Em 8 de agosto de 2013 minha então esposa, com quem estava casado há 13 anos, resolveu me pedir separação. A decisão me pegou de surpresa, visto que para mim aparentemente nada havia de errado. Nenhuma discussão ou desentendimento recentes. Tudo parecia na mais perfeita ordem.

Ledo engano! Nosso relacionamento já vinha mal há pelo menos dois anos e a falta de sexo durante boa parte desse período era um forte indicador. A indiferença e o desinteresse eram habituais. Estávamos vivenciando vidas e interesses bem diferentes. Mas o que isso tem a ver com futebol?

Exatamente um mês depois, o America decidiria com o Bonsucesso uma das duas vagas em disputa para a elite do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro. A Cabofriense dependia de um empate para ser campeã. Na ocasião eu era o diretor de comunicação do America. Hoje faço parte pela segunda ou terceira vez consecutiva do conselho deliberativo.

Como já havia perdido o casamento, refleti que a minha única alegria naquele ano seria ver o meu time campeão e de volta ao convívio com os grandes. A vitória simples daria o título ao America enquanto o empate seria suficiente para o Bonsucesso assegurar uma das vagas. Logo de manhã liguei para o presidente e assim se deu o seguinte diálogo:

– Olá, presidente, bom dia. Vamos juntos ao jogo? A que horas podemos nos encontrar?

– André, não vou de jeito nenhum. O time vai perder e eu corro até o risco de apanhar.

– Como assim, presidente? Você não vai à final para ver seu time campeão? Quem morre de véspera é peru.

– Os jogadores nem treinaram, André. Estão em greve. Não recebem há meses. Está todo mundo gordo. Como você sabe o patrocinador debandou. Já perdemos. Vai você, se quiser!

Ao desligar o telefone senti um misto de raiva e decepção. Já estava extremamente aborrecido com minha vida pessoal. Não era possível que nem o America poderia me dar o mínimo de alegria naquele ano horrível.

Me arrumei. Saí de casa. De fato, como diretor, eu sabia das dificuldades financeiras envolvendo o time. O técnico Duilio, ex-zagueiro do Fluminense e do próprio America, fazia milagres. Mesmo diante de todas as dificuldades jamais esmoreceu, procurando sempre motivar os atletas. Portanto, eu acreditava, que mesmo em meio a tantos percalços, meu time bateria o adversário e sairia campeão.

Chegando em Teixeira de Castro, fiz uso da minha credencial de jornalista e adentrei ao gramado. Percebi que a torcida do America estava alojada no pior espaço, em meio a um sol inclemente, enquanto a pequena claque do Bonsucesso se situava confortavelmente ao lado oposto, nas cadeiras. De repente, ouvi alguém me chamar. Era um amigo, repórter de rádio. Precisava com urgência de ajuda. O comentarista havia faltado por motivos médicos e necessitavam de um substituto. Confesso que não estava com a menor cabeça para nada. Me sentia mal pelo fim do meu relacionamento. Tudo ainda estava muito recente. Mas, mesmo assim, atendi ao chamado. Afinal, seria uma maneira de ajudar um amigo e me distrair de meus infortúnios.

Um fato logo me chamou a atenção. Um torcedor, aproveitando o estádio lotado, foi ao campo e pediu a mão da namorada em casamento. A torcida, animada, comemorou o “sim” como se fosse um gol. Eu pensei: sorte de uns e azar de outros.

Superior em campo e melhor na criação, a equipe rubro-anil comandada por Ricardo Barreto, começou com tudo, indo para cima dos rivais desde os primeiros momentos da partida. Nos quinze minutos iniciais, houve pelo menos três boas chances. Luiz Felipe acertou a trave em tentativa de cruzamento, Renan perdeu boa oportunidade quando apareceu livre e chutou para fora e Marlon, aparecendo bem pela esquerda, obrigou Fábio Noronha a fazer magistral defesa.

O America estava acuado em campo, dizia eu ao microfone da rádio. Seus jogadores não passavam do meio-campo, enquanto o Bonsucesso massacrava a meta do excelente Fábio Noronha, aliás, a melhor figura em campo, ressaltei também na transmissão.

Na segunda etapa o filme se repetiria. Luiz Felipe, Renan e Marco Túlio alternariam várias chances perdidas. Aos 9 minutos, a torcida local chegou até a comemorar. Mas o grito de gol entalado na garganta, teve que ser contido após uma oportunidade claríssima desperdiçada por Marco Túlio. Na pequena área, o atacante antecipou-se à defesa, mas colocou à esquerda do gol de Fábio Noronha.

Com o decorrer da partida, a impaciência tomava conta da torcida americana, mas nem por isso os instrumentos pararam de tocar. Após os 30 minutos da etapa final, o nervosismo também começou a acometer os atletas. Foi um festival de passes errados, chutões e pouquíssimas chances de gol.

No fim, não deu mesmo para o Mecão. Seus jogadores, irritados com o fim da partida se aproximando, pouco conseguiam fazer. O goleiro adversário Santiago sequer sujou seu uniforme. Com o soar do apito final, no Leônidas da Silva, a festa, que já começara cedo, só tendia a crescer. O Bonsucesso estava na Série A de 2014.

Só me restou agradecer aos expectadores que prestigiaram a nossa transmissão radiofônica, me despedir do narrador e do repórter de campo, abraçar o Fábio Noronha e parabenizá-lo pelo seu profissionalismo, cumprimentar alguns amigos e me dirigir para casa.

No caminho alguns torcedores do America, todos bêbados, me reconheceram e me propuseram dividir um táxi até a Tijuca. Lotamos o veículo. Ao final da corrida nenhum de nós tinha dinheiro, mas o taxista, vendo o nosso estado deplorável, em raro gesto de compreensão, não nos cobrou nada. Sem saber coisa alguma da minha vida, ainda me disse que eu venceria todos os obstáculos. Me restaria mesmo a partir daquele dia juntar os cacos. Afinal, outros amores e outros acessos não tardariam a vir. Sorte de uns e azar de outros.

André Luiz Pereira Nunes é professor e jornalista. Na década de 90 já escrevia no Jornal do Futebol e colaborava com Almir Leite no Jornal dos Sports. Atuou como colunista, repórter e fotógrafo nos portais Papo Esportivo e Supergol. Foi diretor de comunicação do America.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui