A Patrulha Ambiental, um órgão da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC), está realizando uma grande ação para conter a caça e pesca predatórias de jacarés e capivaras.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Além da poluição nas lagoas da região, os animais estão sendo mortos aos montes. Recentemente, um jacaré morto foi encontrado com perfurações causadas por tiros, na Barra. As capivaras também são vitimas desses criminosos.

As denúncias vêm acontecendo desde o ano passado. Para coibir a ação dos pescadores ilegais, a Patrulha Ambiental solicitou o apoio dos policiais da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente.

Os crimes acontecem no complexo lagunar de Jacarepaguá e da Barra da Tijuca, que é formado por três lagoas principais: Tijuca, Jacarepaguá e Marapendi, e a de Camorim, situada entre as lagoas da Tijuca e de Jacarepaguá.

Pessoas que moram próximo à Lagoa de Jacarepaguá tentam ajudar a conter o problema.

“Como a região cresceu muito nos últimos anos, o desmatamento deixa os animais perdidos. E muitas dessas novas pessoas que estão morando nas redondezas não lidam bem com isso. Sem contar a caça ilegal que sempre teve aqui”, afirma Jorge, que vive na região há mais de 30 anos.

1 COMENTÁRIO

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui