Centro do Rio ganha a primeira Cordeoteca Digital do Brasil

O acervo conta com mais de 15 mil obras da literatura de cordel e poderá ser visitado de forma gratuita

Secretaria de Cultura lança no Rio a primeira Cordeoteca Digital do Brasil

O Dia do Cordelista, celebrado na última sexta-feira (19/11), foi festejado de forma especial para os amantes da cultura nordestina. Isso porque a Biblioteca Parque Estadual (BPE), no Centro do Rio, recebeu o lançamento da primeira Cordeoteca Digital do Brasil. O local passa a contar, a partir de agora, com um acervo de mais de 15 mil obras da literatura de cordel.

O cordel, também conhecido no Brasil como folheto, é uma forma de literatura popular em verso, escrito frequentemente na forma rimada, originado em relatos orais e depois impresso em folhetos. O gênero é extremamente popular em diversas regiões do país, mas sobretudo no Nordeste do Brasil.

O Shopping Paço do Ouvidor é o ponto de encontro no Centro do Rio. Passa no Paço.

O acervo poderá ser acessado por meio de um ambiente virtual especializado em literatura de cordel, montado na sede da própria Biblioteca Parque Estadual. No local, os visitantes poderão conhecer os principais autores do gênero literário brasileiro, como Leandro Gomes de Barros.

O cordel é tão importante para a literatura brasileira e, aos poucos, vai ganhando o espaço que merece. Este projeto terá o papel de preservar a memória para as futuras gerações. É um gesto fantástico da Danielle em ceder este espaço para abrigar as obras. São esses momentos que nos realizam enquanto gestor público“, afirmou o secretário de Estado de Cultura e Economia Criativa de São Paulo, Sérgio Sá Leitão.

Renomado cordelista brasileiro e presidente da ABLC, Gonçalo Ferreira brindou e emocionou os presentes com uma apresentação de cordel ao vivo. Em seguida, explicou a magnitude da criação da Cordeoteca Digital.

Este evento é, na verdade, um desfecho feliz de uma luta que vem sendo travada há muito tempo. Depois de uma tarefa duríssima, que foi catalogar todo o acervo, conseguimos dar esse passo adiante. Temos que agradecer à UFRRJ pela parceria. Temos certeza que estamos contribuindo muito para a literatura brasileira“, completou Gonçalo Ferreira.

A iniciativa é fruto de um termo de cooperação entre a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e a Academia Brasileira de Literatura de Cordel, detentora do acervo, e conta, ainda, com apoio da Fundação Nacional de Artes (Funarte) e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Serviço:
Biblioteca Parque Estadual – Cordeoteca Digital
Dias para visitação: segunda a sexta-feira.
Horários: 10h às 17h.
Endereço: Avenida Presidente Vargas, 1.261 – Centro do Rio de Janeiro.

Comente

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui