Time do Vasco em 1982 - Foto: Reprodução/Internet

Em 1982, havia 5 anos em que o Vasco sofria um incômodo jejum de conquistas, acumulando vice-campeonatos regionais para Fluminense e Flamengo. Os rubro-negros vivenciavam simplesmente o auge de sua história. No ano anterior haviam derrotado o Liverpool e se sagrado campeões do Mundial Interclubes, em Tóquio. Vale ressaltar que as frustrações cruzmaltinas não se restringiam somente ao Campeonato Estadual. No Brasileiro de 1978, o Gigante da Colina capitulara na semifinal diante do futuro campeão Guarani, a grande surpresa da competição. Já no ano seguinte, houve novo revés vascaíno, dessa vez por parte do fortíssimo Internacional, de Falcão, Mário Sérgio e companhia.

Tudo levava a crer que na disputa do triangular final do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro Vasco e America seriam meros partícipes, enquanto o Flamengo abocanharia com justiça mais um título. Na própria edição daquele ano não houve comemoração de conquista de um turno. A Taça Guanabara ficou em posse do Flamengo enquanto a Taça Rio com o America, a grande surpresa do certame. O Vasco chegaria ao triangular final apenas por conta da melhor campanha geral.

A inspiração para mudar meio time partiu do então treinador, Antônio Lopes, a partir de uma vitória por 3 a 1 sobre o Flamengo na última partida do returno. Acácio veio a substituir Mazaropi, Galvão ocupara o posto de Rosemiro, Ivan o de Nei, Ernâni entrara no lugar de Geovani e Jérson foi designado para a ponta-esquerda. Gostando do rendimento de seus reservas, Lopes os manteria como titulares para a etapa decisiva.

No entanto, a imprensa não aprovaria as mudanças, tratando o comandante da nau vascaína como louco. Não faltaram pesadas críticas e até piadas ao técnico vascaíno que não se fez de rogado. Os argumentos contrários partiam do pressuposto de que Mazaropi e Rosemiro eram atletas experientes e que Geovani, 18 anos, tratado como uma verdadeira jóia preciosa, não poderia ser sacado do time. De fato, no ano seguinte, ele conduziria com maestria a Seleção Brasileira para o seu primeiro título mundial de juniores em decisão memorável contra a Argentina, em um torneio no qual foi grande destaque e também artilheiro.

Porém, com muita raça e liderados por Roberto Dinamite, os vascaínos venceram o forte America por 1 a 0, gol de Ivan, um dos que haviam se transformado em titulares. Vale ressaltar a magnífica atuação de Acácio, o mesmo que fechara a meta do Serrano, de Petrópolis, dois anos antes na lendária vitória sobre o Flamengo por 1 a 0, com um gol antológico do folclórico atacante Anapolina, o qual veio a sepultar as chances do escrete rubro-negro de conquistar o inédito tetracampeonato na Era Maracanã.

Para a decisão foi mantida a escalação contra o Flamengo. Do time rubro-negro estariam em campo dez dos onze titulares que haviam vencido o Liverpool no ano anterior por 3 a 0. A única mudança residia na zaga com a entrada de Figueiredo no lugar de Mozer. Contudo, os ventos não pareciam assim tão favoráveis aos comandados de Paulo César Carpegiani. A equipe parecia desanimada ante à eliminação recente para o Peñarol pela Taça Libertadores da América. Sem contar que Zico, Leandro e Júnior ainda ressentiam do dissabor sofrido na Copa do Mundo quando a Seleção fora eliminada dramaticamente pela Itália.

Na base mesmo da superação, o Vasco fez valer a sua melhor atuação no certame e bateu o Flamengo por 1 a 0. Curiosamente, o gol do título foi marcado por um dos titulares que haviam parado no banco de reservas: Marquinho, um atleta pequenino que subiria majestosamente entre Leandro, Figueiredo e Marinho, para escorar de cabeça para as redes após cobrança de escanteio de Pedrinho Gaúcho pela esquerda.

O fim da sequência de insucessos do Vasco culminaria por decretar também o fim de um vitorioso ciclo daquela inesquecível formação do Flamengo que, remodelado e já sob o comando de Carlos Alberto Torres no lugar de Paulo César Carpegiani, conquistaria o Brasileiro de 1983. Porém, graças às arrojadas defesas de Acácio, à liderança incontestável de Roberto Dinamite e à entrega de Galvão, Ivan, Ernâni e Jerson, os quais agarraram com força a oportunidade, o Vasco levantou o caneco de campeão estadual de 1982. Graças, acima de tudo, à coragem e visão de Antônio Lopes para mudar tanto a base titular em uma reta final de competição.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui