Foto: Reprodução

A capela de Nossa Senhora da Cabeça, uma das igrejas mais antigas do Rio, fica localizada no meio da mata remanescente da Floresta da Tijuca. Construída, provavelmente entre os anos 1603 e 1607, dentro dos terrenos do antigo Engenho d´El Rey, uma fábrica de açúcar nas proximidades da Lagoa de Sacopenapan, que se estendia por toda a área entre a lagoa e as encostas do Corcovado, desde a Gávea até o Humaitá.

Tombada pelo governo federal em 1965, pela relevância histórica, a Capela também obteve o tombamento municipal em 2004, por meio do decreto n°24.525. O nome da igreja remente a sua construção a meia encosta da serra da Carioca. A cabeça a que se refere a designação é o nome de um pico da Serra Morena, na Andaluzia, Espanha, onde, em 1227, em meio a uma fogueira, Nossa Senhora teria aparecido diante do pastor Juan de Rivas e pedia que o pastor fosse à vila de Andújar avisar ao povo que Deus queria que fosse, naquele local, construído um santuário. Juan prometeu atender ao pedido, mas ficou com medo de que não acreditassem nele. A Virgem, então, restituiu-lhe o braço que lhe havia sido decepado na luta contra os mouros; o milagre serviu como de prova e a população, entusiasmada, proclamou Nossa Senhora da Cabeça padroeira da vila, e construiu, no local da aparição, o santuário.

De acordo com o site Agenda Bafafá, a fachada da capela é simples, composta com frontão triangular e ombreiras de cantaria, duas janelas com grades e uma porta almofadada de madeira. Há registro de reformas nos anos de 1856, 1902, 1943 e 1992, mas mantendo sua configuração original, que descreve um autêntico exemplar da arquitetura rural do período colonial. O altar da igreja é de madeira com veios policromados que data do século XVIII.

Em 2005, por meio de uma Obra Social do Rio de Janeiro em parceria com a SEDREPAHC, atual SUBPC, e patrocínio do Instituto Vivo, foi possível realizar obras de restauração. Por meio das prospecções arqueológicas, o objetivo da reforma foi compreender as modificações ocorridas na edificação, as transformações em suas feições originais, alterações de níveis de pisos, técnicas e materiais construtivos empregados na sua construção e intervenções posteriores.

Com esse processo foram encontrados vestígios de louça, vidro, e outros materiais remanescentes do período em que funcionava a antiga fazenda e engenho nos séculos XVII, XVIII e XIX na lateral da murada à direita da capela. Camada de areia e pedras, com arrumação que sugere a localização da antiga torre foi encontrada junto à descida da escada no adro.

O templo religioso, hoje, fica localizada na Rua Faro 80, na encosta do Jardim Botânico.

Costa do mar, do Rio, Carioca, da Zona Sul à Oeste, litorânea e pisciana. Como peixe nos meandros da cidade, circulante, aspirante à justiça - advogada, engajada, jornalista aspirante. Do tantã das avenidas, dos blocos de carnaval à força de transformação da política acreditando na informação como salvaguarda de um novo tempo: sonhadora ansiosa por fazer-valer!

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui