Bruna Caroline Saraiva Gomes, carioca, atual moradora do Recreio dos Bandeirantes, é pura emoção quando fala de seu maior propósito de vida: oferecer uma segunda chance para os animais. Assim como ela teve em sua própria vida.

Há cerca de 2 anos, Bruna que atravessava um dos momentos mais dolorosos de sua vida, com a perda de seu bebê, no final de sua gestação, desenvolveu uma profunda depressão e o início de seu “renascimento” foi justamente o encontro com a Heloísa Gomes, que também vivenciava um período de muitas dificuldades pessoais.

Ambas já tinham um histórico de iniciativas em prol dos animais, em situação de abandono e maus tratos – de cães e gatos – e decidiram então unir os esforços, criando a ONG Ajuda
Patas, e ao mesmo tempo, que começaram a ajudar juntas os bichinhos, elas também
ganharam uma nova chance, um verdadeiro recomeço.

A iniciativa da parceria, logo, ganhou apoios importantes e com a colaboração da
Subsecretaria do Bem Estar Animal do município do Rio de Janeiro conseguiram a doação de um terreno de 400 m 2 no Complexo da Maré para oficializarem a construção da sede abrigo da ONG.

Mesmo com as obras paralisadas em função da queda da arrecadação de doações, o local
abriga 60 cachorros, a maioria de médio e grande portes, resgatados ou abandonados nas ruas da cidade. Muitos já em idade avançada e com deficiências físicas, o que demanda ainda mais atenção e cuidados.

São mais de 1,5 toneladas de ração ao mês, destinadas para os animais do abrigo e outros 200 gatos, em diversas colônias de apoio espalhadas no entorno.
Além de todas as outras demandas, como vitaminas, medicamentos e hemogramas. O serviço de castração, também é ofertado, com o apoio da Subsecretaria.
Os recursos para manter a ONG Ajuda Patas ativa vem de doadores particulares que fazem
ofertas em espécie ou em itens para a manutenção da mesma.

A corrente do bem é grande. Bruna Caroline conta que para zelar pela estrutura do abrigo, a ONG dispõe de uma equipe voluntária pequena, mas muito engajada, entre veterinários,
adestradores, zeladores, todos unidos pelo imenso carinho aos animais.

Aliás, Bruna Caroline ressalta que o objetivo do abrigo é ser um local temporário de passagem dos animais, já que sua batalha maior visa conseguir adoções responsáveis nas quais os animais tenham a chance de viver em um verdadeiro lar de afeto.

Enquanto esse momento não chega, Bruna Caroline e sua equipe oferecem as condições
necessárias para o bem viver com dignidade desses animais, incluindo doses especiais de
muita ternura. Ela destaca o trabalho da adestradora, Rita Rodrigues, já que muitos dos
animais chegam no abrigo com traumas e medos e precisam desse acolhimento especial.

Cada animal é tratado respeitando sua personalidade e histórias… e são tantas. Bruna recorda de Bruce, que chegou filhote no abrigo, com uma das patinhas decepadas. A batalha para sua recuperação foi árdua, mas conseguiram. Hoje Bruce está super bem, brincalhão, saudável, cheio de energia … só esperando um lar.

Em tempos de isolamento físico, tem sido noticiado o grande movimento de adoção de
animais, porém, Bruna alerta que por outro lado, o abandono também tem sido expressivo, o que não gera motivos para celebração.

O trabalho de Bruna, não tem dia, nem horário. Sua dedicação é total, se for preciso, ela está de prontidão 24 horas, de corpo e alma. Ela percorre, quilômetros e mais quilômetros por todo o município do RJ retirando contribuições e declara: “Cada doação é um afago, um afeto, um estímulo, a continuar na batalha, pois temos a certeza de que não estamos sozinhos.”

Bruna sabe que a causa animal está em ascensão e anseia para que cada vez mais o respeito aos animais seja reinante e supere os atos bárbaros e cruéis ainda presentes na sociedade atual.

Quem quiser integrar ou colaborar com o projeto de solidariedade e responsabilidade da
Bruna, pode buscar informações nas redes sociais da ONG AJUDA PATAS, tanto no Facebook, quanto no Instagram.
Toda ajuda é muito importante e o foco agora é conseguir dar sequência a obra do abrigo para ofertar maior qualidade para os animais que lá vivem!

O abrigo hoje possui quatro baias (duas para cães menos sociáveis, uma para cães mais
comunitários e outra só para filhotes), não tem piso de concreto, alaga quando chove e o muro precisa urgente de nova edificação.

Converse com a Bruna, encante-se por seu trabalho e seja mais um elo nessa corrente do bem. Há muito trabalho, mas também há muita esperança e esforço. Afinal histórias assim não só nos comovem como nos inspiram.

Andréa Nakane
Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui