Em 15 de outubro de 1988 faleceu Manoel Ferreira de Almeida. Foi enterrado no Cemitério Jardim da Saudade. Sua ausência abriu uma grande lacuna, pois fôra a maior liderança e a maior prestação de serviços as quais o futebol amador carioca poderia legar. O seu atual anonimato é uma das muitas injustiças que o esporte por vezes proporciona. Homem realizado profissionalmente, além de desportista nato, sempre esteve presente aos estádios para fazer o que mais gostava: comandar times. Contudo, a sua paixão jamais enveredou pelo profissionalismo. Gostava do futebol amador e, qualquer que fosse o clube, vestia a camisa com honradez e dignidade como se fosse a sua segunda pele.

De fácil comunicação, sabia cativar os jogadores e transmitir as suas recomendações. Formava equipes sempre com o intuito de vencer, pois jamais se contentava em ser um mero partícipe. Ainda chegou a cartola, claro que no bom sentido, quando em 9 de março de 1972 assumiu a presidência do Atlético Clube Nacional, levando o clube de Ricardo de Albuquerque às maiores conquistas do extinto Departamento Autônomo, (tornado posteriormente Departamento de Futebol Amador da Capital) e vinculado à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro. 

Quando resolveu presidir o Nacional, descobriu que a agremiação da Estrada do Camboatá não dispunha de água, luz, esgoto, vestiários e tampouco da escritura do terreno. Para piorar, havia uma dívida de 18 milhões de cruzeiros. Sem nenhum esmorecimento, resolveu arregaçar as mangas e criar um grupo de trabalho composto por 38 fiéis colaboradores. Após nove meses, tudo estava sanado e o caixa ainda contava com 25 mil cruzeiros. Em fevereiro de 1983, lançou a pedra fundamental do ginásio contando com a colaboração do então presidente do Vasco, Agathyrno da Silva Gomes. Sete meses depois, o conjunto The Fiver’s abrilhantou a festa de inauguração. Ainda em 1972, dirigiu o time em um torneio de clubes profissionais, o Otávio Pinto Guimarães, conquistando a segunda colocação e ainda incluindo o clube na loteria esportiva, um feito inédito e notório. Também ganhou os títulos de campeão de juvenis, amadores e da Taça Disciplina e Eficiência.

Tendo levado o Nacional às grandes vitórias, lamentava-se da decadência causada pelas posteriores gestões. Sempre enumerava os chamados coveiros e essa foi a principal tônica levantada em várias rodas de conversa formadas em seu enterro.

Após a experiência fora dos gramados, voltaria a atuar como técnico, alcançando sempre êxito no comando das equipes. Entre os inúmeros títulos, vale ressaltar o de 1977, pelo Nacional, quando bateu na final o glorioso Oriente, no campo do America. Já em 1982, após ser vice no ano anterior, foi campeão amador pelo Pavunense, em antológica decisão, em Moça Bonita contra o Oriente, transmitida de forma inédita pela Rádio Nacional. Em 1986, à frente do Francisco Xavier Imóveis, já bem idoso, apossou-se de seu último troféu no futebol amador da capital.

Manoel de Almeida nunca viveu do futebol. Pelo contrário, viveu para o futebol. Por 48 anos foi funcionário de primeiro escalão do Laboratório Schering, criando ainda um time da empresa, o qual se sagrou bicampeão de um certame classista.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui