história de herói, ela consegue ficar em segurança, só que não temos super heróis na vida real. O que deveríamos ter é governantes que realmente se preocupem com o povo, parem de roubar e invistam em educação, geração de emprego, lazer e muitas outras coisas que podem impedir esse tipo de situação“.

A deputada Martha Rocha destacou a importância da informação no combate à violência contra a mulher.

A pandemia mostrou uma fragilidade, as mulheres ficaram à mercê dos agressores. Essa luta é da sociedade e não apenas das mulheres, por isso a informação é fundamental. A conscientização faz toda a diferença.”

Julio Paladino contou ainda que a ideia do livro surgiu para homenagear os trabalhadores que moram nas favelas, que são verdadeiros heróis.

Sempre morei próximo a comunidades e frequentava os mesmo espaços da galera que morava lá: igreja, quadra de futebol, fliperama… conheci muita gente de lá e me incomoda ver que quando a mídia fala de favela é só sobre violência e pobreza. Tem muita gente trabalhadora lá que são verdadeiros heróis, então juntei minha paixão por histórias de super heróis com a realidade que eu conhecia para fazer uma homenagem e tentar enaltecer essa galera que tem voz, mas quase ninguém quer escutar“, contou.

Agora, após o sucesso do primeiro livro, Paladino lança a sequência “O Chama Negra: Aproximação Perigosa”Nesta segunda edição, o trio de protagonistas terá novos desafios, como, por exemplo, Francisco e Gabriel realizando uma investigação que revelará novos vilões e os colocará em risco, além de Bruna tendo que tomar decisões importantes sobre estudo e profissão que podem mudar o rumo de sua vida pessoal.

O livro está à venda diretamente com Paladino através do Instagram oficial do ”Chama Negra”. A segunda edição do livro está custando R$ 20 (+ frete). De acordo com o autor, metade da renda arrecadada será destinada ao Serviço Franciscano de Solidariedade (Sefras), instituição que atua tanto no Rio de Janeiro quanto em São Paulo. Até esta quinta-feira [14/01], os dois livros estão em promoção, sendo vendidos a R$ 35, além do frete de R$ 7 dos Correios.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui