Restaurante La Fiorentina, na Avenida Atlântica.

O tradicional restaurante La Fiorentina, no Leme, na Zona Sul, reabre no próximo dia 10 de agosto, após passar quase quatro meses fechado. Segundo a direção do restaurante, o fechamento teria sido por conta da pandemia da Covid-19, embora não expliquem os quase seis anos de dívidas de condomínio e mais de uma década sem pagamento do IPTU do imóvel onde funciona o restaurante. No período, o estabelecimento enfrentou diversas dificuldades: um prestador de serviços de circuito interno de TV revelou ao Diário que sua empresa não recebeu por serviços prestados, dentre outros.

Ainda em 2020, o restaurante ficou fechado por cinco meses, durante o primeiro período de restrições de circulação para conter a proliferação do coronavírus. No fim do ano, a casa reabriu, mas os prejuízos teriam sido insustentáveis.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

O fundador do restaurante, Omar “Catito” Peres, contou ao portal de notícias “G1” que tentou trabalhar com delivery, mas o custo de manter o restaurante funcionando era alto. Então, informou ele que decidiu encerrar os serviços, mas já pensando em uma reabertura. Para isso, alega que foi procurar investidores.

Catito afirmou que encontrou uma dupla de sócios apaixonada pelo local e por tudo que representaria o La Fiorentina para o Rio de Janeiro. A casa então, agora contaria com a participação do empresário Delorme Lima e do produtor cultural Caio Bucker.

No dia 19 de maio, o Prefeito Eduardo Paes resolveu conceder um incentivo fiscal ao La Fiorentina, inscrevendo o estabelecimento no Cadastro de Estabelecimentos Tradicionais e Notáveis, o que não tem qualquer relação com Tombamento, como alguns órgãos de imprensa erradamente noticiaram. Esta inscrição apenas geraria benefícios fiscais ao estabelecimento.

O imóvel foi a leilão para pagamento de uma dívida superior a 9 milhões de reais com um banco, mas não houve interessados. A loja de mais de 400m2 está avaliada entre 4 e 5 milhões, e especialistas do mercado imobiliário já haviam previsto que, pelo valor desejado, provavelmente não haveria negócio.

2 COMENTÁRIOS

  1. Espero que reabra sim, mas com dinheiro do ACIONISTA e sem dinheiro público, prebendas e nem incentivos fiscais discricionários. Os verdureiros de Ricardo de Albuquerque, que nunca receberam NADA do governo, agradecem!

  2. Viva a La Fiorentina e viva a cultura carioca. Viva quem realmente quer fazer a diferença e fomentar a cidade do Rio de Janeiro, bem diferente deste jornal de quinta categoria que só faz matéria sensacionalista pra chamar a atenção.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui