Otávio Barros, carioca do Alto da Boa Vista, nasceu em sua própria casa, revelando total pertencimento à localidade que desenvolveu laços muito fortes desde então, o que resultou em uma liderança nata, que colabora para o desenvolvimento e inclusão social de seus vizinhos.

Considerado um verdadeiro oásis na cidade do Rio de Janeiro, o Vale Encantado está encruado em plena floresta, permitindo um contato profícuo com a natureza e tem como habitantes cerca de 118 moradores, irmanados pelo real sentido do que é viver em sociedade.

Completamente livre de práticas ilegais, dominantes em boa parte das comunidades cariocas, com a presença de traficantes e milicianos, o Vale Encantado denota-se não mais como um piloto de coletivo que deu seu certo. O projeto é real, com números e iniciativas que demonstram seu êxito e visão colaborativa, fomentado por meio de prática sustentáveis.


Tudo começou com a mobilização das pessoas em função de um processo que visava retirar os moradores das ocupações do Alto da Boa Vista, e nesse momento, Otávio Barros, um dos que residia no local, acabou projetando-se frente a AMATA – Associação de Moradores e Amigos da Taquara do Alto da Boa Vista, e naturalmente tornou-se um articulador  dos interesses locais com as demais instituições.

E acabou posteriormente assumindo a gestão da cooperativa Vale Encantado, que reúne projetos de cunho formativo e gestão de programas turísticos e culinários, inicialmente financiados por um rede de colegas e amigos, muitos estrangeiros, que viram não só o potencial, mas sobretudo uma maneira de colaborar para a criação de oportunidades de trabalhos na região.

O próprio Otávio Barros, que trabalhou como secretário administrativo de graduação na PUC-RJ,  por 25 anos, usufruiu das parcerias educacionais e se formou, juntamente com outros colegas, como guia de turismo e está a frente das ofertas de trilhas ecológicas pela comunidade, com diversas opções de visitação, entre caminhadas mais leves até aquelas mais enérgicas para quem já está acostumado a exercícios mais extenuantes, com direito até a banho de cachoeira.

Ao término das trilhas, o pacote inclui outra esfera da cooperativa, dessa vez com o viés culinário, trata-se da @jacaencantada, no qual as mulheres locais produzem produtos artesanais, nutritivos e que valorizam matérias primas da região, promovendo assim o desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica, por meio da bioeconomia da floresta.
O carro chefe desse projeto é a jaca servida em doces variados, mas com destaque para o chutney de jaca, “jacalhau’ e o “bobó de jaca”, além disso tem a famosa torta de umbigo de banana (feita com a flor da bananeira), a geléia de chuchu com pimenta rosa.

Ao visitar a localidade é possível também conhecer o funcionamento do ciclo sustentável que existe na localidade por meio do processamento do material orgânico em um biodigestor que gera fertilizantes e o próprio gás utilizado na cozinha do projeto.
Aliás os planos para o futuro, incluem a reforma da cozinha, já que Otávio Barros relata que conseguiram por meio de um grupo de arquitetos da UFRJ todo o projeto arquitetônico e agora irão trabalhar na captação de recursos para a obra.

Com a pandemia do COVID19, as atividades do Vale Encantado caíram muito, porém Otávio Barros comenta que estão estruturando-se melhor para atender por meio de delivery a venda das produções culinárias e acredita também que a população carioca, logo, com as devidas liberações, irão buscar mais atividades ao ar livre e nesse caso a experiência completa – trilhas + almoço –  será uma ótima opção, até então pouco valorizadas, porque as visitas mesmas acabavam sendo usufruídas por um perfil de turistas estrangeiros e alguns colégios particulares, que trabalhavam temáticas relacionadas ao meio ambiente e responsabilidade social.

Certamente essa é uma aposta muito interessante que fará com que os próprios cariocas conheçam refúgios paradisíacos pouco divulgados em sua própria cidade, localizados em plena raridade da mata atlântica, um privilégio que temos, ainda… e tomara que por muito mais tempo, com uma maior consciência e zelo de todos.

Contatos com os projetos do Vale Encantado podem ser realizados pelo facebook

Andréa Nakane
Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui