Silvério da Silva Moron, 67 anos, carioca, morador de Botafogo, diz que é engenheiro de formação, mas professor por devoção e sua história tem sido uma verdadeira inspiração, que demonstra que cada um pode sim fazer a diferença na vida da sociedade, principalmente se essa iniciativa estiver relacionada com a Educação.

Em 2003, Silvério Moron iniciou sua trajetória como docente, ministrando aulas particulares em diversas regiões da cidade, indo até a casa dos alunos, 

Como os deslocamentos diários, que já somavam 17 anos ininterruptos, tornaram-se muito cansativos, Silvério Moron decidiu em 2017 não mais ir até as residências dos alunos e usar sua própria moradia como espaço para as aulas de reforço.

Nesse período, em função de ter o contato direto com as fragilidades dos discentes, Silvério Moron, totalizou cerca de 500 estudantes, 90% da rede privada e 10% do Colégio Pedro II, identificou que a cada ano o nível de aprendizado estava mais preocupante, além de perceber que alunos do ensino médio, já iniciando sua preparação para o ingresso no ensino superior, não se estimulavam em pensar em seguir a carreira de professor, pela valorização praticamente inexistente da profissão e a baixa remuneração.

Ao mudar seu ritmo, Silvério Moron, decidiu fazer a diferença e organizou seu tempo, para manter suas aulas particulares e acrescentar um tempo destinado a realizar atendimento de tira-dúvidas, de forma gratuita, a quem tivesse necessidade.

Para operacionalizar essa sua ação voluntária, Silvério Moron decidiu usar os ambientes da praças públicas da cidade para iniciar o projeto Adote um Aluno. O mesmo começou apenas com sua participação. Durante alguns dias, Silvério Moron, ocupou uma mesa da praça Mauro Duarte, próximo a dois colégios municipais, sem receber nenhum interessado. Muitos não acreditavam na placa que continham as informações dessa oferta, sobretudo por seu gratuita.

Até que no quarto dia de sua presença na praça, Silvério Moron recebeu seu primeiro aluno, um jovem universitário do primeiro ano que apresentava dificuldades em cálculos vetoriais. Uma senhora, transeunte, viu a cena, se aproximou, pediu para registrar o fato e compartilhou nas redes sociais, o que gerou uma comoção expressiva, fazendo com que os números dos alunos aumentassem de 01 para 52.

Com a divulgação, além dos alunos, vieram também os professores voluntários, que se encantaram com a proposta, e também, queriam contribuir para o projeto Adote um Aluno.

O grupo foi crescendo e em março de 2020, o projeto já contava com 450 alunos cadastrados e 90 professores voluntários, que ocupavam cerca de 12 praças da cidade, sem ter nenhum tipo de apoio do poder público, apenas com a força e interesse dos participantes.

“A pessoa precisa ter algum conhecimento, seja em disciplinas básicas da educação, ou na parte técnica, o que realmente é preciso, é ter boa vontade, já que todos em uma determinada fase da vida, acumulam saberes e podem contribuir para um maior engrandecimento de toda a sociedade,  ensinando e assim, ajudando ao desenvolvimento de outras pessoas.” explica Silvério Moron.

A pandemia do Sars-Cov19 interrompeu essa prestação de serviço voluntária, mas a boa nova é que desde o último dia 04 de outubro ele retornou e está em vias de expansão.

Quem tiver interesse é só acessar a página do Adote um Aluno, pelo facebook e verificar nas planilhas disponíveis a distribuição dos horários e das respectivas disciplinas disponíveis. Essa ação vale para quem busca o apoio e também para quem quer ser um voluntário do projeto.

O sonho de Silvério Moron é que cada bairro da cidade, 161 para ser mais preciso, tenha o Adote um Aluno em seus espaços públicos, desenvolvendo essa ação, fortalecendo o espírito coletivo e colaborando assim para que a Educação possa ser o meio para a verdadeira transformação, na qual a igualdade seja cada vez mais presente. E se você fico sensibilizado com essa possibilidade, entre em contato com o idealizador do projeto (021) 99977-2533 – e seja mais um na praça do seu bairro ajudando quem precisa de apoio educacional.

Cada um, compartilhando seu conhecimento, faz a roda da educação deixar de ser estagnada e permite novas perspectivas para todos. Esse movimento Adote um Aluno é prova viva, que não há colaboração menor, que todos podem, e devem, contribuir para uma sociedade mais plena e humana.

E a figura do professor é imprescindível, já que ele é responsável pelo desenvolvimento de cada um… se não existisse o docente, certamente eu não teria seguido uma profissão que me permitisse contar histórias, você não iria conseguir ser alfabetizado e ler esse texto, e tantos outros não teriam como ganhar– de forma digna e honrosa – meios para sua subsistência… é… vamos criar o movimento Mais Professores… Menos…Deixo para você completar!!!

Mas antes, não dá para deixar de falar, em alto e bom tom:

Viva a Educação! 

Aplausos para os Professores!!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui