Projeto foi apresentado na Câmara dos Vereadores. Foto Cleomir Tavares / Diario do Rio

O vereador Paulo Pinheiro (Psol), presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores do Rio, fez um apelo, nesta segunda-feira (22/03), ao prefeito Eduardo Paes (democratas) para que mais restrições sejam aplicadas na cidade para contenção da Covid-19. O manifesto foi assinado por de 2.100 pessoas, com alguns notáveis da política e da sociedade como Tarcísio Motta (PSOL), Hermano Castro (Diretor Escola de Saúde Pública/Fiocruz), Comissão de Direitos Humanos OAB/RJ, entre outros.

Além de pedir por medidas mais rígidas de distanciamento, o documento intitulado “Antes que seja mais tarde!”, alerta para a quantidade de pessoas que estão passando por necessidades básicas na cidade. O apelo pede ainda, que o poder público forneça alimentos e máscaras à população vulnerável e manutenção do funcionamento das unidades de acolhimento às pessoas sem moradia.

O documento explica a necessidade de implementar medidas mais rígidas de isolamento social para que vidas possam ser preservadas, diante do risco de indisponibilidade de leitos na rede de saúde.

“A vacina não chegou no tempo certo. É preciso esvaziar as ruas. Garantir alimento para quem tem fome e minimizar o prejuízo dos que perderam suas fontes de renda.Mais de seis milhões de cariocas estão em risco.Para preservar a vida na Cidade, medidas drásticas de distanciamento social devem ser adotadas”, diz o texto do manifesto.

Paulo Pinheiro afirma que trata-se de um manifesto apartidário de pessoas que estão do lado da vida. Diz ainda que, enquanto médico e vereador, não poderia deixar de se manifestar e declarar o apoio à ciência e à saúde neste momento.

A partir desta segunda-feira (22/03), a Câmara de vereadores do Rio também passa a funcionar em novo protocolo. O horário de expediente administrativo passa a ser entre 10h e 16h, de segunda-feira à sexta-feira. As audiências, debates públicos e as reuniões promovidas pelas Comissões Permanentes ou de Representação, continuam no formato híbrido (presencial e virtual). Já as solenidades e os eventos coletivos não relacionados às atividades legislativas ficam suspensos.

Carlo Caiado (democratas), presidente da Câmara, explica a necessidade de mudar o funcionamento da instituição neste momento.

“Estamos passando por um período de agravamento da pandemia na cidade e todos precisamos fazer a nossa parte para evitar aglomeração, principalmente nos transportes públicos”, disse o parlamentar.

As visitações públicas também estão temporariamente canceladas. As reuniões com parlamentares só poderão ser realizadas com autorização prévia e em caráter excepcional. Alguns setores terão horário diferenciado, adequados com as suas necessidades.

Costa do mar, do Rio, Carioca, da Zona Sul à Oeste, litorânea e pisciana. Como peixe nos meandros da cidade, circulante, aspirante à justiça - advogada, engajada, jornalista aspirante. Do tantã das avenidas, dos blocos de carnaval à força de transformação da política acreditando na informação como salvaguarda de um novo tempo: sonhadora ansiosa por fazer-valer!

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui