Capa do livro ''A Cachorra'' - Foto: Divulgação

Foi com total despretensão que comecei a ler ”A Cachorra” – é um livro curto e achei que seria uma leitura leve para o momento de dormir. Não poderia estar mais enganada. É uma leitura rápida, sim, mas densa e cheia de significados.

No livro, a autora colombiana Pilar Quintana conta a história de Damaris, personagem que possui um passado traumático e cuja maior frustração é não conseguir realizar o sonho de ser mãe. Damaris mora com o companheiro Rogelio num povoado no litoral colombiano, onde os dois cuidam da casa de veraneio de uma família. Um dia, Damaris adota uma cachorrinha e dá a ela o nome que daria à filha que não teve: Chirli.

”O povoado de Damaris era uma rua comprida de areia firme, com casas de lado a lado. (…) Damaris estava com um pouco de medo da reação de Rogelio ao ver a cadela. Ele não gostava de cachorros e, se os criava, era apenas para que latissem e cuidassem da propriedade.”

A personagem transfere para a cachorra todo o amor que guardara para os filhos que não pôde ter. Porém, a relação entre as duas começa a ficar complicada a partir da primeira vez em que a cachorra foge de casa – ela sempre volta, mas Damaris se sente traída e rejeitada pelo animal a quem deu tanto amor. Os sentimentos de Damaris, sempre extremados, vão se modificando e a afeição que sentia pela cachorra se transforma em indiferença, revolta e rancor. Tudo se torna ainda pior quando ela descobre que a cachorra está grávida, o que faz despertar também um ímpeto de vingança.

”Assustada, a cachorra deu um pulo e depois lançou a Damaris seu olhar de cachorro perdido, ou talvez horrorizada, e começou a se afastar dela, da que antes tinha sido sua aliada e agora cometia contra ela a maior das traições. Tinha o rabo entre as pernas e a cada instante virava a cabeça, vigiando sua retaguarda, e Damaris teve a impressão de que agora sim havia se rompido entre ambas algo irreparável. Ao contrário do que esperava, isso lhe doeu.”

A autora declarou em entrevistas que escreveu o livro no celular enquanto amamentava seu filho. E que seu objetivo era mostrar que a maternidade não é feita apenas de momentos ternos e amorosos, como é mostrado na publicidade e anunciado pela sociedade. Segundo Pilar, há uma agressividade instintiva na maternidade, algo muito mais inquietante do que estamos costumados a ver.

Na relação entre Damaris e a cachorra estão presentes as emoções ambíguas que fazem da relação entre mãe e filho essa matéria complexa: o amor quase sufocante, o sentimento de abandono e traição, a raiva desmedida. ”A Cachorra” é um livro cheio de reflexões sobre relacionamentos, desigualdade social, expectativa com o outro e, é claro, romantização da maternidade.

”A Cachorra” foi lançado em 2017. No Brasil, foi publicado em 2020 pela editora Intrínseca, com tradução de Livia Deorsola.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui