Um dos mais clássicos bairros da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro, dentro de Bonsucesso cabem memórias do mundo todo.

Onde hoje fica Bonsucesso, ficava, no período colonial, o Engenho da Pedra, cujas terras se estendiam até ao porto de Inhaúma, por onde era escoada a produção agrícola e de açúcar do recôncavo do Rio de Janeiro.

[iframe width=”100%” height=”90″ src=”https://diariodorio.com/wp-content/uploads/2015/05/superbanner_66anos.swf-3.html”]
Com mais de meio século de tradição no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, a Sergio Castro Imóveis contribui para a valorização da cultura carioca

A dona das terras do Engenho da Pedra era Cecília Vieira de Bonsucesso, por conta disso a região passou a ser chamada de “Engenho da Pedra de Bonsucesso”.

D. Cecília Vieira de Bonsucesso possibilitou a reforma da capela de Santo António, que era cortada pelo Rio Faria. Este fato, que aconteceu em 1754, foi um marco para toda a região onde hoje em dia fica Bonsucesso“, frisa a pesquisadora Manoela da Silva.

Ainda no campo religioso, no fim do século XIX, foi erguida uma capela em louvor a Nossa Senhora do Bonsucesso, em um terreno no alto da rua Olga, doado por Adriano Rocha Costa. A imagem da santa, que veio da Europa e que tem o nome do bairro, foi desembarcada no porto e trazida em procissão solene, pelos fiéis, até à igreja.

Em 1914, Guilherme Maxwell, engenheiro, comprou terras na região de Bonsucesso. Sob influência das notícias sobre a primeira guerra mundial, Guilherme decidiu lotear as ruas com nomes de cidades de países que combatiam a Alemanha no conflito. Surgiram assim, respectivamente, a Praça das Nações e as avenidas Paris, Londres, Bruxelas, Roma e Nova Iorque.

Mais ou menos no mesmo período, um membro da família Frontin, expandiu o bairro, loteando a área além da linha férrea da Leopoldina. A influência da primeira Guerra Mundial seguia firme e forte. Vias com nomes como Clemenceau (Georges Clemenceau, primeiro ministro francês durante a Primeira Guerra), Marechal Foch e General Galieni.

Com defeitos e qualidade, atualmente, o bairro segue com sua importância grandiosa nesta cidade do mundo que é o Rio de Janeiro.

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá Felipe, sou Luciano Reis, Guia de Turismo, recente morador do bairro e tenho interesse em mais informações sobre o mesmo e a Praça das Nações caso tenha mais informações.

  2. Felipe, boa noite. Gostei muito do seu texto. Bem informativo e interessante.
    Vc tem mais informações sobre a Praça das Nações? Data de inauguração, entre outras …?
    grata.
    Andréa Brígida

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui