Giulia Pavesi Dias é carioca de Copacabana, tem 22 anos e é estudante de Estudante de Ciências Biológicas na Universidade Santa Úrsula e pode ser considerada uma legítima representante da geração Z, que traz entre suas inúmeras especificidades, uma latente preocupação com questões relacionadas a sustentabilidade atrelada a uma visão consumista menos ostensiva e muito mais consciente.

E com esse novo mindset, tão necessário a um maior bem-estar, Giulia Pavesi, em 2018 percebeu uma grande oportunidade de empreender transformando “lixo” em “luxo”, já que a matéria prima de suas criações, embalagens de sache de cafés, são consideradas descartes após seus usos. Surge, então, as Cápsulas Penduradas.

A ideia de Giulia Pavesi foi justamente encontrar uma destinação nobre e que diminuísse os impactos causados pelo consumo cada vez mais popularizado das máquinas de café. Essa observação, ela teve, inclusive, em sua própria residência, o que gerou o início de sua produção, fomentando uma maior colaboração no que diz respeito a logística reversa.

Tendo como seu público-alvo consumidor, seus colegas universitários, a iniciativa durante algum tempo não vingou e Giulia Pavesi decidiu deixar de lado esse seu negócio, que era promissor, mas não decolou de imediato.

Em 2020, com a chegada da pandemia do Sars covid, Giulia Pavesi, como tantos outros cariocas, e brasileiros, encontrou grande dificuldade de recolocação profissional em sua área, e ela, então, decidiu resgatar esse seu trabalho, conseguindo por intermédio de amigos, proprietários de uma loja, espaço para expor suas peças.

O uso das redes sociais gerou uma maior exposição das Cápsulas Penduradas (@capsulas_prj) e Giulia Pavesi iniciou uma dinâmica maior de produção, ganhando engajamento e ampliando suas vendas para um diverso nicho mercadológico, sobretudo daqueles que buscam diferenciais, que unam criatividade e consciência ecológica.
“Eu também uso latinhas de alumínios para fazer alguns brincos, além das cápsulas de café, e percebo que muitos clientes sentem-se atraídos por essa conduta mais eco-friendly, mas outros se atraem pelo design, pela estética dos acessórios.” relata Giulia Pavesi.

Giulia Pavesi mantém suas vendas pelas redes sociais, e também está presente na feira de orgânicos do bairro Peixoto, aos sábados, onde consegue interagir mais com os interessados por suas criações. Ela inclusive adota um processo artístico e de execução que busca sempre aprimorar, principalmente, ouvindo seus clientes.

Ela ainda não se inspirou especificamente no RIO para produzir suas peças, porém não descarta uma possível ação futura, já que as imagens da cidade são muito tocantes e fomentam muitas ideias.

As maiores empresas produtoras das cápsulas de café, afirmam que estão trabalhando para ampliar o serviço de coleta das mesmas e buscam soluções para que os danos sejam mitigados. No Brasil, uma lei, sancionada em agosto de 2010, define regras para a destinação de rejeitos, incentivando a coleta seletiva e o reaproveitamento de materiais, quando possível. Porém, os esforços ainda são mínimos se formos analisar o constante aumento da geração de resíduos e consequentemente de sua destinação incorreta.

A participação de todos é vital e incentivar trabalhos como o da Giulia Pavesi denota não só nossa proatividade, mas também a sensibilidade de apoiar a Economia Criativa que gera valor por intermédio das ideias, da inovação, admirando o artesanal, nesse caso com peças únicas, que lhe possibilitará exclusividade de ter algo customizado e a certeza de que seu consumo foi consciente e responsável.

E nesse caso o valor agregado e percebido está muito acima de qualquer quantia monetária, afinal adotar práticas de sustentabilidade demonstra nossa real intenção de cuidar do nosso habitat, afinal, não é possível continuar degradando o meio ambiente, como se não fossemos jamais atingidos por esses danos. Cabe, então, um novo posicionamento, cada vez mais comprometido em gerar menos impactos ambientais.

Não espere o dia do meio ambiente, a ser celebrado, no próximo dia 05 de junho, inicie agora mesmo seu pacto com a vida e vamos virar esse jogo… ainda é possível!



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

Andréa Nakane
Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.

3 COMENTÁRIOS

  1. Giulia Pavesi, parabéns pela belíssima iniciativa! A arte nos salva e que sua nobre ideia de reaproveitar as cápsulas de café sirvam de exemplo. Atitudes como a sua ajudará a minimizar os impactos ambientais promovendo um mundo melhor para as gerações futuras. Gratidão!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui