Nesta segunda-feira, 06/01, a Polícia Militar, sob a alegação de que o pedido para desfilar deveria ter sido feito com 70 dias de antecedência, vetou o desfile do Bloco da Favorita em Copacabana, marcado para o dia 12/01, que está sendo divulgado pela Prefeitura como a abertura oficial do carnaval do Rio. O Bloco entrou com um recurso contra essa decisão, nesta terça, 07/01.

A Sociedade Amigos de Copacabana — associação de moradores do bairro da Zona Sul — pediu ao Ministério Público para que o show seja embargado. O argumento é que o desfile pode causar transtornos no bairro.

Sem o aval da PM ou do Corpo de Bombeiros, a Riotur não emite o documento de cadastro efetivado, que é a permissão necessária para o desfile. Esta é também uma exigência do Ministério Público estadual.

Por outro lado, representantes dos blocos alegam que há uma quantidade muito grande de exigências, gerando um ônus que os blocos não têm condição de pagar.

Lembrando que a agenda de blocos do DIÁRIO DO RIO já está no ar.

3 COMENTÁRIOS

  1. Se os megas blocos não têm condições de arcar com as despesas e do cumprimento do Termo de Ajuste de Conduta (TAC), por que insistem em querer sair.

    A maioria desses blocos que são ligados a grande mídia, recebem grandes patrocínios das empresas de cervejaria e de celulares. E nunca se preocuparam com a devastação das sujeiras e da degradação dos bairros por onde passam. Dizer que as entidades são preconceituosas no que diz respeito a um tipo de público, é mentira, pois, o povo é usado como veículo de massa para atender as grandes negociatas entre o poder público, a Globo e a Liga. Não, aos grandes eventos de massa. Os moradores tem o seu direito de não concordar com esse tipo de abuso que não acrescenta nada ao bairro de Copacabana. Não ao turismo predatório!!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui