Alerj realiza audiência pública, em Cabo Frio, para debater a segurança na Região dos Lagos

O encontro foi convocado pela deputada Dani Monteiro (PSOL); a pauta principal foi à violência policial. Sendo, a corporação que mais mata e também que mais morre no Brasil

Foto: Renata Cristiane

Nesta segunda-feira, (27/06), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj promoveu uma audiência pública para discutir a segurança em municípios da Região dos Lagos. A audiência aconteceu no auditório da sede da Prefeitura de Cabo Frio e o encontro foi convocado pela presidente da CDDHC, deputada Dani Monteiro (PSOL).

A idéia surgiu após denúncias de ataque da Polícia Militar a uma Roda Cultural de Hip-Hop, no dia 5 de maio, na comunidade Manoel Corrêa.

Durante visita da CDDHC ao município, de acordo com a jornalista Renata Cristiane, lideranças locais, moradores e ativistas de direitos humanos da região lançaram apelo pela segurança pública nas periferias da cidade. Apesar de terem sido convidados, lamentavelmente, não compareceram nem o secretário de Segurança Pública e Direitos Humanos de Cabo Frio, Ruy França, e nem representantes do 25º Batalhão da Polícia Militar do Estado do Rio, que atende a região.

No encontro, a deputada saiu em defesa dos policiais, inclusive, revelando que, além de ser a polícia que mais mata e que mais morre, a PM do Rio de Janeiro ainda é a que mais comete suicídio. A probabilidade chega a ser 4x maior que a de um cidadão civil realizar o ato. O dado revela o esgotamento mental desses profissionais.

“Devido ao cenário de extrema polarização política que o país está imerso há anos, o PSOL carrega o estigma de ser partido de ‘defensor de bandido’,  quando, na verdade, defende a vida humana”, afirma a deputada.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui