Câmara do Rio quer diagnóstico sobre condições de escolas e creches da rede municipal

Audiência Pública da Comissão de Educação da Câmara contou com a presença de representantes do Poder Executivo, de profissionais da educação e de representantes dos alunos

Foto: Prefeitura do Rio

A Comissão de Educação da Câmara do Rio realizou uma audiência pública nesta segunda-feira (22/08) para tratar sobre os problemas de infraestrutura nas unidades escolares do município. Conduzida pelo vereador Tarcísio Motta (PSOL), o debate contou com a presença de representantes do Poder Executivo, de profissionais da educação e de representantes dos alunos.

Obras inacabadas, falta de acessibilidade, dificuldades de ventilação, falta de água e falhas na rede elétrica foram algumas das questões levantadas pelos participantes. Para a coordenadora geral do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (SEPE-RJ), Maria Eduarda Quiroga, estas são pendências presentes em diversas escolas espalhadas pelo município. 

Os problemas não são pontuais, estão presentes na rede em uma série de unidades escolares, como problemas de climatização das salas de aula e espaços de convivência pequenos, como quadras e refeitórios de escolas com horário integral”, revelou.

Foi apontada a necessidade de um diagnóstico que aponte a atual condições físicas dos prédios das unidades escolares, indicando quais estão em perfeita condição de funcionamento, quais precisam de reformas emergenciais, aquelas cujas obras precisam ser finalizadas e as que necessitam de reformulação completa.

A situação de muitas unidades acabou piorando durante o isolamento imposto pela pandemia, quando as escolas ficaram muito tempo fechadas, sujeitas à degradação e depredação e com obras paralisadas. Reconhecendo esse agravante, o secretário municipal de educação, Antoine Losao, afirma que um esforço está sendo feito para a retomada dos investimentos e infraestrutura. 

Ano passado, foram R$ 167 milhões. Em 2022, são R$ 380,5 milhões destinados à infraestrutura, um número muito expressivo de investimentos. Serão R$ 180 milhões por meio do Sistema Descentralizado de Pagamentos, R$ 115 milhões para o programa Fábricas da Escola do Amanhã, R$ 20 milhões para o Conservando Escolas e R$ 63 milhões para obras específicas licitadas”, complementou Lousao. 

Sobre o diagnóstico, o secretário explicou que equipes da pasta foram capacitadas para a utilização de um aplicativo e que estão visitando escolas para, a partir daí, apresentar os dados sobre a situação das escolas: “até outubro teremos esse diagnóstico sistematizado para apresentar e direcionar de forma mais assertiva o que deve ser a nossa ação de recuperação e melhoria da infraestrutura das escolas como um todo”.

Estiveram presentes também na audiência os vereadores Marcio Santos (PTB) e Reimont (PT) e o ex-vereador Prof. Célio Lupparelli.

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui