Totens ‘pornôs’: Aeroporto Santos Dumont sofre ataque hacker

Os totens de informações foram hackeados e vídeos pornôs estavam sendo exibidos

Foto: Reprodução

Nesta sexta-feira, (27/05), o Aeroporto Santos Dumont, localizado no Centro do Rio, sofreu um ataque de hackers pela manhã. Mas nada que tenha afetado o tráfego de aviões: os totens de publicidade que ficam espalhados pela sala de embarque foram invadidos e onde deveriam estar informações sobre os voos, propagandas e horários de embarque, apareceram imagens e vídeos pornográficos. Um deles estava aberto numa tela do ‘xvideos’, com cenas no mínimo impactantes.

Uma passageira, que estava no local, enviou um vídeo e informações do acontecimento.

Os painéis publicitários que viraram ‘cine pornô’ são da empresa 29 Horas.

A empresa responsável pelo Aeroporto, Infraero, alegou em nota ao DIÁRIO DO RIO que tomou medidas legais cabíveis, com registro de boletim de ocorrência e comunicação à Polícia Federal.

Nota na íntegra:

“Ao tomar conhecimento da publicação indevida em um dos monitores publicitários do Aeroporto de Santos Dumont, a Infraero tomou as medidas legais cabíveis, com registro de boletim de ocorrência e comunicação à Polícia Federal, bem como a notificação da empresa terceirizada responsável pela sua gestão para tomar providências quanto à segurança das informações veiculadas em totens de mídia nesta sexta-feira (27/5). 

Ressaltamos que o conteúdo exibido nos monitores de mídia é de responsabilidade das empresas exploradoras de publicidade, que utilizam redes lógicas e sistemas próprios de divulgação, não tendo qualquer relação com o sistema de informação de voos da Infraero. 

Nesse sentido, reforçando seu compromisso com a segurança de seus passageiros, informamos que os monitores relacionados ao caso permanecerão desligados em nossa rede de aeroportos até que esteja garantida pela empresa exploradora de mídia sua confiabilidade”.

Advertisement

25 COMENTÁRIOS

  1. Não é so no SDU. Fui esperar a minha filha no GIG no dia 21 de noite e vi rapidamente umas imagens assim. Não entendi nada, do porque aquilo, fiquei surpresa e pra dizer a verdade não entendi o intuito do painel. Deviam verificar o GIG tambem. Foi no setor de desembarque internacional.

  2. Gente o que esta em questão não e urna eleitoral e sim paineis de informação de voos de um aeroporto com uma grande importancia só isso .

      • Quer dizer que por não estar conectada à internet, isso seria motivo da tal “segurança” avassaladora das urnas invioláveis do TSE? Sugiro estudar mais sobre o assunto.

      • Mesmo não estando conectado à internet um sistema pode ser atacado por programas maliciosos, estude a respeito. De toda forma, na transmissão para contabilização dos votos para a Central do TSE isso ocorre via rede, então há vulnerabilidade no sistema das urnas eletrônicas, sim. Mas se prefere fazer coro com ministre iluminade do TSE, fique à vontade.

    • De fato! Num sistema desconectado da internet não teria como ser invadido, mas pela sua mensagem se percebe que o senhor não possui conhecimento nenhum a respeito do tema.

      • O sistema de votação brasileiro só é utilizado em grandes ‘potências democráticas’, tais como Butão e Bangladesh.

        Sistema sem conexão de internet obviamente não recebe vírus. Mas não há garantias de que um programa infectado não tenha sido previamente instalado na máquina.

        Pelo visto o senhor demonstra ter um certo conhecimento. Mas não se compara com técnicos de IME e ITA que apontaram quase 90 inconsistências na ‘novíssima’ urna eletrônica de 1996.

      • Quer dizer que por não estar conectada à internet, isso seria motivo da tal “segurança” avassaladora das urnas invioláveis do TSE? Sugiro estudar mais sobre o assunto.

      • Existem automações programadas que podem funcionar sim sem internet, não seria um ataque hacker via internet, mas poderia ser um ataque programática automatizado. Nenhum sistema está 100% seguro.

        • Mas a questão do acesso (prévio) às máquinas é questão de controle.
          As urnas não ficam disponíveis à qualquer um.
          Se até na Europa há países com votação eletrônica – inclusive pelo celular.

      • E quem disse que ataque hacker precisa ser online?

        Basta alguém mal intencionado e um software adulterado para infectar qualquer urna eletrônica.

        A maioria dos ataques hackers acontecem por pessoas que conhecem ou tem acesso privilegiado aos sistemas alvo.

        • Um número reduzido provavelmente tem acesso ao sistema das urnas…

          Certamente existem chaves de validação que no momento da transmissão do resultado o sistema central verifica.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui