Câmara negou pedido de anulação de processo contra vereador Gabriel Monteiro

O processo avalia denúncias de quebra de decoro

Gabriel Monteiro em discurso na sessão plenária da Câmara Municipal do Rio de Janeiro (Foto: Flávio Marroso)

Em reunião na tarde desta terça-feira, o Conselho de Ética da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro indeferiu o pedido da defesa do vereador Gabriel Monteiro, para que fosse anulado o processo que avalia denúncias de quebra de decoro contra ele.

Na semana que vem, dia 25/05, o conselho vai ouvir as primeiras duas testemunhas, os ex-assessores de Monteiro Vinícius Hayden Witeze e Heitor Nazaré Neto.

Um dia antes, na terça-feira 24, os advogados de Monteiro serão ouvidos pelos vereadores. “Não está no rito, mas o conselho, de forma imparcial, vai ouvi-los”, disse o presidente do Conselho, Alexandre Isquierdo.

Apesar de já ter estourado o prazo para apresentação de testemunhas de defesa, o Conselho deu até a próxima sexta-feira para que o vereador apresente até cinco nomes.

Foi uma decisão unânime dos membros do conselho, para evitar possíveis questionamentos futuros, sob alegação de que o conselho não deu o direito à ampla defesa”, justificou Teresa Bergher (Cidadania).

“A rigor, na letra do regimento, o vereador não poderia mais apresentar. Mas, os advogados pediram para que, se não aceitássemos o pedido de anulação do processo, estendêssemos o prazo para apresentação de testemunhas”, explicou o relator, Chico Alencar.

Acatamos para dar ampla defesa, mas serão até cinco, para não protelar muito”, completou.

As oitivas acontecerão a portas fechadas, na presença apenas dos advogados e membros do conselho.
O colegiado já marcou outros dois depoimentos para o dia primeiro. Já definimos as testemunhas, mas não vamos ainda divulgar seus nomes. É uma forma de preservar as testemunhas”, explicou Luiz Ramos Filho (PMN).

Advertisement

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui