Atualmente um dos pontos do Circuito Histórico e Arqueológico da Herança Africana, que fica no Centro da Cidade, a Praça (ou Largo) dos Estivadores passou por muitas coisas. E a história passou por ela.

No ano de 1779, o Marquês de Lavradio transferiu o mercado de escravos da Praça XV para o Cais do Valongo. Com isso, instalaram-se diversos negócios na praça, como trapiches, manufaturas e armazéns. À época o nome era Largo do Depósito.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis contribui para a valorização da cultura carioca

Já em 1843, o local passou a se chamar Largo da Imperatriz, pois ficava nas imediações do porto onde a imperatriz Tereza Cristina desembarcou quando chegou ao Brasil.

Como se sabe, após a Proclamação da República muitos símbolos imperiais foram abolidos. Por isso, um novo nome para o Largo, que passou a ser da Redenção.

Virou Praça dos Estivadores em 1904. A mudança se deu após a fundação do Sindicato dos Estivadores, que fica nas redondezas do local, onde ocorreram conflitos entre sindicalistas e policiais durante manifestações dos trabalhadores.

Mais recentemente, em 2011, passou a integrar o Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana por ter sido área de venda de escravos africanos.

No dia 30 de maio de 2015, a praça foi reinaugurada pelo ex-prefeito Eduardo Paes, sendo o sexto ponto do Circuito Histórico e Arqueológico a ser aberto ao público.

A história do Brasil e do Rio de Janeiro sempre passou e ainda passa por este local.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui