Aconteceu no Rio Antigo – O Passeio Público surgiu de um sonho ouvido atrás da moita

Fernanda Duarte conta a origem romântica do Passeio Público, um dos parques mais importantes do Rio de Janeiro

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
Jardim do Passeio Público (Foto: Fernanda Duarte)

A cidade do Rio de Janeiro até 1779 não possuía nenhum jardim que fosse público e que as pessoas pudessem passear. No vice-reinado de Luís de Vasconcelos e Sousa (vice-rei de 1779 a 1790) inicia-se a grande construção do Passeio Público, e como nossa cidade sempre tem muita história por trás de cada coisa, essa construção não poderia ser diferente.

Há uma antiga tradição que envolve um amor platônico e um sonho escutado clandestinamente, quem nos conta é Joaquim Manuel de Macedo em seu livro “Passeio pelo Rio de Janeiro”.

O vice-rei Luís de Vasconcelos e Sousa era um homem muito jovem, o mais jovem a assumir o cargo, e era muito amigo do arquiteto e artista Mestre Valentim. Em um dia, ao cair da tarde do ano de 1779, estando o vice-rei na janela do Largo do Paço observando a movimentação, chama o Mestre Valentim, que trabalhava na construção do chafariz da Praça XV para ir ter com ele.

ldv Aconteceu no Rio Antigo - O Passeio Público surgiu de um sonho ouvido atrás da moita
Vice-Rei Luís de Vasconcelos e Sousa. Pintura de Leandro Joaquim no séc. XVIII. (Wikipédia)

Convidou-o a segui-lo em um passeio pela cidade. Montaram nos cavalos e seguiram para o Morro de Santa Teresa, percorrendo as ruas de São José e da Ajuda, ladeando o Convento da Ajuda, e seguindo pela margem de uma lagoa feia e fétida que se estendia até ao fim da atual Rua do Passeio.

Advertisement

Leia também

Águas do Rio alega não saber sobre situação da Cedae mas presidente foi diretor da empresa – Bastidores do Rio

Antiga garagem da Silveira Martins é vendida por R$19,7 milhões a incorporadora

Esta era a Lagoa do Boqueirão que exalava um cheiro desagradável além de ter um terrível aspecto. O local era desestimado, a população da cidade interrompia-se naquele ponto, e se viam apenas três ou quatro humildes casinhas, uma delas na beira da lagoa. O mestre Valentim não tinha entendido porquê o Vice-rei quis justamente pegar esse caminho, até que uma bela jovem, chamada Suzana, aparece na janela para vê-los passar e logo o mestre sorriu e compreendeu o motivo do caminho esquisito.

ldb Aconteceu no Rio Antigo - O Passeio Público surgiu de um sonho ouvido atrás da moita
Lagoa do Boqueirão. Pintura de Leandro Joaquim em 1790. (Google Arts)

Chegaram no morro de Santa Teresa, conversaram a respeito dos aquedutos e desceram quando já estava escurecendo. Fizeram o mesmo caminho de volta e quando chegaram perto da lagoa, pararam para ouvir a voz doce e melancólica de Suzana que cantava.

Luís de Vasconcelos encheu-se de encanto e disse para o Mestre Valentim:

Mestre, é verdade: amo aquela mulher. Vamos ouvir de mais perto o canto de Suzana; há uma moita de arbustos que nos será propícia. Veremos e ouviremos sem ser vistos.
Já falou alguma vez àquela menina, Sr. Vice-rei?
Nunca.

Suzana estava sentada na relva junto ao tronco do coqueiro e, quando acabou de cantar, um jovem rapaz veio juntar-se a ela. Chamava-se Vicente e estavam noivos.

Começaram a conversar e Suzana comentou que o vice-rei tinha passado pela rua mais cedo. Vicente, possesso de ciúmes, ficou indignado afirmando que ele a queria, pois frequentemente passava ali para olhá-la.

A jovem então revelou a Vicente um sonho inocente que tivera naquela noite com o vice-rei.

Sonhei. Por que hei de mentir ou esconder um sonho inocente? Sonhei que um gênio benigno me aparecia risonho e afetuoso. Era um gênio, mas tinha o rosto do vice-rei. Era apenas uma sombra, mas não me assustava, nem eu lhe fugia. A um movimento de sua mão branca e transparente tu apareceste, e ele nos ligou com um laço de flores. O gênio levou-nos para fora, e tirando do ombro uma túnica, estendeu-a sobre a lagoa do Boqueirão, que, de súbito, se transformou em um belíssimo jardim. Depois, o gênio… a sombra foi-se esvaindo, até desaparecer de todo; felizes e contentes, nós corremos como duas crianças travessas pelo jardim. Depois, ah! Vicente! Depois, eu desatei a chorar, porque nesse imenso jardim procurei debalde este coqueiro, cuja sombra, um dia, pela primeira vez, e joelhos aos pés de minha avó, tu lhe disseste o que eu já sabia… que me amavas. O sonho parou aí, porque… eu acordei, chorando.

Após um tempo, o vice-rei e o mestre saíram discretamente e voltaram ao palácio, o trajeto todo foi em silêncio e os olhos do vice-rei estavam marejados.

Ao se despedirem, Luis de Vasconcelos pediu que o mestre estivesse às 10h no palácio, pois eles tinham muito o que conversar. No dia seguinte, conforme combinado, mestre Valentim se apresentou no palácio, o vice-rei disse sorrindo:

Mestre, já temos onde aproveitar a terra do desmoronamento do Monte das Mangueiras (antigo monte que ficava no local da rua de mesmo nome, na Lapa). É na Lagoa do Boqueirão, que vamos transformar em jardim público. Dei a um engenheiro as ordens para tratar de fazer esgotar imediatamente essa lagoa. O jardim fica por sua conta, mestre. Note, porém, que eu me empenho em que nos ornamentos do nosso jardim seja reproduzido um certo coqueiro que indispensavelmente teremos que derrubar.
É um sonho que se realiza, Sr. Vice-rei.
Silêncio, mestre Valentim! Não há sonho, nem gênio, nem loucura da noite passada. Haverá somente um Passeio Público, que a cidade do Rio de Janeiro vai ganhar.

E foi assim, segundo essa antiga tradição, que surgiu o nosso belíssimo Passeio Público, com sua origem um pouco romanesca. Se é verdade ou ficção nunca saberemos, mas são tradições que Joaquim Manuel de Macedo recolheu em antigos manuscritos e que passaram de geração em geração. Sao tradições que fazem parte da nossa história.

Você já visitou o Passeio Público ou já conhecia essa história?

Veja o vídeo completo da matéria no Instagram (clique aqui).

Advertisement
Receba notícias no WhatsApp
entrar grupo whatsapp Aconteceu no Rio Antigo - O Passeio Público surgiu de um sonho ouvido atrás da moita

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui