A romaria da Arquidiocese carioca ocorre desde 1902, e foi intensificada a partir de 1931.

Cada ano promovendo um tema diferente, a Arquidiocese do Rio de Janeiro promove sempre sua tradicional Romaria ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP). A romaria aconteceu hoje, dia 28 de agosto, com direito a uma missa especial, reza do terço e a realização de uma via sacra.

Como no ano passado, a programação da romaria desta vez precisou ser novamente adaptada, com algumas restrições, em função da pandemia da Covid-19. Respeitando todos estes protocolos de segurança de saúde, a Romaria Anual da Arquidiocese do Rio de Janeiro teve como tema: “Com Maria, solidários com a humanidade!”, como uma preparação para 2022, quando a arquidiocese fará a experiência do Pilar da Caridade e, assim, viver o Ano da Comunhão. É também a reflexão das experiências que a Humanidade viveu nestes dois anos de pandemia: a solidariedade com todos.

A celebração eucarística foi realizada às 9h, presidida pelo arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta e concelebrada pelos bispos auxiliares, vigários episcopais e sacerdotes presentes. O número de fiéis foi reduzido, pois o Santuário de Aparecida está operando com restrições de aglomerações. Às 8h, foi rezado o terço, e pouco depois da missa foi realizada a Via Sacra.

Aparecida é o lugar dos que buscam constantemente a santidade à vida com Jesus numa caminhada de conversão. O Santuário Nacional faz ecoar em nossos corações o imperativo evangélico da santidade. Somos impelidos pelo próprio Cristo a almejarmos a perfeição divina: Sede perfeitos como o vosso Pai Celeste é perfeito! Fazei tudo o que Ele vos disser.”, escreveu o Arcebispo do Rio de Janeiro. Os católicos são 45,8% da população do Rio de Janeiro, segundo o censo de 2010.

Dom Orani também escreveu, sobre a Arquidiocese do Rio, “que Deus fez maravilhas entre nós. Os esforços desta nossa Igreja Particular nestes tempos tão diferentes não foram em vão. Penso em pessoas, penso na ação pastoral, em tantos trabalhos das pastorais, movimentos, comunidades, penso na missão corajosa dos nossos padres e diáconos, penso nas vocações que Deus nos envia com generosidade, penso nas muitas ações sociais, educacionais e culturais, penso nas nossas mídias que evangelizam, penso no Seminário Arquidiocesano São José – centro de nossa atenção não só em agosto, mas em todo o ano – que nossa gente ajuda, penso nos sonhos de futuro para nossa Igreja. Temos muito ainda a fazer, muito de que nos converter, muito para sonhar. Temos uma bela cidade marcada, porém pela violência e pobreza. Temos muitas polarizações e divisões. Mas tudo é graça, tudo é dom, tudo é maravilha de Deus em nós, para nós e conosco. Experimentamos muitos frutos neste tempo da graça do Senhor“.

Neste ano, a presença dos fiéis das comunidades paroquiais será simbólica. Não será possível a presença física de centenas de caravanas em Aparecida. Os fiéis, de suas casas, poderão acompanhar a missa pela TV Aparecida, RedeVida de Televisão e Rádio Catedral. A WebTV Redentor e demais mídias da arquidiocese também irão transmitir a romaria. Antes e depois da celebração das 9h, os fiéis poderão rezar juntos as orações do Terço Mariano e da Via-Sacra”, disse o cônego responsável pelo evento.

A Romaria da Arquidiocese do Rio de Janeiro ao Santuário de Aparecida começou em 1902 por iniciativa do então Cardeal Arcebispo Joaquim Arcoverde (sim, aquele que dá nome à praça e à estação de metrô). Na época, a romaria preparou os fiéis cariocas para a celebração do jubileu de ouro da proclamação do dogma da Imaculada Conceição.

As peregrinações foram intensificadas a partir de 1931, já no governo do Cardeal Sebastião Leme, quando a imagem histórica de Nossa Senhora Aparecida veio até o Rio de Janeiro, na época, a capital da República, por ocasião de sua coroação como rainha e padroeira do Brasil.

O Cardeal Arcebispo Dom Eugenio Sales determinou, quando esteve à frente da Arquidiocese, que as romarias, a cada ano, fossem realizadas no último sábado do mês de agosto. Os demais arcebispos, inclusive o Cardeal Orani João Tempesta, mantiveram a tradição durante os anos, reunindo anualmente no Santuário uma média de mais de 60 mil fiéis em épocas normais. Segundo estatísticas do próprio Santuário de Aparecida, a romaria do Rio de Janeiro é uma das mais antigas e a que reúne o maior número de participantes, entre o clero e os fiéis.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui