O relatório final da CPI das Enchentes foi aprovado nesta quinta-feira (17/10). O documento contém recomendações para prevenção e mitigação dos desastres e atendimento dos atingidos pelas chuvas fortes, além de propostas de indiciamentos a serem encaminhadas ao Ministério Público. O presidente da CPI, Tarcísio Motta (PSOL), adiantou que entre as indicações de indiciamentos estão o secretário de Infraestrutura e Habitação, Sebastião Bruno, e Marcelo Crivella.



Toda manhã o resumo do Rio de Janeiro

“O prefeito pode ter cometido o erro grave de não ter se preparado para as chuvas, mas agora ele está dobrando o erro não se preparando para as próximas chuvas”, disse Motta.

Com relação a Sebastião Bruno, Motta destaca que houve muitas coincidências entre as propostas apresentadas para a execução de obras emergenciais, autorizadas pelo secretário:

São textos idênticos que supõem uma mesma origem e, portanto, sugerem cartel. O servidor responsável deveria ter parado o processo e isso não foi feito. Precisamos saber se a combinação de preços foi prejudicial ao orçamento público e se algum agente público obteve vantagens ao não tratar o processo com o cuidado necessário”.

Entre as dezenas de recomendações descritas no relatório a ser votado, estão: atualizar os protocolos e estágios operacionais da cidade e regionalizar os estágios de atenção e crise para considerar as diferentes áreas socioambientais da cidade, como rios e encostas; atualizar regras de zoneamento, gabarito, uso e ocupação do solo e ampliar a capacidade de planejamento da cidade; investir em políticas de gestão socioambiental do território que incluam moradores locais, ampliando os programas como os de agentes comunitários de saúde e de garis comunitários, além de criar um programa de agentes comunitários de defesa civil; e criar um Sistema Municipal de Prevenção e Mitigação a Desastres Socioambientais.

O último depoimento
O secretário especial, Ailton Cardoso, ao depor hoje na sessão da CPI, não conseguiu responder às perguntas feitas pelos vereadores. “A sessão desta quarta foi a última chance que a prefeitura teve para se explicar sobre o caos administrativo, os problemas nos contratos emergenciais e os cortes orçamentários, mas não o secretário não foi capaz de fazer uma defesa institucional”, ressaltou o presidente da CPI.

Ao longo das análises feitas pela CPI, que começou em 21/03, os parlamentares identificaram o que Tarcísio Motta classifica como “caos administrativo”, no qual órgãos essenciais para a prevenção de desastres trabalham de forma desarticulada. Para corrigir o problema, o relatório aponta algumas mudanças imediatas, como a vinculação direta da Comlurb à Secretaria de Infraestrutura e Habitação e que a Defesa Civil, hoje subordinada à Secretaria de Ordem Pública, ganhe o status de secretaria, em diálogo permanente com o Centro de Operações Rio.

Felipe Lucena

Felipe Lucena é jornalista, roteirista, redator, escritor, cronista. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro, em Curicica. Sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da cidade do Rio de Janeiro.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui