foto: Divulgação

Os Agricultores familiares do Estado do Rio de Janeiro estão recebendo ajuda da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (Seappa) para se tornarem fornecedores de insumos para merendas da Secretaria de Estado de Educação. (SEDUC). O objetivo é que estes profissionais consigam um comprador que viabilize um planejamento e um escoamento da sua produção.

Para participar do processo o pequeno produtor precisa se candidatar na chamada pública, que faz parte Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). De acordo com o secretário de Estado de Agricultura, Marcelo Queiroz, o programa toda a operação contará com o auxílio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-Rio). “O Governo do Estado trabalha para que cada vez mais produtores familiares se enquadrem e vendam seus produtos para que contornar merenda escolar”, afirma Queiroz.

O procedimento de chamada pública terá sua primeira etapa, de etapa e entrega de documentos, com início nesta segunda-feira (08/02) e termina em 26/02. Os contratos devem ser assinados a partir do dia 28/04. O produtor rural familiar que quiser participar da chamada pública, pode se cadastrar buscando informações nos escritórios locais da Emater-Rio.

É o que fez Luiz Almeida Carvalho, do município de Italva, ao deixar a cidade para viver do que planta e colhe na zona rural. Ele diz que conseguiu se manter no campo graças ao PNAE e ao trabalho da Secretaria de Estado de Agricultura e da Emater-Rio.

“No início foi muito complicado, mas hoje a gente já planta com a garantia que vai vender. Sabemos o preço, o valor que vamos receber. E isso mexe diretamente com o nosso investimento. Ter o apoio técnico foi fundamental. Eles organizam tudo para nós, com tomada de preço e pesquisa de qualidade. Isso ajuda muito” explica o produtor rural.

Marcelo Costa, presidente da Emater-Rio, destacou que os técnicos da empresa pública ligada à Seappa, estão prontos para atender todos os produtores familiares do estado. “Estamos sempre ao lado do produtor. Nossos técnicos e extensionistas estão prontos para receber os produtores e associações e ajudá-los a participar desta chamada pública”, garante Costa.

Costa do mar, do Rio, Carioca, da Zona Sul à Oeste, litorânea e pisciana. Como peixe nos meandros da cidade, circulante, aspirante à justiça - advogada, engajada, jornalista aspirante. Do tantã das avenidas, dos blocos de carnaval à força de transformação da política acreditando na informação como salvaguarda de um novo tempo: sonhadora ansiosa por fazer-valer!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui