Leandro Nogueira Rangel, 35 anos, carioca e desde o início da pandemia morador de Campos de Goytacazes, no estado do RJ. Antes viveu no tradicional bairro de Vila Isabel e com sua profissão de publicitário deve a oportunidade de realizar um intercâmbio para Argentina, local onde seu desejo de fazer algo em prol de outras pessoas se intensificou, nascendo, assim, a semente dos Voluntários Engajados.

Em 2012, Leandro Nogueira, em sua experiência internacional teve a oportunidade de atuar como  voluntário no primeiro hospital infantil da América Latina, o Hospital Geral de Crianças Pedro de Elizalde, se fantasiando como palhaço e animando as crianças internadas, o que lhe proporcionou o despertar de uma sensação não vivenciada ainda de oferecer tão pouco e receber tanto, em forma de sorrisos, brilhos nos olhos e agradecimentos sem palavras.

“Quando voltei para o Brasil trabalhei em uma empresa que após realizar uma ação promocional  teve um excedente grande de pomadas para assaduras. Busquei o lugar ideal para receber esse material e entreguei como doação ao Hospital Municipal Jesus. Depois ainda voltei ao hospital pediátrico com a equipe desse trabalho na Páscoa. Logo depois saí dessa companhia, mas não poderia deixar passar esquecido o Dia das Crianças. Então em 2013, reuni 7 amigos, fizemos uma coleta entre nós e fomos ao centro comercial do Saara comprar brinquedos e itens de higiene. Foi a primeira ação oficial do grupo.” recorda Leandro Nogueira.

Os Voluntários Engajados, já com 08 anos de história, tem como seu principal propósito ofertar amor e alegria às crianças carentes internadas em hospitais públicos da cidade do Rio de Janeiro, tendo em sua lista de unidades atendidas Hospital Municipal Jesus, Hemorio, Hospital da Criança, IPPMG, Hospital da Lagoa e Hospital Getúlio Vargas Filho.

A dinâmica do grupo consiste em promover ações especiais em datas comemorativas e para isso conta com os esforços de arrecadação de brinquedos e materiais de higiene pessoal, que são distribuídos nos hospitais. A entrega é sempre feita pelos voluntários, que usam da imaginação para fomentar a fantasia, com direito a vestimentas lúdicas e uma programação animada de performances, jogos e contação de histórias, respeitando as premissas de cada instituição e atuando sob a supervisão dos profissionais da área da saúde. Durante o período pandêmico as atividades presenciais tiveram que ser canceladas, mas quando o sinal verde for acesso, o grupo voltará com gás total nesses contatos face-a-face.

Leandro Nogueira sabe que a força de um, somada a de tantos outros é que viabiliza o trabalho do Voluntários Engajados, que não tem estrutura oficial de uma ONG, mas nem por isso deixa de se comprometer com seriedade e responsabilidade em suas ações.

Para ampliar ainda mais a força de contribuição de seu grupo, Leandro Nogueira, recorre a buscar parcerias com organizações e/ou instituições que estejam realizando alguma campanha e/o projeto e que necessite de mais colaboração. Na melhor concepção “para que inventar a roda, se ela já existe” e dessa forma otimizar e valorizar trabalhos que necessitam de visibilidade e suporte.

“Buscamos pelo Instagram os perfis dos projetos sociais que estão com campanha ativa, entramos em contato para entender as necessidades, montamos uma ação em conjunto, criamos um vídeo explicativo da atividade que cada projeto realiza, organizamos uma live para que esses líderes possam explicar para nossa base de voluntários a história da instituição e assim, mobilizamos todos para apoiar essa causa. A de agosto é esporte para crianças em comunidades carentes, e agora com as olimpíadas podemos tornar o sonho de receber uma medalha no peito mais real.” preconiza Leandro Nogueira.

Nos últimos meses as causas abraçadas foram: pessoas com deficiência, pessoas em situação de rua e música para crianças carentes. E as instituições parceiras acabam também por fazerem novas conexões, criando assim uma teia colaborativa fantástica e muito auspiciosa, até mesmo no encontro de soluções comuns, pois a dificuldade de uma pode ser da outra e esse troca acaba sendo algo muito edificante.

O grupo Voluntários Engajados tem cadastrados mais de 50 voluntários profissionais ativos envolvidos em diferentes grupos no WhatsApp: administradores, designers, editores de vídeo, redatores, fotógrafos, músicos, artesãos, divulgadores, mobilizadores e influenciadores. E o grupo continua aberto para quem tiver disposição e vontade de fazer acontecer.

Leandro Nogueira, conta que as redes sociais são os principais meios de convergência da colaboração, contando com comunidades de mais de 4.000 pessoas, no Facebook e quase 3.500 no Instagram e as arrecadações são oriundas dos próprios voluntários, dos interessados em ajudar e até mesmo ao promover aniversários solidários, destinados a causa do mês.

Em muitas ocasiões queremos ajudar, ser realmente prestativos e não sabemos como… desconfiamos de pessoas oportunistas, e pensamos, que o pouco que podemos oferecer, não será nada.  Mas ao encontrar os Voluntários Engajados percebemos que é exatamente essa contribuição individual que exalta nosso senso coletivo e, sobretudo, de cidadania e solidariedade e que junto a tantos outros produzem uma riqueza sem precedentes, que realmente tem cunho transformador, não só para quem recebe a ajuda e o carinho, mas também para quem o oferece.

Tente e veja a sensação espetacular que terás! Você não será mais o mesmo!

Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui