Fábio Peixoto Ribeiro da Silva, 50 anos, nasceu em Bonsucesso, mas, ainda criança, desde 1973, escolheu Botafogo para viver.

Se formou no próprio bairro, cursou comunicação social, habilitação em publicidade e propaganda pela FACHA em 1997 e com os percalços da vida profissional se viu desafiado a buscar alternativas para vencer as ausências de opções de trabalho. Depois de dois anos, trabalhando com seu automóvel, prestando serviços de transporte, Fabio Peixoto lembrou de sua afeição por sua bicicleta.

Aprendi a pedalar aos 6 anos de idade em Jaconé, meu pai me ensinou. No ciclismo, comecei mesmo em 2003. Não como atleta, longe disso, mas como meio de transporte. Minha primeira bike nem era top e talvez por isso eu tenha entrado de cabeça no ciclismo. A bicicleta era nova em folha, estava.com uma semana de uso, resolvi.subir as Paineiras e as marchas quebraram. Voltei na loja, Special Adventure. Tive uma verdadeira aula e troquei a minha caloi alluminum por uma elite 21.” relembra Fabio Peixoto.

Carinhosamente chamada de magrela, a bicicleta – veículo de transporte, ao mesmo tempo vinculada ao lazer – vem conquistando cada vez mais usuários em uma combinação que vincula valores relacionados a natureza e um negócio sustentável na área de entregas.

Em 2019, Fábio Peixoto começou a fazer entregas via aplicativos e com a chegada da pandemia viu seu negócio crescer, ainda mais contando com a ajuda da namorada, Georgiana, que também buscou novas possibilidades de trabalho, pois também foi atingida pela diminuição de seu trabalho como fotógrafa de recém nascidos.

Ambos decidiram investir no ramo da alimentação agregado ao serviço de entrega, já que esse segmento acabou sendo muito requisitado nesses novos tempos.

O Império dos Lanches e Formiguinha de Botafogo ganharam muitos clientes via a divulgação nas redes sociais e a fidelidade logo foi alcançada com a qualidade dos cardápios.

Fábio Peixoto já acumulou muitas histórias e verdadeiros sufocos com sua magrela. Ele conta que, uma das primeiras entregas que teve que realizar foi de 12 litros de água mineral e 4 litros de refrigerante, subindo uma ladeira íngreme, com todo esse peso nas costas. Nesse dia ele realmente teve que se superar.

Fábio Peixoto reforça que seu trabalho lhe permite apreciar vistas maravilhosas da cidade, circulando por alguns dos principais cartões postais do RIO. Mas também faz um alerta com relação a falta de uma educação real dos motoristas de automóveis para com os ciclistas, fato que em diversas ocasiões gera animosidades e acidentes, o que demostra que é preciso investir em políticas públicas de maior conscientização da população com relação a essa maior harmonia de convivência, afinal o espaço tem de ser para todos.

Para 2021, Fábio Peixoto está animado, pensando em ampliar seu raio de entregas, investir na reforma de sua cozinha privada em uma cozinha industrial, comprar até uma moto, para maior agilização das entregas, mas uma coisa é certa, não vai abandonar jamais sua magrela, afinal, nos tempos mais difíceis, ela foi a companheira de sua sobrevivência e esperança em dias melhores.

Ter uma magrela para chamar de sua faz toda a diferença, na saúde financeira, física e mental. E você já tem a sua?

Andréa Nakane é carioca, apaixonada pela Cidade Maravilhosa, relações públicas, professora universitária, Doutora em Comunicação Social e Mestre em Hospitalidade.Embaixadora do RJ. Vive há 20 anos em Sampa e adora interagir com pessoas singulares que possam gerar memórias afetivas construtivas.

1 COMENTÁRIO

  1. Tá faltando muita informação sobre acontecimentos da cidade. Ontem dei uma circulada e fiquei impressionado com tanto de restaurantes fechados que não repercutido aqui.
    Mas também é importante colocar os sobreviventes. Pessoas que se viram e seguem com novos negócios.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui