Carioca vai ter ceia de natal menos farta este ano

Carioca vai ter ceia de natal menos farta este ano

6 de dezembro de 2018 0 Por Felipe Lucena
Compartilhe

De acordo com uma pesquisa feita pelo Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio) e pelo Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), a ceia de natal do carioca será mais modesta do que nos últimos anos. A análise ouviu 500 consumidores que procuraram seus postos de atendimento durante os meses de outubro e novembro.

Dos entrevistados, 52% disseram que a ceia será menos farta; 44% que será igual e 4% que será mais farta. O desemprego e a queda de renda familiar são consideradas as principais causas dos problemas financeiros que as pessoas estão enfrentando, especialmente os funcionários públicos, que estão com salários atrasados e sem previsão de receber o 13º salário.



Mesmo diante desse cenário difícil, 75% dos entrevistados pretendem gastar até R$ 300,00 com a Ceia de Natal; 20% entre R$ 350,00 e R$ 450,00 e 5% acima de R$ 500,00; 71% pretendem pagar as suas despesas com cartão de crédito parcelado; 23% com cartão alimentação, 5% à vista e 1% com cheque pré-datado. Entre ceia e presentes de Natal 65% dos consumidores ouvidos pretendem comprometer até 15% da sua renda; 28% entre 16% e 30%; 7% acima de 35%.

Os produtos que deverão compor a ceia são peru/chester (35%), lombo/pernil (26%), bacalhau (17%), frutas (15%) e 7% outros.

Dos entrevistados 51% são do sexo feminino e 49% do sexo masculino; 50% são casados, 26% são solteiros; 14% tem união estável, 7,5% separados ou divorciados e 2,5% viúvos. Deles 16% tem de 18 a 35 anos; 41% de 36 e 45 anos; 27,5% de 46 a 55 anos; 13% de 56 a 65 anos e 2,5% mais de 60 anos. Entre os entrevistados 8% têm renda familiar de um salário mínimo e meio; 45% de dois a três salários mínimos; 25% recebem entre quatro e cinco salários mínimos; 15% de seis a sete salário mínimos, 5% de oito a dez salários mínimos e 2% acima de dez salários mínimos.

Felipe Lucena é jornalista, roteirista e escritor. Filho de nordestinos, nasceu e foi criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar da distância, sempre foi (e pretende continuar sendo) um assíduo frequentador das mais diversas regiões da Cidade Maravilhosa.


Compartilhe