Na noite desta terça-feira, 29/10, o presidente Jair Bolsonar (PSL) viu seu nome envolvido no Caso Marielle no Jornal Nacional. Seu nome aparece em depoimento prestado à polícia pelo porteiro do condomínio na Barra da Tijuca, na zona sul do Rio de Janeiro, onde Bolsonaro e o policial militar reformado Ronnie Lessa têm casa.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Bem a seu estilo, Bolsonaro decidiu responder a matéria, que diz que Élcio Queiroz, autor dos disparos que mataram a vereadora Marielle Franco, disse que ia a casa de Bolsonaro, apesar de ter ido para a de Lessa, e no mesmo dia Bolsonaro estaria em Brasília. Mas não foi com esse álibi perfeito que Bolsonaro decidiu responder, como sempre acusou a Globo e a imprensa, mas desta vez escolheu um novo alvo, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC) e o culpou por “vazar” informações do processo de Marielle para a TV Globo.

“Esse processo está em segredo de Justiça. Como chega na Globo? Quem vazou para a Globo. Segundo a [revista] Veja, está publicado aqui, quem vazou esse processo para a Globo foi o seu governador Witzel”, disse Bolsonaro.

O presidente voltou a criticar Witzel, que segundo ele, só foi eleito pela proximidade com seu filho Flávio Bolsonaro durante a campanha. Bolsonaro disse que depois de eleito, o governador fluminense está tentando “destruir” sua família para concorrer à Presidência daqui a 3 anos.

“O senhor só se elegeu governador porque o senhor ficou o tempo todo colado com o Flávio Bolsonaro, meu filho. O tempo todo colado com ele. Ao chegar à presidência (sic) o que o senhor fez? Foi se transformar em inimigo dele. Porque? Porque o senhor quer disputar a Presidência da República em 2022”, declarou o presidente.

Resposta de Wilson Witzel

Witzel também usou as redes sociais para responder aos ataques do Bolsonaro, em uma imagem publicada na madrugada de quarta-feira, 30/11, diz lamentar profundamente a manifestação intempestiva de Bolsonaro. E que jamais houve qualquer tipo de interferência nas investigações conduzidas pelo MP e Polícia Civil.

Em uma alfinetada diz que não fará, diferente do que Bolsonaro faz com ele, prejulgar e condenar sem provas. Que foi atacado injustamente e que defenderá o equilíbrio e o bom senso nas relações pessoais e institucionais.

Veja:

Quem parece ter gostado da briga foi o candidato derrotada para governador em 2018, Eduardo Paes (DEM), que tuítou:

E por falar em Witzel e Lives, o governador começou na terça-feira, 29/10, a sua 1ª como governador, também pelo Facebook.

2 COMENTÁRIOS

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui