Imagem meramente ilustrativa de pessoas circulando pela Praça XV, no Centro do Rio - Foto Cleomir Tavares/Diário do Rio

Nesta sexta-feira (03/09), foi divulgada a 35ª edição do Boletim Epidemiológico da Covid-19, que mostrou que depois de sete semanas consecutivas de aumento após o início da maior transmissão da variante Delta, o número de casos apresenta tendência de queda no Município do Rio. Os atendimentos na rede de urgência e emergência por síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave na capital mantêm a tendência de queda sustentada.

Na última semana, 100 novos casos de diferentes variantes do vírus foram identificados na cidade, sendo 83 moradores locais e os demais pacientes que foram atendidos na cidade, mas moram em outros municípios. Desde a identificação do primeiro caso de novas variantes, o município contabiliza 1.384, sendo 1.118 residentes. Entre os que moram na cidade, 877 casos da Gamma, 228 da Delta e 13 da Alfa. Dos moradores infectados por essas três cepas, 63 faleceram, cinco permanecem internados e 1.050 já são considerados curados.

Por causa da disseminação da variante Delta e do aumento do número de casos notificados, o boletim aponta o mapa de risco da cidade ainda no estágio de atenção. Todas as 33 regiões administrativas (RAs) do município estão classificadas com risco alto (laranja) para transmissão do coronavírus pela quinta semana seguida. As medidas de proteção à vida foram prorrogadas até 13 de setembro, mantendo o nível de alerta para risco alto.

Vacinação

O município do Rio de Janeiro registrou um aumento na procura pela segunda dose (D2) da vacina contra a Covid-19 na última semana. De acordo com dados da Prefeitura, houve uma redução de 40% na quantidade de pessoas que já estavam no prazo estabelecido mas ainda não tinham recebido a segunda aplicação do imunizante.

Desde a última quarta-feira (01/09), o calendário de vacinação do Município do Rio por idade está suspenso devido ao atraso na entrega de imunizantes pelo Ministério da Saúde, órgão responsável pelo envio aos estados e municípios. A atual etapa da campanha é voltada para a proteção dos adolescentes, grupo para o qual a Anvisa libera somente o uso da Pfizer.

Outra paralisação da campanha de vacinação foi na aplicação da segunda dose de CoronaVac desde a última quinta-feira (02/09), também por falta do imunizante. Assim que as doses chegarem (há uma promessa de que seja ainda nesta sexta-feira), a vacinação será retomada e as pessoas poderão procurar os postos de vacinação para completar o esquema vacinal.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui