Foto: Vanor Correal

A Cedae vai adotar em caráter permanente a aplicação de carvão ativado pulverizado no início do tratamento da água distribuída pelo reservatório do Guandu a grande parte da população do Rio de Janeiro. A medida será adotada pela companhia de distribuição de água para reter a alga geosmina, que tem causado cheiro forte e turbidez na água distribuída.



Siga nossas redes e assine nossa newsletter, de graça

Jornalismo sério, voltado ao Rio de Janeiro. Com sua redação e colunistas, o DIÁRIO DO RIO trabalha para sempre levar o melhor conteúdo para os leitores do site, espectadores dos nossos programas audiovisuais e ouvintes dos nossos podcasts. O jornal 100% carioca faz a diferença.

Apesar de ter adotado a medida, a Cedae avisou em nota que os testes realizados pela companhia nos últimos dias apontam que a água fornecida está dentro dos parâmetros exigidos pelo Ministério da Saúde, e própria para o consumo.

Segundo a Cedae, esse método vem sendo utilizado em estados como São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul, por exemplo, onde o problema tem maior recorrência. A última vez que a companhia identificou a presença de geosmina na água foi em 2004 e, na época, avaliou-se que não seria necessário adotar medida semelhante.

Amostras de terça-feira, 7/11, não apresentaram mais nenhuma alteração no cheiro e no gosto. Ao longo do sistema, porém, a água ainda pode apresentar gosto e cheiro alterados em alguns locais. Por isto, a Cedae continuará monitorando todo o sistema de abastecimento ao longo da semana.

3 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite
    Muito fácil falar que não tem problema com água, mas nós população é que sabemos o que passamos por estar consumindo esse tipo de água imprópria. Parem de dar desculpa atente para as necessidades da população a minha casa está com alteração na água também gosto e cheiro ruim.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui