O Armazém São Joaquim foi vendido, e é considerado o principal prédio comercial de Santa Teresa
O Armazém São Joaquim, no Largo do Guimarães, foi vendido a investidores. O imóvel estava à venda por 1,5 milhão.

Em 6 de dezembro de 2018, noticiamos aqui que fora colocada a venda uma das mais icônicas propriedades de Santa Teresa, o velho Armazém São Joaquim. A edificação, construída em 1854 para a função que exerceu por nada menos que 150 (isso, cento e cinquenta!) anos, é a principal construção do folclórico Largo do Guimarães. Aliás, o Largo é do Guimarães mesmo, leia-se, de um Guimarães só, e não “dos Guimarães”, velho erro já cometido por nós mesmos em matérias anteriores.

O prédio, construído em pedras de mão, estuque e madeira, faz mesmo parte do folclore de Santa Teresa. Foi fotografado diversas vezes pelo célebre fotógrafo Augusto Malta para retratar o bairro, pintado por diversos artistas de renome – como por exemplo Emeric Marcier e Inimá de Paula, e está presente sempre que o famoso Largo onde se encontra é fotografado, para simbolizar Santa Teresa. O sobradão que fica na esquina do Largo com a Ladeira do Castro e com a Almirante Alexandrino foi finalmente vendido a investidores que visam restaurá-lo, preservando a sua história. Especialistas consideram sua localização comercial a melhor de todo bairro.

A região de Santa Teresa e Glória tem recebido grande atenção de investidores nos últimos tempos. Noticiamos aqui ontem a venda do Hotel Glória ao Banco Opportunity, e também a venda do prédio da Rádio Globo à Valente Empreendimentos. Isto, aliado à mega reforma da Beneficência Portuguesa e à recente aquisição de outros prédios históricos na região, pode trazer alento a quem é apaixonado pelas regiões mais históricas da cidade, nestes momentos em que se lê tantas más notícias, principalmente sobre o fechamento de estabelecimentos tradicionais da cidade.

Depois de fechar as portas na primeira década do ano 2000 após 150 anos de funcionamento ininterrupto, com a morte de sua última herdeira, Stella Cruz, o imóvel foi alugado a uma pizzaria chamada Porta Quente, e depois, ao Armazém Cultural São Joaquim, que emprestou o nome da edificação e teve noites de música ao vivo e muita alegria, conduzidas pela batuta de Zéu Brito (apesar dos protestos de alguns moradores). Infelizmente, o período em que as obras do bonde transformaram o Largo num pandemônio enfraqueceu o negócio, que acabou sendo despejado pelos antigos proprietários por falta de pagamento, após anos de diversão.

O armazém foi adquirido pelo Grupo Reg, especializado no restauro de imóveis históricos e na locação de suas lojas a terceiros. A empresa foi procurada pelo DIÁRIO, mas apenas confirmou a aquisição, informando por escrito que “o imóvel será restaurado à perfeição, de acordo com todas as suas características originais“. Segundo vizinhos, uma equipe de marceneiros está trabalhando dentro do imóvel, e uma empresa de jardinagem visita o imóvel semanalmente, para podar as charmosas trepadeiras que tomam conta de sua fachada interna. Além disso o antigo vitral redondo com uma imagem religiosa, visível pela Almirante Alexandrino, no sentido Pascoal Carlos Magno, parece ter sido restaurado.

No famoso prédio amarelinho de janelas e portas vermelhas, uma placa de “aluga-se” da imobiliária Sergio Castro já foi colocada, indicando que as negociações já podem ser abertas com potenciais interessados.

Apesar da legislação do município proibir expressamente que bancas de jornais escondam a visão de imóveis tombados, chama a atenção no local uma imensa banca cinza e azul, com cerca de 3 metros de altura e uns 4 de largura, praticamente colada na fachada do prédio pelo Largo do Guimarães.

Uma vez restaurado, o prédio talvez mereça ao menos um tratamento justo pela prefeitura do Rio, se é que isso existe. Além disso, bancas de jornal não podem estar a menos de 5 metros das esquinas das fachadas. É o que diz a lei municipal 3425 de 2002:

Art. 8º As bancas de jornais não poderão ser localizadas:
I – a menos de cinco metros das esquinas das fachadas, no sentido do alinhamento dos prédios;
(…)
III – em passeios fronteiros a monumentos e prédios tombados pela União, Estado ou Município, ou junto aos estabelecimentos militares ou órgão de segurança;

De toda forma, com banca ou sem banca, é uma bela notícia para os amantes de Santa Teresa. Agora é esperar a pandemia passar, pra ver o resultado do investimento dos compradores, e rezar para ver um comerciante apostar no ponto comercial e no polo gastronômico do bairro, que perdeu recentemente o Restaurante Espírito Santa, que encerrou suas atividades após 15 anos de funcionamento.

11 COMENTÁRIOS

  1. Escrevi vários comentários que não foram permitidos, é isso?

    [Resposta Diário do Rio: Todos seus comentários estão abaixo, basta ter o cuidado de ler de baixo para cima.]

  2. Alíás, faltou dizer que o Banco Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas, é o principal responsável pelo esvaziamento da Rua da Carioca, outra área do Rio que deveria ser “revitalizada”. Sinto arrepios cada vez que ouço essa palavra.
    Oportunidade para quem???

  3. A reconstrução de um prédio histórico é bem-vinda, mas espero que não se transforme em mais um empreendimento que infernize a vida dos moradores com música alta e clientela barulhenta até altas horas da madrugada. Aliás, a reportagem deveria ter dito que o “Armazém Cultural São Joaquim, que emprestou o nome da edificação e teve noites de música ao vivo e muita alegria” era um desses estabelecimentos infernais, que dava uma banana para as reclamações dos moradores. Quem acha que isso é reclamação de chato, que visite o Largo aos sábados à noite, quando uma noite de samba em outro casarão próximo transforma o Largo numa terra de ninguém.
    Quanto à banca, entendo a legislação, mas de modo alguma ela deverá ser simplesmente retirada do local, pois é um serviço que é prestado aos moradores há muito tempo pelo morador Sr. Souza.
    Se há algo de que os moradores de Santa Teresa estão cansados é desses “empreendimentos de revitalização”, que não contribuem em nada para melhorar o nosso bairro. Atraem apenas uma clientela alucinada que adora gritar “u-hu” de forma alucinada até a madrugada, como no hotel metido a hipster Mama Shelter.

  4. Moradores do bairro não tem a mesma esperança quanto ao “salvamento” do prédio histórico. Essa história já estamos cansados de ver, investidores de fora que visam transformar os locais de acordo com seus interesses e mudando cada vez mais o caráter familiar e acolhedor do bairro. Exemplos disso são o Hotel Santa Teresa, o Portela bar e tantos outros onde foram montados negócios completamente excludentes para os que vivem a décadas na região. Buscando dar ao bairro um caráter turístico luxoso e não considerando que o que precisamos são espaços que integrem os moradores.
    Esse prédio citado na matéria funcionou por 150 anos como uma mercearia de legumes e verduras e era uma referência no bairro. Assim como o local onde era a tradicional padaria do bairro se transformou no bar Portela.
    Não precisamos mais de bares e hotéis aqui, os investidores precisam voltar atenção para a população local, caso contrário seus negócios não passarão de uma empreitada momentânea com fechamento rápido, como tantos outros que cansamos de ver!

    • Exatamente, Mayná! A reportagem poderia ter procurado os moradores para entender seus pontos de vista, né?!
      O Diário do Rio se diz um “portal-referência sobre o universo carioca” e “100% independente”, mas fez exatamente como a grande mídia faz. Só mostra o lado dos empresários. Nem a Globo faria melhor.
      Lamentável…

      • Vai acabar sobrando pro Sr. Souza!

        E como sempre daqui a pouco aparecerão aqueles que dizem que somos contra a melhora do bairro. Pelo contrário, queremos que o bairro melhore, claro, mas para os seus moradores, não para a turistada e os bebedores arruaceiros.

  5. Excelente notícia! Esse tipo de construção precisa msm ser conservada, sem descaracterização e assim continuar sendo um prédio antigo, pq qdo muda o riginal, vira prédio velho.

  6. Também adoraria assistir a revitalização do entorno e a restauração da estação Leopoldina.
    Acho que existem várias possibilidades de tentar rememorar os anos de vida intensa da estação e honrar nossa história.

  7. Que bom que finalmente investidores da iniciativa privada estão se preocupando em proteger e restaurar os Patrimônios Históricos e Culturais da cidade do Rio. Legal! Bom ler boas notícias. E sobre a Estação Leopoldina? Quando vão restaurar aquele lugar que tem uma arquitetura imponente e majestosa e tranformá-la em um Museu e espaço cultural sobre trens e ferrovias? Aquele prédio tem uma arquitetura vitoriana linda, é um pedacinho de Londres no Rio. Sérgio Castro Imóveis, por favor, tente fazer algo para nos devolver a Estação Leopoldina uma vez que o poder público não faz a menor questão de devolvê-la à população, cariocas e turistas.

  8. O Brasil barato (com moeda desvalorizada) torna atrativo para determinados “investidores” que tomam as propriedades.
    Esses grupos são os que ditam os preços atrás sempre de lucro maior com alugueis.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui