Por ocasião dos preparativos para a criação do Vasco, na primeira reunião, realizada em um sobrado na Rua Teófilo Otoni, em agosto de 1898, um dos presentes lembrou que o clube não teria dinheiro, tampouco barcos. É certo que todos os presentes eram honestos, mas a honestidade, embora seja uma virtude, não paga contas de absolutamente ninguém. A única solução seria conseguir alguém que tivesse condições de financiar os custos da agremiação. Foi então ventilado o nome de Francisco Gonçalves Couto, proprietário de uma serraria no bairro da Saúde, zona central do Rio de Janeiro.

No dia seguinte ele foi procurado. Como ninguém escapa de uma boa conversa fiada, dizem que ele caiu feito um patinho. Animados, os fundadores do Vasco investiram no Dr. Henrique Lagden. Tratava-se de um médico popular no bairro que gozava de grande prestígio político. Não demorou para que dias depois, não só ele aderisse, como também o Dr. Guarani e outros ao novo grêmio esportivo recém-criado.

Em 21 de agosto de 1898, na sede do Filhos de Talma, no mencionado bairro da Saúde, fundava-se o Club de Regatas Vasco da Gama e, nos moldes da boa política, foi eleito presidente Francisco Gonçalves Couto e tesoureiro o Dr. Henrique Lagden, justamente as figuras de maior projeção. Sete dias depois, após a posse da primeira diretoria, realizada na Estudantina Arcas, Francisco Couto foi tremendamente assediado por todos os presentes que lhe pediam “apenas” uma flotilha completa para que o clube pudesse fazer boa figura no remo.

Um dos requerentes, conhecido como Zé da Praia, passava a mão afetuosamente em seu ombro, dizendo-lhe:

  • O Vasco precisa de “caravelas”. Sem a supremacia dos mares, jamais venceremos a batalha.

O presidente logo se animou e, em um tremendo arroubo de entusiasmo, respondeu que a agremiação teria não só os mares, como o céu também.

É provável que ele tenha posteriormente se arrependido, mas como naquele tempo promessa de homem se cumpria, o primeiro presidente vascaíno logo dotou o clube de uma flotilha completa, embora tivesse ficado com a reserva de domínio.

Porém, o Vasco precisava de um barracão para guardar os barcos, pois na doca do Largo da Imperatriz, as baleeiras e canoas ficavam à mercê do tempo. Na Ilha das Moças, na Praia Formosa, posteriormente aterrada por ocasião da construção da Avenida Francisco Bicalho, havia um perfeito barracão disponível. Somente o Francisco Couto poderia consegui-lo. A turma chorou, chorou, chorou e o presidente acedeu. Afinal, não podia ver lágrimas.

  • Não há nada, rapazes. Tudo certo. Um homem quando está com a mão na massa, tanto amassa um saco de farinha como dois ou três.

E torcendo os fartos bigodes, acrescentou:

  • Amanhã irei falar com o proprietário e dentro de poucos dias os barcos estarão na Ilha das Moças.

De fato, dias depois os vascaínos estavam de mudança para o local. Para ligar a ilha à Praia Formosa houve a necessidade de se construir uma ponte de madeira que foi feita pelos próprios sócios. Quando a passagem estava concluída, os policiais que faziam patrulhamento, amarraram seus cavalos no corrimão. Como o terreno era muito lamacento, os animais obstruíram a pequena passagem seca do local.

Em um domingo ensolarado de janeiro, um certo Antonio Mendes apareceu na Ilha das Moças de terno e sapato brancos, moda comum à época. Na hora da saída acendeu um charuto e ao chegar ao fim da ponte, encontrou um cavalo amarrado. Como não podia passar sem enlamear os sapatos, desamarrou o cavalo e enfiou-lhe o charuto aceso no ouvido. O animal saiu correndo. O policial, que de longe assistia aquela cena, vendo-o correr e relinchar, dirigiu-se a Antonio Mendes e perguntou-lhe:

  • O que você fez ao cavalo?
  • Eu? Nada, seu guarda.
  • Como é que o animal saiu correndo feito um doido?, retrucou a autoridade.
  • Coitado, é um animal de sentimento. Comuniquei-lhe o falecimento de sua mãe e ele saiu em disparada. Deve ter ido tratar do enterro.


Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

André Luiz Pereira Nunes

André Luiz Pereira Nunes é professor e jornalista. Na década de 90 já escrevia no Jornal do Futebol e colaborava com Almir Leite no Jornal dos Sports. Atuou como colunista, repórter e fotógrafo nos portais Papo Esportivo e Supergol. Foi diretor de comunicação do America.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui