Erlane dos Santos Alves, a Mila, 35 anos, baiana, há 10 anos morando no Rio de Janeiro e atualmente morando junto com seu marido, Márcio da Silva Maia e filhos, a Ana Beatriz, de 04 anos e o Ezequiel, de 07 meses, no Itanhangá, zona oeste da cidade é pura resiliência e tem demonstrado que a vida mesmo te surpreendendo de forma nada edificante, precisa ser acarinhada como uma verdadeira benção.


Mila, tem se tornado conhecida dos mais exigentes paladares cariocas, por estar empreendendo no negócio batizado Cocadas da Bia, um delivery do tradicional doce baiano, que há muito conquistou o paladar dos brasileiros e faz muito sucesso com sua cremosidade e sabores variados. O cliente de Mila pode escolher adquirir uma caixa com cinco unidades, que ele monta escolhendo entre os seguintes sabores: cocada branca, coco queimado, maracujá, abóbora, leite condensado, banana, abacaxi e até do puro cacau, vindo diretamente da Bahia, de produção familiar.


A iniciativa de Mila em ter um negócio próprio ocorreu em função da necessidade de buscar uma fonte de renda quando a família se viu em um dos mais sofridos momentos de suas vidas, quando a pequena Ana Beatriz, a Bia, foi diagnosticada, de uma hora para outra, com uma bactéria contraída quando ela tinha um ano e seis meses, que em pouco tempo a levou a uma internação, tendo seu estado considerado – pelas equipes médicas – gravíssimo e com o mínimo de chance de sobrevivência.


Mila se recorda na época da corrente de solidariedade e de fé que a Bia recebeu e de forma considerada milagrosa, conseguiu sobreviver. A doença acabou deixando sequelas e a pequena Bia teve que realizar a amputação das duas pernas, logo abaixo dos joelhos.


Apesar de todo o choque e tristeza, Mila, que não era religiosa, mas se tornou evangélica nesse período, acreditou que independente da situação delicada e muito difícil, era uma dádiva ter ao seu lado a filha tão amada.


Inúmeras cirurgias foram realizadas, e como Mila não podia mais trabalhar como diarista, e mesmo recebendo muito apoio de amigos, familiares e até anônimos em vaquinhas coletivas para arrecadar dinheiro para custear gastos operatórios e o tratamento contínuo, ela decidiu investir no negócio, resgatando sua cultura culinária e assim conseguir ter alguma renda e ficar mais perto da Bia.


“Logo percebi que a força da Bia, uma menininha guerreira, que mantinha sempre seu sorriso, apesar de todo o processo hospitalar doloroso, chegava até mim… e isso foi essencial para vislumbrar um novo recomeço… para ela … para mim… para meu marido.”, nos contou Mila.


E assim Mila investiu no seu negócio, e para homenagear a filha batizou sua atividade profissional de Cocadas da Bia e conta com o apoio total do marido, Márcio, na produção e operação de logística de compra dos insumos e vendas do produto. Não há loja física, e com uma taxa de entrega fixa, as cocadas chegam aos mais distantes bairros do Rio.


No momento Bia está em recuperação de um recente procedimento cirúrgico, e há expectativas que logo, logo possa estar usando próteses, que inclusive foi um presente de uma generosa alma, que ao conhecer a história da menina, se comoveu e fez a doação. Como Bia, irá crescer, há a demanda de trocas periódicas do material e por isso mesmo a produção das cocadas não pode parar.


Mila antecipa que a menina não vê a hora de voltar a praticar natação e realizar seu sonho de ter aulas de ballet. Além disso, ela como toda mãe amorosa espera que sua filha tenha um futuro brilhante, que possa incentivar outras crianças a acreditarem na sua força e pensa até na idealização de um Instituto… o Bia Maia.


“Para tudo há uma solução, o choro dura uma noite, mas a alegria vem pela manhã, temos que acreditar e fazer a nossa parte.” afirma, emocionada, Mila.


Há sete meses um novo integrante chegou, o Ezequiel e família cresceu e uniu-se ainda mais.


A história de Mila e Bia, juntamente com a do Márcio e, agora do Ezequiel, confirma a importância da família e de seus pilares de amor e cumplicidade.


Como uma equipe, necessita de entrosamento, de apoio mútuo, enxergando as individualidades de cada um, com suas potencialidades e até fragilidades. Vivenciando todos os momentos, sem exceção, com total companheirismo. O estar juntos tem uma força poderosa e que acrescido da fé, realmente transforma vidas.


Para quem tiver interessado em ajudar a família da Mila pode adquirir seus quitutes pelo telefone (21) 97259-1986 ou segui-las pelo instagram @cocadasdabia.

Difícil será conseguir comer uma cocada só… por isso é bom já adquirir várias caixas… você ganhará doces prazeres culinários e ajudará a iluminar ainda mais o sorriso da guerreirinha Bia.


E fazer o bem a uma criança, torna, sem dúvida alguma, a vida ainda mais doce!

Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui